segunda, 06 de julho de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Após dois dias, família ainda não tem pistas do paradeiro de Emanuelle

Em entrevistas, a mãe e equipe de resgate informam que até agora, não há novidades

 

PreviousNext

 

A reportagem do Jornal Negocião esteve hoje pela manhã em Chavantes. Conversamos, com exclusividade, com a mãe da menina Emanuelle e com a equipe de buscas SICOE de Marília.

 

RELATOS DA MÃE – Fabiana Castro, mãe de Emanuelle Pestana de Castro, de apenas 8 anos, contou a rotina de vida da menina que brincava todos os dias na Praça do Bode. “Emaunelle é muito obediente, quando eu chamava, logo ela vinha. Na tarde de sexta, fui buscar ela pra almoçar às 02h00 da tarde e depois voltei às 07h00 e não a encontrei mais. Dali por diante, foi correr na vizinhança, perguntar pra todo mundo, fiquei sem comer, nem beber a noite inteira e não encontramos minha filha. Pelo amor de Deus, quem souber de alguma coisa, traga minha filha, não tem motivo nenhum pra fazerem isso com ela. Agora, a gente vê os objetos dela e fica lembrando. Não tem que comprar mais aquilo que ela gosta”, declarou emocionada à reportagem.

 

EQUIPE DE BUSCAS – Ouvimos também Marcelo Mauro, coordenador do SICOE  – Sistema Integrado de Comando e Operações em Emergência – de Marília, equipe de buscas que auxilia a polícia a encontrar o paradeiro de Emanuelle. “Estamos trabalhando incessantemente, dia e noite, mas até agora não fomos felizes. Vasculhamos fazendas, matagais, canaviais, tivemos diversas informações checadas, mesmo assim, sem sucesso”, disse Marcelo.

Um dos integrantes que esteve hoje na Fazenda Santa Rosa, pediu ajuda a populares: “Pedimos à população que nos auxilie com qualquer informação ou suspeita para que possamos averiguar e encontrar essa menina”.

As equipes do SICOE são todas compostas por voluntários e estão alojados em uma das escolas de Chavantes, onde recebem alimentação e infraestrutura para se manter. As buscas são feitas em revezamento, enquanto uns procuram, outros descansam para continuar os trabalhos.

Equipes da Polícia Civil, Polícia Militar, Canil, também se empenham nas investigações.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.