quarta, 17 de julho de 2024

Confira a coluna Poucas & Boas desta semana:

Publicado em 30 maio 2016 - 09:56:52

           

INJEÇÃO LETAL – A tragédia ocorrida com a morte de duas mulheres logo após atendidas e terem tomado medicação com injeção na UPA tem apavorado os usuários da rede pública de saúde. A causa das mortes ainda não foi esclarecida, e os acontecimentos provocam insegurança, revolta e medo com o atendimento médico no local.

MAIS COMPETÊNCIA – A população se queixa da falta de atenção e preparo dos médicos que atendem na UPA. Está na hora de se avaliar como é feita a contratação desses profissionais, o que se exige deles e como é feito o acompanhamento e avaliação de sua atuação médica. A rede pública de saúde custa muito caro para o contribuinte, não é nada de graça. Durante a semana o secretário de saúde e profissionais ligados à UPA serão ouvidos na Câmara Municipal. A população quer saber a verdade sobre as mortes recentes e explicações sobre o mau atendimento no local.

DE VOLTA PARA O FUTURO – A criação da UPA em Ourinhos foi divulgada com a promessa de “desafogar” o Pronto Socorro da Santa Casa, que recebia muitas críticas pela deficiência no atendimento. Como o objetivo não foi atingido tem gente defendendo a volta do Pronto Socorro da Santa Casa, esquecendo o caos que era vivenciado pelos doentes naquele lugar num passado recente. Não se trata de mudar de local de atendimento. A discussão precisa ser aprofundada antes de se levantar bandeiras.

O ROTO FALANDO DO RASGADO – Na sequência de críticas ao atendimento à saúde, o vereador Alexandre Dauage (Zóio) revelou uma grande novidade: existe ingerência política na indicação de cargos comissionados na UPA e Santa Casa! Faltou completar que os vereadores indicam seus apaniguados não só para esses locais, mas para as Secretarias de Cultura, Educação, Obras, Serviços Urbanos, como também é o caso do vereador Zóio….

TRAUMA – A prefeita deve ter medo de trovão. É só começar a chover que os buracos tornam a aparecer nas ruas recém-recapeadas. Nem são necessários muitos dias chuvosos para que a cidade volte a vivenciar um problema que atormentou a população nos últimos anos, que são os buracos nas ruas da cidade. A Câmara prorrogou por mais 90 dias a Comissão de Assuntos Relevantes (CAR) que investiga a qualidade do asfalto utilizado para recape e tapa-buracos na cidade.

TIJOLO POR TIJOLO – A Câmara aprovou na última sessão a instalação de mais uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Desta vez serão investigadas as suspeitas sobre a realização de licitações viciadas, feitas pela Prefeitura. Segundo levantamentos iniciais, empresas de Jacarezinho e Cambará eram “freguesas” do setor de Licitações, formando um grupo de firmas comandadas por “laranjas”, e que venciam os processos de compras no setor de material de construção desde 2012, ainda no governo do ex-prefeito Toshio Misato. A mamata teria continuado durante o governo Belkis.

SAIA JUSTA – A secretária de Assistência Social, Aparecida Finotti, compareceu à última sessão da Câmara. Só não esperava ser convidada pelo presidente Roberto Tasca para sortear um dos nomes de vereadores que compõe a “CPI das Licitações”, instaurada no dia 23. Não deve ter sido agradável para a secretária.

REPRISE – Rumores de que o ex-prefeito Toshio Misato teria enfim resolvido sair como candidato a prefeito provocaram reações do vereador Vadinho, sempre pronto para performances na defesa de seu companheiro de partido. Apelando para emoções fáceis, Vadinho lembrou que no governo de Toshio foram construídas cerca de 500 casas populares, e perguntou se isso não era motivo para que a população desse a ele um voto de crédito.

VERGONHA ALHEIA – O mínimo que se pode dizer a respeito do vexame regional protagonizado pela prefeita Belkis no episódio da crise sobre a instalação do aterro, é que sua falta de preparo político e administrativo rompeu as fronteiras da cidade, envergonhando os ourinhenses. Se havia um compromisso firmado pelos prefeitos da UMMES (e não precisava ser escrito) de que o aterro sanitário regional seria construído em Santa Cruz do Rio Pardo, como é que a prefeita “esquece” disso?

ATÉ QUANDO? – Por falar em dinheiro público, a Prefeitura continua com os 350 cargos comissionados. Apesar das denúncias e investidas do Ministério Público, o dinheiro continua indo pelo ralo. Muito bom para o grupo Toshio-Belkis, que vai poder contar com um grupo treinado e obediente para trabalhar como cabo eleitoral nas próximas eleições.

 

SERÁ QUE AGORA VAI? – Já está Câmara Municipal para ser aprovada ou não a prestação de contas do ex-prefeito Toshio Misato, do PSDB, referentes ao seu último ano de mandato. As contas de 2012 de Toshio também foram rejeitadas pelo TCE – Tribunal de Contas do Estado com inúmeros apontamentos de irregularidades. Embora nos oito anos em que foi prefeito Toshio tivera seis prestações de contas rejeitadas e condenações pelo TCE, as mesmas contas foram aprovadas pela Câmara. Contando apenas com três vereadores compondo a bancada PSDB/PMDB, dificilmente as contas de 2012 do ex-prefeito serão aprovadas pelos oito vereadores que agora compõe a oposição.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.