quinta, 13 de junho de 2024

Alterações na gestão da Escola Municipal de Bailado provoca polêmica na imprensa e produz muitas críticas nas redes sociais

Alexandre Mansinho

 

Poucas instituições da cidade de Ourinhos dão tanto orgulho à população quanto a Escola Municipal de Bailado: detentora de inúmeros prêmios nacionais e internacionais, o corpo de baile vem há décadas fazendo parte do cenário cultural da cidade. No último dia 5, no entanto, a prefeitura anunciou uma reestruturação nos quadros de pessoal e nas instalações da escola: Terezinha de Paula, a Tiririca, não seria mais a diretora e as instalações, que ficam atualmente no Centro Cultural, seriam transferidas para o antigo prédio do SESI, na Rua Maranhão, que abriga atualmente cursos de qualificação profissional.

Essas decisões, tomadas por Paulo Flores, Secretário de Cultura, foram muito mal recebidas pela APAB (Associação de Pais e Amigos da Escola Municipal de Bailado) e por todos os que, de uma forma ou de outra, conhecem e apoiam o trabalho da escola. Tal descontentamento provocou manifestações bem críticas quanto as decisões da pasta da Cultura por meio das redes sociais.

CRÍTICAS – Para a APAB a escola perde muito com o afastamento da diretora Tiririca, o trabalho realizado por ela há mais de 10 anos à frente da instituição é um dos motivos do imenso sucesso das incontáveis premiações recebidas pelos bailarinos em todo esse tempo. A APAB ainda critica a escolha do novo prédio para as instalações, por meio de nota divulgada pelas redes sociais “o prédio é bastante limitado, e não atende nossas necessidades básicas de acessibilidade e salubridade (salas pequenas, pé direito baixo, com forração de madeira, degraus, pouca luz natural, pouca ventilação, matagal, etc). O mesmo conta com uma sala grande, apenas uma, mas que também precisa de reforma geral”.

Por meio da mesma nota a APAB reitera, referindo-se as reformas que seriam necessárias no prédio do antigo SESI: “Sabemos que não há verbas disponíveis para um projeto tão grandioso, que custaria muito caro para ficar aceitável. Lembramos que a dança, além de uma arte, é também uma atividade física, que provoca suor, necessita de tablado e linóleo, sendo insalubre para nossas crianças espaços com pouca luz natural e ventilação”.

OUTRO LADO – Em um primeiro momento, Lucas Pocay divulgou pelas redes sociais um esclarecimento, considerado por muitos uma “lenha na fogueira: Lucas inicia a nota com a frase “muitos estão escrevendo muita besteira antes de saber a realidade dos fatos”, tal frase soou desrespeitosa pois alguns membros da APAB se consideraram incluídos no meio desses “muitos”. A justificativa continua com Lucas citando que é “apaixonado pela cultura, por artes, dança e música”.

Após uma outra dose de polêmicas, a Prefeitura de Ourinhos convocou a APAB e, após reunião realizada na segunda-feira, 9, lançou uma nota oficial na qual esclarece as divergências: “o local onde se pretende instalar a Escola de Bailado será amplamente reformado, com o atendimento de todas as necessidades para a prática da dança, incluindo até mesmo uma ampla e bem equipada sala de ensaios (…) o Bailado ocupa apenas três salas no Centro Cultural e o restante da estrutura funciona em um prédio alugado. O novo projeto prevê uma sede própria para o Bailado para que as atividades e o número de crianças atendidas sejam ampliados (…) existem muitas crianças em vários bairros que estão perdidas nas ruas e nós precisamos acolhê-las, e a cultura em parceria com as escolas é uma ferramenta importante para isso. Temos um projeto muito maior para a ‘Tiririca’, que é comandar esse trabalho de integração do bailado com a educação, essa foi a proposta que fizemos para ela.”

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.