terça, 28 de novembro de 2023

Em clima de natal, entidades reforçam trabalho solidário realizado durante o ano

Renata Tibúrcio

 É natural que ao chegar o final do ano as pessoas se sintam mais solidárias a fazer algo de bom ao próximo. Afinal, é o momento que elas param para descansar e se dão conta que a vida não se resume apenas em suas próprias responsabilidades. Longe da magia do Natal, há pessoas dotadas do espírito solidário que conciliam a rotina com o trabalho voluntário durante todo o ano e assim ajudam pessoas necessitadas de alguma maneira. Os meninos do Futebol Clube da Cohab são um dos exemplos de que a união faz a força. Os atletas uniram o gosto pelo futebol em prol de ajudar os mais necessitados. Há dois anos eles montaram o time de futebol e durante os jogos e até mesmo nos encontros entre amigos surgiu a ideia de unir o esporte com doações. No passado realizaram o Natal Solidário Cohab Futebol Clube que foi sucesso, pois conseguiram não somente arrecadar brinquedos e doces, mas também litros de leite, roupas, alimentos e produtos de higiene pessoal e produtos de limpeza.

De acordo com os esportistas solidários, os brinquedos, alimentos e as roupas foram levados pelo Papai Noel para as famílias carentes do Bairro Jardim Guaporé. As várias caixas de leite foram doadas à RECCO. Quanto aos produtos de limpeza e produtos de higiene pessoal entregues no Asilo Santa Tereza. Só que esse pessoal não parou por aí e decidiram também ajudar o Banco de Sangue e pelo menos 30 pessoas compareceram para doação, que ofereceu um alivio ao Banco de Sangue que havia lançado uma campanha solicitando doadores. “O fato de fazer o que gostamos e ainda poder ajudar o próximo faz com que nossa equipe se una mais e se respeite mais, pois todas as nossas ações são discutidas e neste momento o respeito e a responsabilidade é que prevalecem para que todas as ações sejam executadas da melhor forma”, concluiu o presidente FC da Cohab. Outro espírito solidário que divide a rotina do dia a dia com o trabalho voluntário é Neila. Tia Neila, como é carinhosamente chamada pelos seus amigos, distribui há quase um ano café da manhã para moradores de rua em vários pontos da cidade de Ourinhos. Apesar de receber muitas críticas Tia Neila não desanima e todas as manhãs de sexta-feira e domingo sai com sua família para o trabalho voluntário, entregando pão com mortadela e maionese, bolo, torta salgada e café com leite.

Neila lembra que o começo não foi fácil e conta que o motivo de ajudar pessoas que não conhece foi por experiência própria. “Passei muitas necessidades quando minhas filhas eram pequenas chegamos a comer arroz com cheiro verde, pois era o que tinha no quintal e aos poucos fomos vencendo e conseguimos vencer. Todas às vezes que algum morador de rua batia palma em nossa casa pedindo comida, nós nunca negamos, pois já sentimos fome como aquela pessoa. Após esse contato com muitos necessitados decidi levar comida para eles uma vez por semana”, relembra. Tudo começou em uma segunda-feira que ela utilizou as redes sociais pedindo ajuda para servir sopa aos necessitados, mas aparentemente não teve resultados. “Eu disse para a minha família para que a gente tivesse fé e profetizasse que tudo ia dar certo”, lembra. E deu, no mesmo dia um casal foi até a sua casa e levou um quilo de carne e um pacote de macarrão. No dia seguinte, ela recebeu legumes e para começar a boa ação, comprou o que faltava e fez uma sopa, feita com todo carinho. “Como se fosse para nós comermos, com todo carinho”.

Depois de horas de preparativos, ela saiu às ruas com sua família para distribuir a sopa e naquela noite entregaram 33 marmitas. E assim começou o trabalho. Em uma das noites que entregava as marmitas, Neila encontrou com outro grupo que também levava comida para eles. Foi aí que ela resolveu fazer algo diferente: oferecer o café da manhã. “Não só a minha vida, mas as das minhas filhas, marido e neta mudaram após esse contato com os moradores de rua. É neste momento que nós esquecemos as diferenças e ali nos tornamos todos irmãos. Eles nos contam suas histórias e nós contamos a nossa”, termina. Todos os alimentos que são distribuídos são doações que ela e sua família arrecadam de pessoas que também acreditam na frase: fazer o bem sem olhar a quem.

 Voluntários do Recanto dos Pássaros II realizam o Natal Feliz

 Os voluntários Danilo, Andreia, Sara e Dionão, há quatro anos vem realizando não só o Natal Feliz como também a tradicional Festa Junina e um movimento Hip Hop. Danilo, o porta voz dos voluntários, muito emocionado disse que o bairro onde ele mora, Recanto dos Pássaros II, tem muitas crianças e grande parte delas são carentes e vivenciando isso decidiu junto com sua esposa inicialmente promover algo para elas. “O primeiro evento já foi um sucesso e agora tomou uma proporção tão grande que elas encontram a gente na rua e já perguntam se vai ter festa esse ano”, fala Danilo. Todos os eventos foram um sucesso, mas vendo que o Natal era o mais esperado procurou ajuda e hoje conta com os amigos Sara e Dionão para poder realizar o Natal Feliz, pois não são distribuídos só brinquedos e doces, mas a garotada tem um dia só para eles, com direito a brinquedos, cachorro quente, refrigerantes e geladinhos. As doações são solicitadas ao longo dos meses, mas este ano Danilo disse que as arrecadações estão bem devagar. “Devido a situação do nosso país sabemos que as coisas estão difíceis, porém não vamos desanimar e vamos fazer o Natal dessas crianças feliz, mesmo que seja menor do que ano passado, mas nosso sonho não vai parar”, concluiu Danilo.

 

 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.