terça, 23 de julho de 2024

Família questiona conduta médica da UPA de Ourinhos após morte suspeita

Publicado em 23 abr 2019 - 09:43:50

           

Letícia Azevedo

Logo após a divulgação da pesquisa de satisfação sobre a qualidade do atendimento da UPA de Ourinhos, que foi publicada também na edição do dia 12 de abril no Jornal Negocião, uma família questiona a conduta médica da Unidade de Pronto Atendimento que, segundo eles, pode ter sido negligente e causado a morte de um ourinhense no último dia 10 de abril.

Ângela Maria da Silva Ferreira, viúva do servidor público federal do INSS de Ourinhos Carlos Ferreira, 53 anos, conta que o marido foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento na segunda-feira, 8, às 19h30, sentindo diversas dores pelo corpo, febre alta, diarreia e sangramento fecal. Como Carlos não tinha idade prioritária que se enquadrasse a exigência de um acompanhante, a viúva ficou do lado de fora da Unidade enquanto seu marido era atendido. 

Ela relata que conseguiu ver o marido apenas a 1h00 da manhã já da terça-feira (9), e que ele estava fraco, porém consciente. Às 3h30 da manhã ela foi até onde ele estava em observação para avisá-lo que iria embora, pois o filho menor de idade estava em casa, momento em que conversou com o médico, sendo que o mesmo afirmou que Carlos estava com uma forte desidratação. Ele foi medicado e enquanto tomava soro conversou normalmente com a esposa e lhe entregou as chaves da residência. Por volta das 6h00 da manhã o paciente foi liberado e levado até sua residência por uma ambulância. 

Carlos ficou em casa em repouso e de acordo com Ângela, se queixava apenas de fraqueza. Durante a madrugada já da quarta-feira, 10, após ouvir um barulho, ela encontrou o marido caído no chão da cozinha. Ele não soube dizer se tinha tido um desmaio, apenas pediu para que ela o levasse ao banheiro. “Eu o ajudei a ir até o banheiro, onde teve muita diarreia, ajudei a tomar um banho, esperei no banheiro ao lado dele. Depois o levei para o quarto, onde se deitou e ficou por mais um tempo, cochilou. Logo de manhã, ele acordou de novo, pedindo que eu o levasse ao banheiro. No vaso sanitário ele começou a passar mal, virando os olhos, e perdeu a consciência. Como ele ainda estava respirando, eu achei que tinha apenas desmaiado. Corri para pegar o telefone, para chamar alguém e quando eu vi, ele já não estava mais respirando. O Resgate veio e constatou o óbito. Tiramos ele do vaso sanitário e pudemos perceber que havia muito sangue no vaso” – relatou a esposa.

A viúva e os filhos estão inconformados de Carlos ter sido diagnosticado apenas com uma desidratação e ter morrido um dia depois “Meu marido não tinha problemas de saúde, ele tomava medicamento todos os dias para pressão, nunca tínhamos problemas com alterações na pressão arterial dele. Ele tinha uma vida extremamente ativa, trabalhava fora e ainda fazia serviços em casa. Eu nunca ouvi ele se queixar de nada, de nenhuma doença, nem de dores. Quando uma pessoa está doente, tem uma doença grave, nós sempre esperamos pelo pior, mas meu marido tinha 53 anos e tinha uma saúde de ferro. Nós estamos inconformados e queremos respostas pelo que aconteceu. Sabemos que a morte é algo certo na vida de todos nós, mas do jeito que aconteceu com ele, é inaceitável” desabafou Ângela.

Na certidão de óbito da vítima, consta como causa da morte ‘morte de causa desconhecida, Acidente vascular cerebral’.

Após o episódio, a família retornou à Unidade de Pronto Atendimento a fim de requerer o prontuário médico, sob suspeita de que Carlos não poderia ter sido liberado nas condições em que se apresentava, pois se queixava de muita fraqueza, o que não poderia ser resultado de uma simples desidratação. A administração da UPA até o momento negou o fornecimento do prontuário médico à família, mesmo com a intervenção de um advogado.

Questionado pela reportagem, o Instituto Pró Vida se manifestou através do Setor de Comunicação, enviando a seguinte nota: “A UPA 24h de Ourinhos informa que o paciente José Carlos deu entrada na Unidade, no início da noite do dia 8 de abril. A equipe médica multiprofissional da Unidade ressalta que o paciente apresentava quadro de vômito, diarreia e desidratação. Ele foi encaminhado imediatamente para emergência onde foi assistido, fez exames e tomou medicação. Durante todo o atendimento, foi questionado se o paciente estava acompanhado, mas ele respondeu que estava sozinho e que não havia ninguém para avisar. Após os cuidados médicos, o paciente foi estabilizado e recebeu alta. Quanto ao prontuário médico, por se tratar de documento confidencial, a família deve solicitá-lo por meio de ordem judicial”.

O advogado da família, Luís Otávio Deodato, vai requerer judicialmente junto à promotoria Pública do Estado, o acesso ao prontuário médico.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.