sábado, 15 de junho de 2024

Comerciantes criticam polícia pela falta de medidas efetivas

Dados da Secretaria de Segurança Pública confirmam algo que já é sentido pela população há tempos: a quantidade de furtos tem crescido e a sensação de medo e insegurança passou a fazer parte do cotidiano das pessoas. De acordo com o próprio Governo do Estado de São Paulo, no primeiro semestre de 2015 foram registradas 563 ocorrências de furto, no mesmo período do ano de 2016 esse registro conta 692 casos – 129 casos a mais no comparativo.

Atualmente, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) Ourinhos já ultrapassa o número de 110 mil habitantes. A praça comercial ourinhense recebe pessoas de várias cidades da região, tornando o município uma referência regional para produtos e serviços. Com essa movimentação de pessoas e valores, é urgente que o trabalho policial seja feito com um diferencial para que tanto a população quanto os trabalhadores das lojas possam se sentir seguros, mas não é o que acontece.

“Uma vez a loja aqui foi furtada, as câmeras flagraram o bandido – levamos o caso para os policiais que ficam na Praça Melo Peixoto e eles disseram que seria mais efetivo se colocássemos as imagens na internet”, diz Taís Melo Ferreira de Lima, gerente da loja Quebec Modas, situada no calçadão da Rua Paraná. “Nós precisávamos de uma ronda policial aqui, quando os bandidos percebem que a polícia está presente o nosso trabalho fica muito mais tranquilo”, completa Taís.

Para intimidar os bandidos, a Associação Comercial e Empresarial de Ourinhos espalhou câmeras em pontos estratégicos, mas nem a possibilidade de registro de imagens consegue dissuadir os criminosos. Lojas de celulares são os alvos preferidos, pois os comerciantes deixam os produtos bem à mostra para chamar a atenção dos clientes e, após o furto, esse tipo de produto é de muito fácil comercialização.

 

A Polícia Militar foi questionada quanto as medidas de segurança que são tomadas em relação ao aumento dos índices de furtos, até o momento não nos foi encaminhada nenhuma resposta.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.