sábado, 15 de junho de 2024

Chuva forte faz mais uma vítima em Ourinhos

Renata Tiburcio

Por volta das 00 horas de quinta-feira, 5/3, um grupo de moradores de Salto Grande, conhecedores da fatalidade ocorrida em Ourinhos no final da tarde de quarta-feira, 4/3, ocasião em que nossa cidade foi novamente castigada por uma forte chuva, acionaram o Corpo de Bombeiros, pois avistaram um corpo boiando às margens da prainha.

A equipe do Corpo de Bombeiros de Ourinhos compareceu rapidamente ao local para resgatar a vítima, que se tratava de Maria Aparecida da Cruz, 42 anos, dona de casa, que foi surpreendida pela chuva e levada pela correnteza enquanto lavava louças no Córrego da Vila Christoni.

Após a liberação do corpo por parte da polícia civil e da perícia o corpo de Maria Aparecida foi encaminhado ao Serviço de Verificação de Óbito e logo depois liberado aos familiares para o sepultamento.

 

Entenda como tudo aconteceu: A dona de casa Maria Aparecida da Cruz, 42 anos, moradora da Rua Narciso Migliari, 623 – Vila Nova Sá em Ourinhos, foi levada pela correnteza no final da tarde de quarta-feira, 4/3, enquanto lavava louça no Córrego da Vila Christoni, nas proximidades da UBS do Bairro. Ela estava acompanhada de uma criança de três anos a qual foi salva por seu marido, Aguinaldo Muniz Caetano, 47 anos.

A equipe de reportagem do Jornal NovoNegociao esteve no local e entrevistou Micaeli Taino Silva Norato, 15 anos, que tentou salvar sua ex sogra.

“Eu estava em casa quando começou a chover, neste momento uma vizinha disse ‘olha a nenê’ (que é minha irmã), está lá no córrego com a Maria, corre lá pra ver. Neste momento eu saí correndo e quando cheguei a água do córrego já estava muito alta, acima da parede de concreto, mesmo assim eu entrei na água para tentar salvá-la, mas a correnteza estava muito forte, neste meio tempo o Aguinaldo também veio correndo para tentar resgatar sua esposa, mas não conseguiu, salvando apenas minha irmã que estava sentada na escada. Assim que notamos que ela havia sido levada pelas águas subimos e ligamos para a Polícia Militar e para os Bombeiros” detalhou Micaeli.

De acordo com os moradores do mesmo endereço, onde existem várias casas no mesmo terreno e apenas um registro de água, há aproximadamente três meses a família de Maria Aparecida, assim como todas as outras famílias que moram no local estão sem água, devido à falta de pagamento, por isso usam as águas do córrego para necessidades básicas.

 

Os Bombeiros realizaram buscas até o escurecer, mas Dona Maria não foi localizada, e a Policia Militar ficou responsável pelo registro do desaparecimento de pessoa. Quanto a Aguinaldo Muniz Caetano, marido da vítima, ele foi socorrido até a UPA onde passou por atendimento médico, pois estava em estado de choque e com alguns ferimentos generalizados pelo corpo ocasionados durante a tentativa de salvamento da esposa e da criança de três anos.

 

ASSISTA O VIDEO COM ENTREVISTA DE TESTEMUNHA QUE ACOMPANHOU A TRAGÉDIA DE PERTO

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.