quarta, 11 de dezembro de 2019

MAX. º MIM. º
TEMPO:

“Culpar as administrações anteriores é incompetência de resolver o problema”

São palavras do ex prefeito Toshio Misato em relação às críticas que vem recebendo pela crise da falta d’água em Ourinhos; o prefeito Lucas Pocay afirmou que poderá decretar “Situação de Emergência”

Letícia Azevedo

É comum a deficiência no abastecimento de água em diversos bairros de Ourinhos. As reclamações se multiplicam e munícipes revoltados cobram respostas.

Na última sessão da Câmara, dezenas de pessoas, munidas de cartazes, cobraram dos vereadores um posicionamento mais objetivo.

 

SUPERINTENDENTE EXONERADO – Na segunda-feira, 4, a prefeitura anunciou o pedido de demissão por motivos pessoais do superintendente da SAE, Marcelo Simoni. No lugar dele, foi nomeado o ex-secretário de Desenvolvimento e Infraestrutura, Inácio J.B. Filho.

Segundo a prefeitura vem afirmando, a situação só chegou a esse ponto pois as gestões anteriores não fizeram o investimento necessário para que ampliações e melhorias fossem realizadas nos sistemas de captação, tratamento e distribuição de água, que não acompanharam o desenvolvimento da cidade.

OUTRO LADO – O ex-prefeito Toshio Misato governou Ourinhos por oito anos e deixou o mandato para sua sucessora Belkis Fernandes. Questionado, o engenheiro disse que “uma gestão que coloca a culpa em gestões passadas, para mim não tem a capacidade de resolver os problemas. Hoje enfrentamos um problema da falta d’água, que acontece por um descuido de gestão de água. Sempre houve a falta d’água na cidade, porém de maneira mais pontual. Quando chovia muito ou até mesmo não chovia, acontecia a falta de foram em que apenas um ou outro bairro era atingido pelo problema. A situação hoje é diferente. A maioria dos bairros sofre com a falta de abastecimento. Fizemos investimentos enormes, não realizamos poços artesianos, mas nós construímos uma adutora, que leva a água do Rio Pardo até os pontos de reservação. Eram quilômetros de tubulações que cruzavam toda a cidade, tendo em média, o mesmo custo de a perfuração de um poço. Então, essa história de que não houve investimentos, é uma grande mentira” – apontou Toshio.

FINANÇAS DA SAE – “Dívidas não foram deixadas e que inclusive ficaram valores para a quitação de pendências”, assegurou Toshio. “É tão simples falar sobre a situação da SAE quando deixamos o governo. É só perguntar aos funcionários de carreira, como era a superintendência antes de assumirmos. As contas do ex-superintendente Haroldo Maranho foram aprovadas, quer dizer, nenhuma irregularidade foi detectada”, complementou o ex prefeito.

AUMENTO DAS TARIFAS – Toshio acredita que o aumento repassado aos munícipes é absurdo: “Quando se aumenta uma tarifa, uma taxa, a população espera que esse aumento seja revertido em benfeitorias, em investimentos. Agora, a população não tem água, e ainda paga um valor abusivo. É claro que isso vai revoltar os munícipes, e com toda razão” – explicou.

LUCAS EXPLICA – O Prefeito Lucas Pocay não gravou entrevista, mas vem divulgando através de suas redes sociais que medidas emergenciais terão que ser tomadas, com a possibilidade de elaborar um Decreto de Situação de Emergência.

Segundo nota, além do poço que está sendo perfurado no Jardim Itamaraty, outro será instalado na Vila Margarida e será feita a recuperação dos filtros da ETA com o objetivo de produzir mais água tratada “Paralelo às medidas paliativas, vamos investir R$20 milhões nesse setor e vamos marcar nossa gestão por ter acabado em definitivo com o problema da água em Ourinhos”, finaliza nota.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.