quinta, 18 de julho de 2024

Com 71% de crescimento CPFL Santa Cruz não paga PLR aos trabalhadores

Publicado em 25 jun 2015 - 12:08:43

           

Da redação

Seguindo o exemplo de Piraju (22/06) e Avaré (23/06), Eletricitários da CPFL Santa Cruz protestaram na manhã de quarta-feira (24/06) em frente à sede da companhia em Ourinhos-SP, pela falta de acordo em acertar os valores das metas da PLR – Participação nos Lucros e Resultados 2015, que devem serem cumpridas pelos trabalhadores.  

Segundo André Paladino, presidente do sindicato dos eletricitários de Ipaussu, Ourinhos e Região, já foram duas rodadas de negociação, e a CPFL Santa Cruz quer impor indicadores inatingíveis em 2015. 

Os trabalhadores da CPFL Santa Cruz se empenharam, aumentaram a produtividade e levaram a empresa a se tornar a melhor distribuidora de grande porte do Brasil no ano de 2014.

Paladino ressalta que os trabalhadores não podem ser prejudicados por causa da política das metas inatingíveis criadas por um grupo de pessoas. Ainda assim, de forma democrática foi colocada em votação a proposta da CPFL Santa Cruz, que foi recusada por todos os trabalhadores, que ainda sugeriram: ou recebemos a PLR com indicadores que possam ser atingidos ou entramos em greve juntamente com o sindicato.

Os eletricitários aguardam agora que a CPFL Santa Cruz volte a negociar com o Sindicato metas que possam ser atingidas pelos trabalhadores, que fizeram de tudo para que empresa obtivesse um lucro líquido de R$ 10,35 milhões no primeiro trimestre de 2015 com crescimento de 71% em relação ao mesmo período de 2014.

Os trabalhadores acreditam que a empresa não quer pagar a PLR, e alguns diretores vinculados a nova presidência insinuaram demissões, já que em apresentação aos trabalhadores disseram que “quem não estaria contente com a empresa poderia sair, ou ser demitido”.

É este o reconhecimento e a valorização que os trabalhadores merecem por fazerem a empresa ser a melhor do país? É desta forma que a CPFL Santa Cruz quer tratar seus trabalhadores? São perguntas que os eletricitários não obtiveram respostas.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.