segunda, 15 de abril de 2024

Imagens de santos históricas são quebradas com picareta no interior de SP:

Padre define a ação como ‘INTOLERÂNCIA RELIGIOSA’

Da redação

As imagens de São João Batista e Nossa Senhora do Carmo foram arremessadas ao chão e quebradas com uma picareta durante ato de vandalismo na igreja Matriz de Sete Barras, no interior paulista. O padre Francisco Neto disse que as janelas foram arrombadas, roupas sacerdotais e eucaristias espalhadas pelo chão, além de terem roubado o dinheiro das doações dos devotos.

Imagens mostram como ficou a Paróquia São João Batista após a invasão na madrugada de ontem, segunda-feira (2/10). Até o momento, não há informação sobre quantas pessoas estariam envolvidas no ato de vandalismo.

Segundo o padre, a imagem do padroeiro da cidade, São João Batista, está há 80 anos no local. Já a de Nossa Senhora do Carmo, está há aproximadamente 123 anos no município e têm uma importância histórica à paróquia.

“A Paróquia de Eldorado nos doou essa imagem, veio pelo [rio] Ribeira de barco, foi recebida pela cidade com muita alegria. Tem todo esse simbolismo, não só religioso como cultural”, explicou o sacerdote. Segundo ele, toda igreja é composta pela imagem do patrono e o amparo de Nossa Senhora.

INVASÃO – A última missa foi realizada na noite de domingo (1°) e a próxima ocorreria na manhã do dia seguinte, mas precisou ser cancelada. O religioso chegou, por volta das 6h30, encontrou a igreja vandalizada.

“Eles arrombaram a janela da sacristia, entraram, fizeram avaria na própria sacristia com as roupas sacerdotais, jogaram no chão, foram para a igreja, abriram o sacrário, espalharam a eucaristia pelo chão”, descreveu o padre.

Além disso, objetos litúrgicos foram jogados no chão. As imagens dos santos, segundo o padre, foram retiradas do altar e arremessadas. Uma picareta foi usada para furá-las. O objeto ficou inserido na imagem de Nossa Senhora.

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA: “Do jeito que estava a igreja quando a encontrei parece que a principal intenção era demonstrar intolerância religiosa mesmo (…) [a pessoa] sabia que ia atingir religiosamente e sentimentalmente toda uma comunidade”, afirmou.

Ele acredita que seja possível restaurar as imagens, mas que elas não ficarão como eram. “Várias partes foram quebradas em micro pedaços e não se consegue juntá-las mais, mas imagino que ficará quase que 90% como a original”.

Para o padre, encontrar a igreja vandalizada causou um sentimento de impotência ao ver que a intolerância religiosa ultrapassa barreiras da moral e dignidade para ferir outras pessoas.

“A pessoa entrou, fez, não teve nenhuma consideração com a história, cultura, religião, com a comunidade em si. Não destruiu só uma imagem, destruiu uma história”, finalizou.

SSP-SP – Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) informou que a Polícia Civil investiga o caso que foi registrado como furto, ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato relativo na Delegacia de Sete Barras.

Informações/G1

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.