domingo, 19 de maio de 2024

Foi dada a largada para as eleições de 2016

José Luiz Martins

Já foi dada a largada pra as eleições municipais deste ano, aos poucos a cidade será tomada pelo clima de campanha eleitoral e o assunto ficará mais premente no cotidiano dos ourinhenses até o final de 2016.

Nesse momento, na maioria dos municípios, o primeiro cenário que se desenha é a movimentação dos partidos políticos na sondagem de candidatos a prefeito e a vereador. A mudança de partido, também comum em início de campanha, representa para determinados postulantes a busca de uma condição melhor para a disputa.

A chamada “janela partidária” que permite a troca de legendas impõe prazo até o dia 18 de março, e assim as acomodações político-partidárias vão se sucedendo e revelando motivações do troca-troca partidário, os interesses dos grupos políticos e pessoais, além de facetas como casuísmos e outras maquinações politicas.

No pleito deste ano em Ourinhos haverá o aumento do número de cadeiras na Câmara passando de 11 para 15 mandatos parlamentares em 2017. Pelo menos dois vereadores, Antônio Carlos Mazzeti (Tico) e Inácio J. B. Filho, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT), já sinalizaram que irão para outras legendas nos próximos dias.

Embora J. B. Filho já tenha afirmado que não irá concorrer a reeleição, o desgaste do PT perante a opinião pública e o receio de que isso se reflita junto aos seus eleitores é o principal motivo para a mudança de partido pelos dois vereadores.

Em conversa com a reportagem Mazzetti disse que irá mesmo abandonar o barco dos “companheiros” e que até o dia 18 deverá decidir a qual partido irá se filiar. Não revelou qual sigla irá ingressar e nem confirmou que tenha recebido convites do ex-prefeito Toshio Misato (PSDB) e Lucas Pocay (PSD) conforme tem se especulado no meio político.

Inácio já vem a algum tempo atuando pela pré-candidatura de Lucas Pocay e deverá ingressar em um dos partidos que firmaram acordo e já apoiam o pretenso candidato ao executivo. O vereador não confirma, mas cogita-se seu nome na lista de possíveis candidaturas a vice de Lucas. O que é dado como certo é que Inácio prepara Rogério Rosa, seu assessor na Câmara, para concorrer a uma vaga no legislativo.

Outro vereador que já se manifestou dizendo que não irá concorrer a reeleição sem explicar claramente o afastamento é Silvoney Rodrigues (Esquilo), que também lança seu assessor Santiago Lucas Angelo. Os demais vereadores Roberto Tasca, Cido do Sindicato, Alexandre Zoio, Alexandre Enfermeiro, Flavio Ambrozim e Vadinho devem permanecer em suas legendas e tentarão mais um mandato. A esse rol de candidaturas soma-se pelo menos mais de uma centena de candidatos entre novatos e políticos que já concorreram em pleitos anteriores e alguns ex-vereadores que tentarão retornar a Câmara.

O clima de pré-campanha está morno ainda, excetuando a notória movimentação de Lucas Pocay rumo ao executivo ourinhense. Possíveis candidatos a prefeito de outros grupos políticos como o PT e os parceiros PSDB/PMDB aliados desde a primeira gestão de Toshio Misato, ainda não definiram um nome para pleito. Misato ainda é o principal nome do grupo que parece estar com dificuldades em encontrar um nome para fazer frente a candidatos opositores, já que o ex-prefeito enfrenta pendengas e restrições do TCE (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), devido a irregularidades nas prestações de contas, o que poderá deixá-lo inelegível, Toshio teve contas rejeitadas pelo TCE em seis, dos oito anos que ocupou a cadeira de prefeito. 

Belkis Fernandes (PMDB) sofre pela alta impopularidade do seu governo com muitas críticas da população e, ao que tudo indica, não tem pretensões à reeleição e apoiará o nome escolhido pelo grupo PMDB/PSDB e outros partidos agregados. O vice-prefeito Gilberto Severino filiado ao PSDB, já concorreu a prefeito em 1996 e perdeu com diferença de 600 votos para Toshio Misato, então no PMDB, e segundo fontes do ninho tucano, a cúpula do grupo político descarta Severino da sucessão.

Recentemente especulou-se sobre sua ida para o PR a convite do Deputado Capitão Augusto para se candidatar a prefeito, o que foi desmentido por ambos. Outro boato também desmentido categoricamente insinuou que o empresário Celso Zanutto estaria em conversações com Lucas Pocay com vistas a compor a chapa como vice de Pocay. Zanutto chegou a divulgar pela imprensa que os rumores não procediam, que não é filiado a nenhum partido e por ser membro do recém-criado “Observatório Social” (Ong destinada a fiscalizar a administração pública) estaria totalmente impedido de atuação política partidária. 

Já o vereador mais votado de Ourinhos nos dois últimos pleitos municipais, 2008 com mais de 2.000 votos e em 2012 com mais de 3.000 votos, Lucas Pocay Alves da Silva, há tempos vem demonstrando a intenção de concorrer ao executivo municipal. O edil exerce a vereança há quase oito anos tendo ocupado a presidência do legislativo ourinhense no início do seu 2º mandato, recentemente confirmou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Ourinhos em reunião com lideranças do PSD (Partido Social Democrático) ao qual se filiou deixando o PTB.

Lucas sai do PTB cujo diretório de Ourinhos é presidido pelo seu tio e ex-prefeito Claudemir Alves da Silva e que tem como dirigente o ex-prefeito Claury Alves da Silva (1988-1992/1993-1996) seu pai, considerado um dos “caciques” do partido. Conforme Lucas, além do PSD, os partidos PTB, PSC, PV, PRP e PDT já confirmaram publicamente apoio e nos próximos meses outros partidos também devem anunciar que estarão juntos na corrida eleitoral.

A reportagem do NOVO NEGOCIÃO procurou a Prefeita Belkis Fernandes e o ex-prefeito Toshio Misato para repercutir o assunto, mas não foram encontrados. Já o vereador Lucas Pocay falou a nossa reportagem sobre sua pré-candidatura a prefeitura e outras questões a cerca de sua militância politica. Confira.

O que mais te motiva a ser prefeito de Ourinhos? Poder ajudar as pessoas e transformar Ourinhos na cidade que o povo merece, com perspectiva de um futuro melhor para os nossos filhos e netos, de mais oportunidades. Gostaria de implantar minhas ideias e projetos que defendo há tanto tempo e não tive chance de colocar em prática, porque as pessoas que estão no comando da cidade nesses 12 anos pensam diferente de nós, priorizam outras coisas, e acabam não nos ouvindo. Ourinhos precisa mudar, crescer, sonhar grande e ser a cidade que todos gostariam que fosse.

Sua militância política deu-se nas fileiras do PTB, qual a razão para mudança de partido para a eleição deste ano? – Este é um momento importante para a cidade de Ourinhos mudar, querer algo novo, novas ideias, novos projetos, novo partido e uma nova cidade, mais moderna, desenvolvida, com emprego, saúde de qualidade e bom asfalto. Tenho um carinho e respeito grande pelo PTB, onde iniciei minha carreira política e continua em nossa base de apoio. E a mudança para o PSD foi justamente para unirmos mais força e trazermos mais investimentos, projetos e benefícios para Ourinhos. Trata-se de um partido com grande força nacional e que nos dará a oportunidade de fazer ainda mais por nosso município. O fato de contarmos com o apoio do Ministro Gilberto Kassab também vai colaborar muito para o desenvolvimento de Ourinhos, já que ele comanda o Ministério responsável por destinar os recursos para infraestrutura (asfalto), mobilidade urbana e casas populares, por exemplo.

Você tem procurado acordo com outros partidos. Como tem sido a receptividade a sua pré-candidatura na Câmara? – Muito boa! Conhecemos bem a importância da Câmara e dos vereadores, já que estamos em nosso segundo mandato, passando inclusive pela presidência da Casa. Temos recebido o apoio de muitas pessoas, lideranças de bairros, empresários, entidades, partidos, vereadores, deputados e até ministro. Defendemos ideias e propostas que mudariam o rumo de Ourinhos, trazendo mais desenvolvimento e melhorando de fato a vida da população.

Seu pai e tio já foram prefeito de Ourinhos. Como você lida com o fato da população o considerar herdeiro político dos dois? – De forma muito tranquila. Tenho orgulho de ser filho de quem sou e fazer parte dessa família que sempre deu sua contribuição para a cidade e seu povo. Nasci vivendo a boa política, de transformação da sociedade. É através da política que uma cidade se organiza, cresce, oferece infraestrutura adequada e oportunidades à população. Então faço parte da política com orgulho, pois sempre trabalhei com transparência, retidão, princípios e buscando mudar a realidade das pessoas através do cargo eletivo para o qual fomos eleitos. Cada um teve o seu momento, a sua época, os seus desafios a enfrentar. O Claudemir, meu tio, ficou conhecido como o melhor prefeito para a Educação, construiu o Centro Cultural, trouxe a UNESP. Meu pai, o Claury, é considerado por muitos como o melhor prefeito que Ourinhos já teve, foi o que mais valorizou os servidores públicos, dando 100% de aumento, asfaltou a cidade inteira, fez o Distrito Industrial II, que gera milhares de empregos, recuperou o Parque Olavo Ferreira de Sá, tem obras suas por todos os bairros. E agora Ourinhos tem os seus novos desafios, que devem ser enfrentados por uma nova geração, com a tecnologia e os instrumentos que temos hoje. É essa a luta que decidimos encarar e estamos muito dispostos e animados para iniciarmos um novo ciclo, um novo momento para o povo ourinhense.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.