sexta, 03 de julho de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Na volta às aulas, a expectativa é de maior movimentação nas papelarias

Certamente, é a época de maior lucro das papelarias e isto mobiliza escolas, professores, pais e alunos

 

Juliana Neves

 

Janeiro é um mês da volta às aulas, isto movimenta o comércio no ramo de papelarias, que trabalham para atender pais e filhos na compra dos materiais escolares.

PAPELARIAS – Nste ramo do comércio, as vendas deste mês são comparadas as da época de Natal para os lojistas de confecções e presentes. É um período em que os estabelecimentos abrem em horários estendidos para atender a demanda e muitos necessitam até de funcionários temporários.

O objetivo é fazer com que o cliente saia da loja com a lista de materiais completa. Segundo Cristiane Nunes, vendedora em uma papelaria de Ourinhos, os pais são guiados pelas listas estabelecidas pelas escolas. E os produtos relacionados a alguns personagens específicos do momento, séries, sempre chamam a atenção por apresentarem novidades. “Além de levar o material, os pais, as crianças e os adolescentes são cativados por alguns produtos diferentes e acabam comprando por impulso, por exemplo, em relação a canetas e lápis personalizados”.

Os alunos gostam de escolher cadernos e outros materiais de acordo com a sua preferência de personagens de desenho, filmes e séries.

A profissional afirma ainda que o estabelecimento comercial oferece mais de 30 mil itens e de modo diário durante o ano inteiro são vendidos cerca de dois mil itens. Já em janeiro este número chega a ser triplicado e passam pela loja mais de 400 pessoas por hora diariamente.

“Uma papelaria trabalha o ano inteiro para atender a maioria da população em janeiro, fevereiro e março. No meio do ano anterior, já estávamos nos preparando com compra de materiais e treinamento de vendas”, conta a vendedora.

CONCORRÊNCIA – Em Ourinhos, além das papelarias especializadas em material escolar, existem também outas lojas que vendem de tudo no comércio, desde algo simples para uma casa até o material escolar.

Estas lojas acabam “brigando” por atenção ao público em relação às papelarias tradicionais do município. “Estas lojas sempre tentam competir com a gente, porém nossos valores estão bem melhores e temos o diferencial na mercadoria que possui qualidade e no nosso atendimento”, sintetiza Cristiane.

Já Ronivaldo Costa, vendedor de uma destas lojas nem pensa em concorrência e diz com muita felicidade que “os clientes estão vindo sim, compram tudo que estão na lista escolar e vendemos mais cadernos. A maioria dos clientes são de pais de filhos pequenos e isso está dando um retorno muito bom para a empresa”.

ESCOLA – Já para as escolas a volta às aulas significa vida para o local e expectativa para que o novo ano seja melhor que o anterior. Neste ano, alguns colégios particulares iniciam o período letivo a partir do dia 27 de janeiro. A rede pública já divulgou a volta às aulas para 3 de fevereiro.

“Para a escola é um recomeço, um novo ano com muita alegria e vontade de iniciar um novo ciclo de estudos e para os alunos também, porque eles desejam fazer a diferença no início do ano. Além de reencontrar os amigos, ter a curiosidade de saber quem serão os professores do ano e se terão novos educadores, é um misto de sentimentos. E a escola sem os alunos não tem vida”, explica Rebecca Alves, coordenadora de escola em Ourinhos.

Rebecca Alves, coordenadora de escola em Ourinhos.

Outro ponto interessante da volta às aulas, diz respeito aos alunos que no ano anterior prestaram o vestibular e não conseguiram entrar nas faculdades e universidades. “Eles voltam mais fortalecidos, com uma sede, de fato, em passar mesmo, ou seja, estão mais maduros e comprometidos”, complementa Rebecca.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.