MAX. º MIM. º
TEMPO:

Morte de PM em Araraquara é esclarecida após prisão dos envolvidos

O carro do policial, um SUV Tucson, foi encontrado em chamas por volta das 3h de terça (4) em um canavial próximo à vicinal de acesso à Rodovia Antônio Machado Santana (SP-255), entre Américo Brasiliense e Araraquara.

Horas após o início das investigações, a polícia chegou até Jaciane Maria, de 40 anos, namorada da vítima e Larissa Marques, de 22 anos, filha mais velha de Jaciane. Elas confessaram o crime e a mulher alegou que pediu para o tio matar o policial após ver o vídeo íntimo dele com a filha mais nova.

O pedreiro Genivaldo Silva, de 54 anos, confessou que matou o policial com cinco marretadas a pedido da sobrinha. Ele foi preso na quarta-feira, (5).

Segundo o depoimento do pedreiro, Jaciane colocou uma droga na bebida de Ribeiro para que ele entrasse em sono profundo, na segunda (3). Após o PM ter dormido, ela e a filha foram até a casa do pedreiro para buscá-lo.

Ele teria entrado no quarto com luvas para não deixar impressões digitais e deu cinco marretadas no PM. O corpo de Ribeiro foi colocado no carro dele e Jaciane teria o dirigido até o canavial entre Araraquara e Américo Brasiliense e colocado fogo.

Os três confessaram o homicídio e ainda não apresentaram advogado de defesa.

Com a conclusão do inquérito, a Polícia Civil vai pedir a prisão preventiva dos três suspeitos. Eles vão responder por homicídio e destruição de cadáver.

Giovanna Marques, a jovem de 20 anos que aparece no vídeo íntimo com o policial militar assassinado, diz que foi surpreendida com o caso e espera punição para os envolvidos.

Ela relatou que conheceu o cabo Elias Matias Ribeiro, de 49 anos, na festa de aniversário da mãe e se tornou amiga dele. Para a polícia, ela não teve participação no crime. “A gente comia um lanche, conversava sobre tudo. Ele era um amigão”, disse.

Ela admitiu que se relacionou com o policial e que o deixou gravar um vídeo em que aparece seminua. A gravação foi vista pela mãe e foi o motivo do planejamento da morte.

“Eles [a mãe e o policial] não tinham um relacionamento sério, ele tinha várias mulheres. Eu me sinto mal. Eu sinto muito por elas, peço desculpas por ter ficado com a pessoa que ela [mãe] gostava”, afirmou.

A jovem disse ainda que foi surpreendida ao descobrir o envolvimento da família no crime e espera punição. “Não sei o que passou na cabeça dela [da mãe] para fazer isso. Por que não fez comigo? Elas devem pagar pelo que fizeram”.

(Conteúdo site ACidade ON Araraquara, do grupo EPTV, afiliada da TV Globo)

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.