segunda, 06 de julho de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Realidade do Pacheco Chaves: bairro sem farmácia, sem açougue e lotérica

Moradores afirmam ser um bom bairro, mas que precisa de mais atenção da prefeitura municipal em alguns aspectos

 

Juliana Neves

 

Uma rua estreita, antes de entrar no Jardim Itamaraty, revela o ‘cartão de visita’ do Parque Pacheco Chaves. Logo de início observa-se uma pequena movimentação matinal de adolescentes que acabaram de acordar para estudar ou fazer qualquer outra coisa com um cigarro em sua mão.

Quanto mais se acessa o bairro, mais estabelecimentos comerciais vão surgindo. Não são muitos, aliás é raro ver mais de um em uma única rua.

O que é mais comum são moradores andando pelas ruas ou sentados ouvindo suas músicas preferidas. Como um senhor que estava em frente a um pequeno mercado da vila.

FALTA DE CRECHE – Na Rua Maria Pacheco Chaves encontramos simpáticos moradores que falaram sem pensar mais de duas vezes tudo de bom e de ruim do bairro. Um deles é Maria Alice Madeira, que reside no Pacheco há mais de 39 anos, que afirma, com toda a certeza, do quanto o bairro necessita de uma creche para os pequenos moradores.

“Outra coisa que falta aqui é uma melhoria nos pontos de ônibus, é uma proteção no estilo de uma casinha, além de uma lotérica porque aqui não há nenhuma unidade próxima e sempre precisamos ir até o centro da cidade. Para nós é muito longe e consome tempo”, reclamou Maria.

Maria Alice Madeira.

FALTA FARMÁCIA E AÇOUGUE – Em relação ao comércio, o maior pedido dos moradores é de uma farmácia um açougue. Há uma rede de supermercados grande próximo ao Pacheco Chaves. “Nós precisamos atravessar a pista a pé, é muito perigoso. Já teve gente que morreu atropelada porque ia ao mercado, precisa de um maior aqui dentro do nosso bairro”, explica Maria.

BAIRRO PERIGOSO? – O Parque Pacheco Chaves possui uma fama de ser um dos bairros mais perigosos da cidade, devido a presença de traficantes e pessoas de má fé. Porém, os moradores relataram que é um bairro maravilhoso e quieto para se morar, acreditam que esta fama não condiz com a realidade.

“Eu moro aqui muitos anos e nunca soube de nenhum registro de roubo na nossa região ou coisa pior, acredito que tenha sim traficantes e acho que é para mais o meio do bairro, mas, mesmo assim, afirmo ser um bairro muito bom e tranquilo para se viver”, complementa a moradora.

Carmelina Vieira.

AMIZADES – Outro ponto interessante do bairro é que todos se conhecem, são amigos, desejam bom dia, são unidos para manter as ruas limpas e bem cuidadas. Até encontramos algumas árvores “enfeitadas” com pneus coloridos na raiz.

Pneus localizados em árvores que enfeitam a natureza e o bairro.

Venda de alimentos caseiros, por exemplo, também é muito comum. Em uma das casas são vendidos picolés produzidos pelos próprios donos.

INSETOS E ANIMAIS – Alguns moradores disseram que atualmente seria necessário que a prefeitura aplicasse veneno no bairro, justamente pela infestação de pernilongos e muita aparição de ratos por todo o Pacheco. “Por estes dias tem muito pernilongo, nem tem como ficar fora de casa, sem contar que andou aparecendo um rato atrás do outro em nossas casas. Gostaria que o prefeito não abandonasse nosso bairro, olhasse mais para nós nesta questão, arrumasse os buracos do asfalto e fizesse uma ciclovia como em outros locais da cidade”, exclama Carmelina Vieira.

Osvaldo Pereira.

Opinião semelhante de Osvaldo Pereira, outro morador que conta que o maior desejo é de que passem veneno no bairro para acabar com os insetos e pernilongos. “Também precisamos que as pessoas que têm terreno baldio limpem e cuidem do que é seu, porque assim ajuda a manter a limpeza do bairro e contribui com a diminuição de bichos”, finaliza.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.