quarta, 22 de maio de 2024

Artigo: UTI Infantil da Santa Casa completa 25 anos

No dia 13 de Janeiro de 1990 iniciou suas atividades a UTI Infantil da Santa Casa de Ourinhos, mesmo sem uma inauguração formal, por absoluta necessidade, já que havia uma criança gravemente enferma que necessitava tratamento intensivo. Até então, as crianças em estado grave de Ourinhos e região ou morriam ou eram encaminhadas a outros centros médicos. Na verdade, essa história começa um ano antes, quando fui convidado por um amigo, Dr. José Luiz de Lima, a vir para Ourinhos e organizar o Serviço especializado em cuidados de tratamento intensivo a crianças. Nesse ano eu tinha concluído minha Residência Médica em Pediatria e UTI Infantil e aceitei o desafio de vir para o interior, em um hospital filantrópico de médio porte, para desenvolver um trabalho sem saber se seria possível, mas movido por uma intuição (que atribuo à Providência Divina).

Começamos em um quarto improvisado e sob condições técnicas muito precárias, mas motivados pelo desejo de cumprir uma missão que nós mesmos nos impusemos: construir uma Unidade Médico-Hospitalar que prestasse um serviço de qualidade aos pequenos pacientes gravemente doentes que necessitassem. Foi uma utopia que se tornou realidade!

Muitas foram, e continuam sendo, as dificuldades encontradas. A Medicina é uma ciência, arte e técnica, em constante evolução e que necessita altíssimos investimentos para ser bem sucedida, sobretudo em especialidades terciárias que requerem equipamentos com tecnologia de ponta, diversos serviços de apoio e pessoal especializado. Conseguir isso numa Santa Casa que tem mais de 90% do seu movimento de pacientes do SUS, cuja tabela de remuneração é extremamente defasada, é tarefa árdua. Sabidamente mais difícil que montar uma UTI (que requer área física específica e equipamentos de monitorização e suporte vital caríssimos, mas é um investimento possível de mobilizar recursos com maior facilidade) é mantê-la, pois suas necessidades em recursos de diagnóstico (aparelhos que necessitam manutenção permanente) e tratamento (medicamentos) são de alto custo e constantes. Além disso, e o mais importante e difícil, é necessário montar e manter uma equipe de profissionais bem treinados, competentes e dedicados a um trabalho que é vital, delicado, desgastante e ininterrupto. É fundamental lembrar que a qualidade de uma organização se deve à qualidade das pessoas que compõem tal organização. De nada adianta ter uma boa infraestrutura se os cérebros e os braços que farão essa estrutura funcionar não forem bons, portanto há que se valorizar o recurso humano.

Os obstáculos foram e continuam sendo grandes no caminho, mas hoje não é o momento de destacá-los e sim de celebrarmos o quarto século de nossa UTI Infantil. Temos muito a comemorar! Nesse período recebemos pacientes provenientes de 69 cidades de São Paulo e outros estados, ajudando a consolidar Ourinhos como referência em assistência médica. Internamos na UTI Infantil, em média, 216 pacientes por ano, o que totaliza no período, 5.400 crianças, sendo 75% recém nascidos e 25% crianças maiores e adolescentes. Nossa taxa de mortalidade está em 8,2%, o que significa que conseguimos sucesso terapêutico com sobrevivência de mais de 4950 crianças. Isso é extraordinário considerando tratar-se de pacientes em estado grave, muitas vezes com patologias incuráveis. Ourinhos tem se mantido com os menores Índices de Mortalidade Infantil do Estado de São Paulo (e também do Brasil) por várias ações, mas sem dúvida muito se deve à UTI Infantil, o que é motivo de orgulho a toda população Ourinhense.

Como fundador e coordenador médico da UTI Infantil, quero nesta data manifestar efusivos agradecimentos. Primeiramente a Deus, fonte e destino de todas as vidas; sem Ele nada seria possível. Sempre nos inspirou a passagem de Eclesiástico: “trabalhai como para o Senhor, não para os homens”. Devo gratidão à Santa Casa, entidade que nos acolheu e mantém essa Unidade funcionando, apesar das enormes dificuldades que isso representa. Um obrigado a todos os profissionais que lá atuam, cada um dando sua fundamental contribuição para esse belo trabalho. Um abraço especial à equipe de Enfermagem, pessoas de um incrível desprendimento, grandes cuidadoras, não só do corpo, mas também da alma de nossas crianças, amando-as intensamente e esse é sempre o melhor remédio!

De maneira muito verdadeira quero dirigir minha gratidão imensurável à equipe médica, amigos e amigas que me acompanham nessa utopia e, muitas vezes heroicamente, dedicam todo seu conhecimento, tempo e saúde à UTI Infantil. Não é fácil abrir mão do convívio da família, de momentos de lazer, de noites de sono, de outras propostas mais sedutoras de trabalho, para se dedicar à batalha cotidiana pela vida de pequenos pacientes que estão gravemente doentes. Só com muito amor e idealismo pode-se explicar essa atitude. Atualmente estamos com um grupo médico bastante reduzido para cumprir a tarefa (somos em 8: Simone, Ana, Fernanda, Edna, Amarildo, Ronaldo, Zé Luiz e eu), que só é possível porque há profissionais que têm dedicação exclusiva à UTI Infantil, abrindo mão inclusive de ter seu próprio consultório, o que seria muito mais compensador financeiramente. Lembro ainda de bons colegas que por aqui passaram e deram sua contribuição (Roberto, Zé Ernesto, Silvana, Marcelo, Eliana, Fausto), mas foram embora em busca de melhores condições de vida e, principalmente, remuneração. Me preocupa a falta de renovação de médicos já que a equipe atual, além de pequena, está desgastada pelos anos de atuação. Faz-se necessária uma maior valorização do trabalho médico para atrair novos profissionais, pois há décadas nosso plantão é o pior remunerado de toda região.  Ainda assim, tenho muito orgulho em liderar uma equipe qualificada, que não se acomoda e que mantém uma atitude de busca permanente pela excelência, olhando criticamente o que faz e se empenhando sempre em fazer o melhor possível.

Quero também agradecer à população Ourinhense que sempre confiou em nosso trabalho, ciente de que, se precisar de assistência para algum de seus filhos em estado grave, poderá contar conosco. Agradeço também aos amigos que nos incentivam a seguir adiante. Contamos com suas orações e ações de apoio para que essa UTI cumpra seu destino. Vamos dar à UTI Infantil seu devido valor, pois, se salvar vida de crianças não for importante, o que será? Vamos em frente e que Deus abençoe a todos!

Dr. Éder Carvalho Sousa – Diretor Médico da UTI Infantil da Santa Casa de Ourinhos

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.