MAX. º MIM. º
TEMPO:

Idosos continuam sendo as maiores vítimas de golpes

Em Ourinhos o índice de ocorrências continua crescendo e preocupando autoridades

 

Juliana Neves

 

Atualmente, crimes contra idosos vem aumentando e preocupando a população e autoridades de Ourinhos e região, bem como no país como um todo. São crimes de grande variedade que causam prejuízo de milhares de reais que nunca mais são recuperados pelas vítimas.

As maiores orientações das autoridades direcionadas aos aposentados é não carregar o cartão com a senha, que na maioria das vezes, são guardados no mesmo local. Não aceitar ajuda nem acreditar em conversas de pessoas nos caixas eletrônicos de um banco e nem do lado de fora deles.

De acordo com o delegado Dr Pedro Nascimento, coordenador da Central de Polícia Judiciária de Ourinhos, os idosos são os principais alvos dos golpistas, pois são pessoas com alto nível de vulnerabilidade, e os criminosos se comportam como alguém bom, oferece ajuda e promete melhorias bancárias, usando das fragilidades das pessoas, como a ganância e o despreparo.

Doutor Pedro Otávio Telles Nascimento, coordenador da Central de Polícia Judiciária de Ourinhos.

Diante desta realidade o delegado aconselha: “procure ir acompanhado de alguém, uma pessoa que passe segurança, alguém que passe confiança e que irá evitar uma abordagem. Porque eles têm um público alvo e são vários golpes”, afirma.

“Esses criminosos sempre se apresentam de camisa e gravata, com um crachá no bolso parecido com o do banco, muito cordial, muitas vezes aparece outro também que faz parte do golpe. E a hora que ele pega o cartão da pessoa, com a “intenção de oferecer ajuda”, ele troca e devolve outro. E com isso ele pegou os documentos e todo o crédito da pessoa”, conta o delegado.

Segundo o delegado, os estelionatários acordam pensando nos golpes que irão praticar, é o “trabalho” deles, e podem se apresentar como fiscais de prefeitura, vendedor de telefonia e televisão a cabo, por exemplo. Usam carros que, provavelmente, foram roubados, ficam em casas alugadas no mínimo de forma ilegal, são sociopatas que usam o dinheiro das pessoas com drogas, mulheres, entre outras coisas.

“Se você mora sozinho ou no caso de um casal de idosos, por mais que você se sinta preparado para a vida, diga não, na dúvida diga não. Não entregue nenhum documento, não deixe pegar seu celular, entrar em sua casa, não acredite em ligações de supostos sequestros ou acidentes de parentes. Desligue o telefone e pode ficar tranquilo”, explica o doutor Pedro.

Sob qualquer suspeita, é importante que o idoso ou quem convive com ele e acompanha-o de forma cotidiana, vá até a Central de Polícia Judiciária para pedir orientação, explicar o caso se estiver com dúvida ou receios. A polícia irá ajudar e está disponível 24h por dia, também é possível ligar para o disk 100 e realizar a denúncia.

O delegado acredita que uma simples atitude diminuiria 70% dos casos de golpes contra idosos: “ao chegar no caixa eletrônico, antes de fazer qualquer operação, é preciso apertar o botão cancela, pois pode ter alguma programação pronta ali no caixa, e ao fim da sua operação, apertar o botão cancela também para os seus dados ficarem apagados. Evitar sacar dinheiro aos finais de semana aumentaria para 85%”.

Mas se a pessoa realmente cair no golpe, é importante registrar um boletim de ocorrência para a Polícia Civil investigar e judicializar o caso. Entretanto, os casos que são registrados são de uma quantidade mínima, porque a maioria tem vergonha de declarar que caiu em algum golpe, então, absorvem o prejuízo.

Valdete Ferreira, diretor executivo nacional do Sindicato Nacional dos Aposentados, diz que o caso que mais aparece para o sindicato – por sinal o mais trabalhoso para se resolver, é sobre supostos processos em andamento, onde o idoso tem um dinheiro alto a receber, mas, para isso, é preciso ligar no número descrito na carta para pedir uma conta para depósito, pois para receber o dinheiro é necessário também depositar. No fim, é golpe.

Valdete Lopes Ferreira, diretor executivo nacional do Sindicato Nacional dos Aposentados.

Recentemente, um idoso foi até o sindicato para contar sobre uma compra que realizou de um produto que prometia algum milagre e aí começou a receber diversos produtos em sua casa mais dívidas a serem pagas, pois com os dados do cartão, o golpista aproveitou para fazer “a festa”.

Valdete cita que muitos idosos também sofrem golpes dos próprios familiares. Um exemplo disso é o empréstimo consignado. “A família muitas vezes abusa. Tivemos um caso que atendemos, o idoso tinha feito empréstimo consignado e empréstimo pessoal, estava com 80% da sua renda comprometida. Como que um cidadão consegue viver com 20% da sua renda? E o empréstimo foi feito para algum parente. É uma roda viva de pessoas espertas, tanto dentro e fora da família, que faz com que o idoso tenha seus benefícios reduzidos”, explica Valdete.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.