MAX. º MIM. º
TEMPO:

Entidades assistenciais participam do 4º Evento do Esporte Inclusivo

Evento foi realizado em comemoração à Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltiplas

Juliana Neves

Na quarta-feira (21), a partir das 13h00, foi realizado no Ginásio Monstrinho, o 4º Dia do Esporte Inclusivo. Os participantes disputaram amistosos em diversas modalidades, como Handbol, Judô, Xadrez, Dama, Tênis de Mesa, Atletismo, prova dos 100 metros, lançamento de peso e dardo, entre tantas outras.

O projeto de esporte inclusivo existe desde 2016. Participam da ação alunos da APAE Ourinhos, Salto Grande, Santa Cruz do Rio Pardo, Palmital, da ADF. A atividade ocorre em comemoração à Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltiplas, de 21 a 28 de agosto.

A intenção, segundo o Secretário Municipal de Esportes Danilo Ferreira Lima é integrar as pessoas, sem distinção, por meio do esporte, de forma a incentivar também as famílias das pessoas deficientes, para que eles percam o medo de deixar os filhos vivenciar a atividade esportiva, buscando aumentar a confiança dos familiares.

“Este já é o quarto evento e através dele a gente já conseguiu montar uma equipe de atletismo e natação. O evento serve para ver quem que tem rendimento e também para reunir as pessoas com deficiência que só ficam em casa, estão desmotivadas, e aqui todos estão felizes por estar fazendo alguma coisa”, conta Danilo Ferreira, secretário de esportes.

Patrícia Miranda, diretora da APAE Ourinhos, explica que este momento esportivo é muito significativo para os alunos, porque eles se sentem incluídos na sociedade e compartilham conquistas e expectativas com outras APAE’s e a ADF.

“Os pais têm um retorno muito legal nas reuniões, eles elogiam essa iniciativa. Muitos deles até estão participando do evento e nós só temos que agradecer a eles, estão vendo os filhos sendo incluídos na sociedade”, afirma Patrícia.

A diretora também pontua que a prática esportiva ajuda no desenvolvimento destes alunos deficientes na questão de limites e obediência às regras impostas pela escola, na família e em outras situações.

“É um momento de colocar todos alunos em uma nova vivência, experimentar novas atividades, novos esportes, coisas que não fazem parte do cotidiano. Como lançamento de dardo, disco, peso que são coisas não normais em uma aula de educação física dentro de uma APAE. Descobrimos gostos e despertamos interesses”, finaliza Rodrigo Marques, professor de educação física da APAE Ourinhos.

É um evento muito importante para a população da cidade, mostrar que Ourinhos é preocupada com a inclusão social e que realmente está tendo atitudes para que isso aconteça. Além de ser a oportunidade para as pessoas com deficiência de uma experiência de vida. Uma participação da sociedade como um todo.

No evento há possibilidade de se encontrar futuros atletas que queiram incluir em sua rotina os treinamentos oferecidos pela Secretaria de Esportes no ginásio Monstrinho. “O atletismo já é bem forte. Hoje, aproximadamente, nós temos de 50 a 60 pessoas com deficiência praticando este esporte”, diz Danilo.

Em uma avaliação rápida da primeira edição até a mais recente, Danilo afirma que melhorou muito e que as famílias já estão acostumadas com o evento esportivo. Elas não possuem mais medo de incentivar os filhos para o caminho do esporte, não se preocupam mais se vão se machucar ou não.

O secretário conta que tem cadeirante que vai até os treinos sozinho, pais que deixam os filhos no ginásio para o treino e depois voltam para buscar, então, o número de alunos está aumentando cada vez mais. Sempre após a realização do evento cresce a procura por matrículas no Monstrinho.

As modalidades que se destacam mais até o momento são atletismo, handbol, tênis de mesa e a natação, mais com o tempo novos alunos aparecem. “Pelo que o professor conversou comigo, descobrimos um pessoal para o Judô”, animado fala o secretário.

O objetivo é aumentar a quantidade de alunos com deficiência na prática de esportes e nas competições. Hoje já existe o time de amputados. Possivelmente, em outubro, equipes ourinhenses vão para São Paulo participar de uma competição no centro Paraolímpico. “No mês de maio as equipes marcaram presença e conquistaram medalhas, além de participarem dos jogos regionais, onde conquistaram segundo lugar no feminino e o masculino em terceiro. Resultado gratificante para o primeiro ano de trabalho com esporte inclusivo” – finaliza Danilo.

Para o futuro, a secretaria já planeja novidades para as próximas edições do evento, como trazer uma competição regional das APAE’s para Ourinhos, além de tentar montar um time de futebol com jogadores com Síndrome de Down.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.