sexta, 21 de junho de 2024

Descaso e abandono faz moradores desacreditarem de Associações de Bairros

José Luiz Martins

O que poderia ser uma forma de auxiliar a administração municipal para priorização de ações do poder público nos bairros da cidade, as Associações de Moradores em Ourinhos transformaram-se em instituições obsoletas, que não tem cumprido satisfatoriamente a função de defender os interesses dos moradores junto ao poder público.

Na teoria esses órgãos deveriam buscar uma maior atenção a reivindicações das comunidades através da centralização dos problemas relacionados a infraestrutura urbana, educação, saúde, lazer, segurança entre outros que ocorrem nos bairros. Mas na prática as associações não têm desempenhado satisfatoriamente o papel de entidades representativas dos moradores. Cada representante eleito pelos moradores tem entre outras a função de levar ao conhecimento do poder executivo municipal os problemas e cobrar as necessárias providências, mas no entanto as atuações nesse sentido têm se mostrado insignificantes.

Representantes de algumas associações já vieram a público afirmando que o principal problema durante esses anos foi a falta de atendimento das reivindicações junto as Secretarias Municipais. Queixaram-se da falta de ação da LAMBO (Liga das Associações de Moradores de Bairros de Ourinhos) entidade criada para coordenar as associações e do descaso total da administração municipal nos últimos 12 anos com as necessidades dos bairros e isso foi desestimulando a participação.

Em contato com a reportagem o presidente da LAMBO, Jair Martins, que se mantém a frente da liga por 3 mandatos, disse que atualmente as 26 associações existentes em Ourinhos estão com diretorias constituídas mas com pouca atuação. Ele reconheceu que algumas sedes se encontram em estado de abandono, com as associações sem dinheiro para realizar os concertos, e que vem fazendo várias solicitações à prefeitura para manutenção, sem sucesso. Segundo o presidente da LAMBO durante todo tempo que está a frente da entidade trabalhou para regularizar juridicamente as associações que enfrentavam dificuldades para exercer as atividades por serem consideradas ilegais desde que foram criadas. 

Sobre a composição das diretorias das comunidades afirmou que muitas sofrem com ingerências políticas com pessoas ligadas a determinados políticos que vão ocupado espaços dentro das associações. “Muitas servem para interesses dos políticos que colocam as pessoas nas diretorias e não se dedicam a tarefa de ser representantes do bairro ondem moram, porque não recebem o apoio que os seus políticos prometeram.  Muitas até têm boa vontade de trabalhar pelas suas comunidades, mas quando percebem que dá trabalho e são muitas dificuldades acabam abandonando tudo”, declarou.

A reportagem do NOVO NEGOCIÃO visitou algumas sedes de Associações de Moradores de alguns bairros da cidade e constatou o estado de abandono em que estão. A sede da associação do Jardim Eldorado sofre com o abandono mas ainda mantém no local uma espécie de entreposto de entrega de leite a famílias carentes. Moradores em contato com a reportagem disseram que ouvem falar que o bairro tem uma associação mas não sabem como funciona. “Sei que aqui no Jd. Eldorado tem um barracão, mas nunca ninguém passou por aqui falando que trabalho que é feito lá. Acho que deviam informar melhor e chamar a população pra participar mas não tem isso não. Seria bom que funcionasse mesmo pois com todos unidos o bairro ganha força”, a declaração é de Luiz Vicente, comerciante há 15 anos no local.

Já o aposentado Luiz Carlos Lemos, morador do Orlando Quagliato há 18 anos, disse que existe uma associação no bairro mas desconhece que ela tenha uma sede e mesmo o que tem feito pelo bairro. “Olha o pessoal sempre fala da associação e tal, mas se depender dela vamos continuar abandonados aqui. Precisamos de muitas benfeitorias, principalmente a limpeza do córrego, de uma academia da saúde pros idosos e muitas outras coisas, estamos esquecidos e a associação aqui tá parada e nunca ficamos sabendo se estão fazendo algo pelo bairro”.

No Jd. Itamaraty a sede está se deteriorando por conta da inatividade da associação, uma moradora que não quis se identificar disse que o local sofre com a ação de vândalos e drogados “Tá tudo abandonado pelo poder público, ficamos a mercê da sorte, uma área que podia estar sendo usada pelos jovens, crianças fazendo atividades artísticas, projetos educacionais simplesmente virou cracolândia” criticou.

 

Mas a situação mais crítica é da ex-sede da associação de moradores do Jardim das Paineiras. Depois de anos abandonada, pouco antes das eleições deste ano a construção ali existente teve toda sua estrutura desmontada com tijolos, telhas e madeiramento sendo retirados do local. A moradora Dulcinéia Queiróz revelou a reportagem que mora em frente ao local há l4 anos e desde que se mudou para o bairro a antiga sede nunca funcionou. “Isso aqui sempre foi abandonado, servia de moradia para os mendigos e desocupados e era muito ruim pra nós que moramos aqui. Faz um mês que vieram aqui com caminhões e uns internos do CR, demoliram e levaram janelas, portas, telhas. Eu acho que assim é melhor mas se tivesse uma associação que funcionasse de verdade seria melhor ainda, mas infelizmente construíram, abandonaram e demoliram. É o dinheiro do povo sendo jogado fora”, lamentou.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.