sábado, 13 de abril de 2024

Campinas confirma morte de adolescente por febre maculosa

Até o momento, quatro óbitos foram confirmados pela doença, outros dois casos suspeitos de pacientes internadas estão em investigação

 

Da redação

 

A Secretaria de Saúde de Campinas confirmou, nesta quinta-feira, 15/6, a morte por febre maculosa da adolescente de 16 anos que estava internada na cidade do interior de São Paulo. A jovem morreu na terça-feira, 13.

Os outros três óbitos confirmados pelo Instituto Adolfo Lutz para febre maculosa são da dentista Mariana Giordano, de 36 anos, do piloto de automobilismo Douglas Costa, de 42 anos, namorado de Mariana, e de Evelyn Santos, de 28 anos, de Hortolândia. Os três morreram no dia 8 de junho. De acordo com a prefeitura, as quatro pessoas estiveram na Fazenda Santa Margarida no dia 27 de maio.

Outros dois casos suspeitos, de pacientes internadas, são investigados. Uma das pacientes com suspeita da doença é uma mulher de 38 anos, de Campinas, que esteve em evento no local no dia 3 de junho e apresentou início de sintomas no dia 10. A outra paciente é uma mulher, de 40 anos, moradora de Hortolândia, que apresentou sintomas no dia 10 e segue internada em um hospital privado de Campinas, aguardando resultado do exame laboratorial.

Segundo a prefeitura, além destas ocorrências, há outros dois casos confirmados em Campinas este ano. As duas pessoas morreram e os casos não estão relacionados ao surto da Fazenda Santa Margarida.

 

ENFRENTAMENTO DA DOENÇA – A prefeitura de Campinas anunciou um conjunto de medidas de enfrentamento à febre maculosa. A região de Campinas é endêmica para a febre maculosa, com o maior registro de casos no Brasil.

“Estamos fazendo um grande esforço, reunindo diversas áreas da prefeitura e representantes da Saúde pública e privada, para minimizar cada vez mais o risco da febre maculosa. A doença tem sintomas muito parecidos com outras enfermidades, como dengue, por exemplo. Por isso a importância de comunicarmos os riscos, os sintomas e orientar as pessoas a informarem os médicos de que estiveram em áreas verdes”, afirmou o prefeito Dário Saadi.

No final da manhã de quarta, 14, houve uma reunião entre Prefeitura e serviços de saúde públicos e privados do município. De acordo com a prefeitura, será publicado um decreto nos próximos dias com regras para estabelecimentos que realizam eventos para grandes públicos e que ficam em áreas de risco ou com presença do carrapato-estrela.

A partir de quarta-feira, 14, passou a valer uma determinação do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) para que toda área de risco para a febre maculosa tenha informações sobre a doença, com cartazes, faixas, placas e outros dispositivos de comunicação do risco.

Segundo a prefeitura, a Fazenda Santa Margarida só poderá fazer novos eventos quando apresentar um plano de contingência ambiental e de comunicação. Além disso, os responsáveis pelo local foram notificados sobre a importância da sinalização quanto ao risco da febre maculosa.
Fonte CNN

 

SOBRE A VÍTIMA DE HORTOLÂNDIA – Evelyn Santos, de 28 anos, morreu em 8 de junho após buscar por atendimento inicialmente em Hortolândia. Óbito foi dias depois dela ir ao evento ‘Feijoada do Rosa’ na Fazenda Santa Margarida, em 27 de maio.

O noivo da jovem relatou que a suspeita inicial dos médicos foi de que Evelyn Santos estava com dengue. Além disso, o empresário Marcelo Borges contou que também teve febre e dores no corpo, antes da companheira, e avaliou que ocorreram falhas na assistência recebida pela vítima.

 


O casal é de Hortolândia (SP) e o noivado começou há oito meses. Evelyn trabalhava como dentista no próprio consultório e era ex-professora assistente de uma faculdade de odontologia em Campinas. O evento ocorreu em 27 de maio, a morte dela foi em 8 de junho, e a confirmação da febre maculosa como causa foi divulgada pelo Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, na tarde de terça.

À EPTV, afiliada da TV Globo, o empresário explicou nesta quarta-feira que sentiu sintomas parecidos com o da gripe a partir de 30 de maio, mas ele ainda fará testes para saber se efetivamente chegou a ser picado pelo carrapato que é vetor da doença causada pela bactéria do gênero Rickettsia.

“O corpo começou a ficar mole, começou uma dor de cabeça. Eu falei: ‘Acho que vou gripar’. Quando foi quarta-feira [31] eu já percebi que poderia, fechava com quadro de dengue, porque eu já estava com dor no corpo, uma febre alta, dor no corpo ao ponto de não conseguir sair do sofá”, relatou ao mencionar que não reparou se tinha marca de picada ou manchas vermelhas pelo corpo.

Depois disso, ele explicou que teve uma melhora a partir de sexta-feira, após tomar somente analgésicos por conta, retornou ao trabalho, mas a noiva começou a sentir sintomas parecidos.
“No sábado [3] ela começou da mesma forma, já caiu de cama, não conseguia levantar […] para andar é ruim, é muito forte a dor que dá”, explicou ao lembrar que no domingo a jovem pediu para ir ao médico, fez exames e começou a tratar a questão como dengue.

Em seguida, no dia 5 de junho, o casal voltou ao hospital, o empresário disse que o exame descartou a possibilidade de dengue e o médico teria alegado que poderiam “ser muitas coisas” e orientou a jovem a retornar para casa e descansar. No dia posterior, disse Borges, a noiva teve uma convulsão no carro enquanto ele a levava ao Hospital de Clínicas da Unicamp, em Campinas. A jovem chegou em estado de choque, e segundo ele, precisou ser intubada e permaneceu em tratamento até que houve a morte.

A DOENÇA – O que é a febre maculosa? Segundo o Ministério da Saúde, “a febre maculosa é uma doença infecciosa, febril aguda e de gravidade variável”, ou seja: há formas leves e formas graves (“com elevada taxa de letalidade”). Os sintomas podem ser facilmente confundidos com os de outras doenças que causam febre alta.

O QUE CAUSA A DOENÇA – A doença é causada, no Brasil, por duas bactérias do gênero Rickettsia, e a transmissão ocorre por picada de carrapato. A Rickettsia rickettsii causa a versão grave e é encontrada no norte do Paraná e no Sudeste. A Rickettsia parkeri leva a quadros menos severos e é encontrada em áreas da Mata Atlântica no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, na Bahia e no Ceará.

QUAIS CARRAPATOS TRANSMITEM – No país, são os carrapatos do gênero Amblyomma, principalmente aquele conhecido como carrapato estrela. Mas o ministério alerta que qualquer espécie pode transmitir a febre maculosa, inclusive o carrapato do cachorro.Dá para transmitir de pessoa para pessoa? Não. A transmissão por contato humano é impossível.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS SINTOMAS – Febre; dor de cabeça intensa; náuseas e vômitos; diarreia e dor abdominal; dor muscular frequente; inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés; gangrena nos dedos e orelhas; e paralisia dos membros que começa nas pernas e vai subindo até os pulmões, causando problemas respiratórios.k

MAS E AS MANCHAS – O Ministério da Saúde alerta que, com a evolução do quadro, “é comum o aparecimento de manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que não coçam, mas que podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou solas dos pés’.

TEM TRATAMENTO – Sim, com um antibiótico específico. Ele deve começar imediatamente assim que o médico suspeitar que o paciente está contaminado, antes mesmo da confirmação do resultado do exame.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.