quarta, 12 de junho de 2024

Coluna Poucas & Boas 26/02 a 03/03

SELO SUJO – Parece piada, mas a prefeitura divulgou nota vangloriando-se do município ter recebido novamente o Selo Verde, certificação oferecida pelo governo do Estado para as cidades que cuidam do meio ambiente. Para conseguir o selo só é necessário preencher relatórios e responder questionários. Com problemas de falta de árvores na região urbana, lagos assoreados, aterro sanitário esgotado, áreas verdes abandonadas e falta de projetos de educação ambiental, não temos nenhum motivo para nos orgulhar de cuidados com o meio ambiente. 

MAMATA CHEGANDO AO FIM – Os donos de sites e jornais financiados pela Prefeitura estão perdendo o sono. Com a redução da verba prevista para publicidade este ano, o pagamento do mensalinho (dinheiro público que recebiam todo mês) foi reduzido. Como o corte não foi o mesmo para todos, eles ameaçam fazendo o que mais sabem: chantagear. Quem criou cobras que cuide delas. 

NOVOS TEMPOS – A Câmara Municipal, através de emenda ao projeto de orçamento, foi a responsável pela diminuição dos recursos que a Prefeitura pode gastar com publicidade. O gasto ainda é muito grande, precisa diminuir mais, mas a medida pode ser o anúncio de novos tempos, sem chantagens feitas por donos de sites, rádios e jornais nem mentiras estampadas nas capas dos jornais distribuídos de graça, mas pagos com dinheiro público.

FALTA VERGONHA – Se a Prefeita Belkis tivesse a preocupação de passar uma imagem de seriedade e responsabilidade, não daria tantos motivos para ouvir críticas. O vereador Inácio J. B. Filho, na última sessão da Câmara, mostrou uma edição de um desses jornais financiados pela Prefeitura, de mais de um ano atrás, cuja manchete dizia que a prefeita Belkis iria reduzir em 20% os cargos em comissão. A prefeita não cortou cargo algum nem desmentiu o que havia dito. Difícil vai ser pedir voto para o candidato do seu grupo político nas próximas eleições. 

ABUSO DE PODER ECONÔMICO – A prefeita não cortou cargos de confiança para economizar dinheiro como o povo pediu, e deverá convocar esses funcionários (cerca de 350) como cabos eleitorais na próxima eleição municipal. A participação desses cargos de confiança pedindo votos, adesivando carros e organizando reuniões é um claro indício de abuso de poder econômico. 

PERIGO – O mato crescido ao longo do perímetro urbano na rodovia Raposo Tavares dificulta a visibilidade dos motoristas, o que pode causar acidentes. Não bastasse a duplicação marreta que foi feita, com trevos perigosos que dão acesso a bairros populosos, o mato alto é mais um risco para quem passa por ali. 

ENCRENCA – O vereador Alexandre Enfermeiro denunciou o que os ourinhenses já sabiam: As equipes que compõem a UPA e Santa Casa não se entendem, e quem sofre é o paciente. Se o caso é de encaminhamento para a Santa Casa, tem acontecido que os médicos não aceitam e mandam o paciente para casa, colocando vidas em risco. É muito comum o paciente só conseguir vaga na Santa Casa apelando para vereadores ou outros políticos. É um desrespeito e ato de desumanidade. 

TÔ FORA – O último que sair apague a luz. Parece que é isso que vai acontecer com o Partido dos Trabalhadores em Ourinhos, e não é diferente por todo o país. Com dois vereadores eleitos em Ourinhos, o partido corre o risco de perder representatividade, já que se comenta que eles deverão mudar de legenda, com medo da rejeição popular.

SINUCA DE BICO – Seja quem for o(a) eleito(a) na próxima eleição para prefeito, vai precisar de muita coragem. Se a principal queixa dos ourinhenses é o péssimo estado do asfalto por toda a cidade, a tarefa não vai ser fácil. A crise econômica não vai passar tão rápido, asfalto custa muito caro e a população anda perdendo a paciência. 

DIREITO À VERDADE – Os ourinhenses têm o direito de saber quais os motivos que levaram a cidade toda a ter que conviver com o péssimo estado do asfalto. A Câmara investiga o assunto através de uma Comissão de Assuntos Relevantes (CAR), já que existem bairros novos onde os moradores ainda estão pagando pelo asfalto que já não existe mais. Precisamos saber se foi pago um asfalto de primeira qualidade e o serviço prestado não obedeceu a esse critério. Precisamos saber quais as empresas que realizaram o serviço e qual o valor pago. Enfim, por que motivos chegamos a este estado de coisas?

ESPERTEZA – Não andam boas as relações entre a secretária de Educação Maria Tereza Moraes, e vereadores que compõem a base aliada à prefeita Belkis. É que esses vereadores, principalmente Flavinho do Açougue e Vadinho, indicaram cargos de confiança para trabalhar na Secretaria de Educação, e como troca querem o trabalho eleitoral e fidelidade. Não é o que pensa a secretária Maria Tereza, que tenta cooptar esses cargos de confiança para si própria. 

NÃO TENHO NADA COM ISSO – Discurso contundente do vereador Inácio J. B. Filho na última sessão da Câmara sobre a farra dos cargos de confiança e a fortuna gasta pela prefeitura com a imprensa “chapa branca” parece ter irritado profundamente o vereador Edvaldo Lúcio Abel. Quando se esperava que ele iria repercutir os assuntos locais tratados por Inácio, Vadinho, que foi um dos 3 votos contrários a emenda que reduziu pela metade os gastos com propaganda na prefeitura, tentou atingir Inácio atacando o governo federal e o PT. 

O DONO DO CABIDEIRO – Os assuntos, imprensa amiga e cargos de confiança são incômodos para o edil e alguns de seus pares. Vadinho é apontado como o vereador que mais tem apaniguados ocupando cargos de confiança espalhados pelas secretarias da prefeitura e SAE. Comenta-se a boca grande que uma das dificuldades da prefeita Belkis em diminuir os cargos como havia prometido, é a oposição ferrenha desses vereadores em demitir os seus indicados.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.