quinta, 18 de julho de 2024

Projeto de arborização em Ourinhos provoca revolta e abaixo assinado

Publicado em 18 out 2019 - 17:32:29

           

Secretaria do Meio Ambiente e Agricultura afirma que os projetos existem para que Ourinhos tenha uma adequada arborização urbana

 

Juliana Neves

Um projeto da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agricultura, que prevê a retirada de algumas árvores em diferentes localidades de Ourinhos, para serem substituídas por novas mudas, gerou grande desconforto na população.

Ourinhenses temem pelo impacto ambiental que a ação pode gerar no futuro e até um abaixo-assinado on-line correu as redes sociais em protesto.

ABAIXO ASSINADO E OPINIÕES DA POPULAÇÃO – O abaixo-assinado já reuniu cerca de duas mil assinaturas para tentar impedir a ação de suprimir as árvores da cidade. A reportagem entrou em contato com algumas das pessoas que deixaram suas assinaturas, e se demonstraram bastante descontentes.

Caroline Proença, universitária de psicologia, julga o projeto contraditório diante da questão ambiental. “Acho Ourinhos uma cidade muito quente e percebo o quanto de árvores são cortadas aqui, é totalmente contraditório esse projeto com a desculpa de que ‘está atrapalhando a fiação elétrica’, só a poda resolveria”.

Weber Rodrigo de Carvalho, educador, acredita que as árvores não apresentam riscos para a segurança humana, e poderia ter sido feito o plantio e depois anunciado o corte. “Acho que a ordem das coisas está fora do lugar,”. Ele acredita ainda que o plano diretor da cidade, ao invés de estimular o corte de árvores, poderia oferecer benefícios para aqueles que mantêm áreas verdes ou árvores em suas casas. “Estamos em uma cidade que é quente e o meio ambiente deveria ser visto como prioridade no desenvolvimento e não empecilho”.

Indignação é o sentimento demonstrado por Carvalho. “Me choca ver que boa parte da população não se deu conta dessas placas, porque ninguém imagina que é uma sentença de morte. Devemos tornar público essa ação para saber se a população que queima no sol de Ourinhos compactua com esta atitude”.

Desconhecidos colocaram placas com frases de ajuda nas árvores da cidade.

Luciene Cristina Risso, professora e pesquisadora da UNESP, ainda acredita que podas corretas seriam suficientes e questiona se haverá fiscalização e transparência da compensação ambiental por parte da prefeitura. “A população tem o direito de se informar sobre todos os trâmites do processo”.

Luciene ainda faz um pedido à prefeitura, que prorrogue o prazo de extração das árvores e reveja todos os pontos importantes do projeto questionados pela população, além de abrir um debate com a sociedade como um todo.

Placa de aviso da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agricultura.

CIDADE VERDE – Existe na cidade um grupo ativo que busca melhorar e apoiar o meio ambiente. Um dos integrantes do Movimento Cidade Verde, Rafael Beccheri Cortez, reconhece que o trabalho de arborização é importante para o município. “Para fazer uma obra ou abate de uma árvore, são necessárias as compensações ambientais, que acabam sendo deixadas de lado, como aconteceu com a canalização dos córregos da nossa cidade”.

O colaborador defende que as árvores que, talvez, apresentem algum risco são aquelas não saudáveis, então, suprimir as árvores de modo generalizado é uma atitude que não apoia. “Existem formas diferentes de tratamento destas plantas e podas adequadas que estenderiam a vida útil da arborização já desenvolvida em Ourinhos. Sem contar que as árvores precisam de dez anos para serem adultas, por isso, acho arriscado cortar as que já existem, porque não sabemos quem vai cuidar destas novas mudas. Precisa rever e avaliar outros possíveis caminhos”, finaliza.

OUTRO LADO – Segundo o Secretário de meio Ambiente, Maurício Amorozini, a ação tem o objetivo de prevenir problemas com a rede elétrica e com as casas de munícipes, pois algumas raízes extrapolam de tamanho destruindo calçadas e podem invadir residências.

PROJETOS – Dois projetos serão desenvolvidos na cidade, o ARBORIZAÇÃO MAIS SEGURA e ARBORIZANDO OURINHOS. O primeiro, a ser realizado até o final de novembro, deve suprimir as árvores de grande porte que estão encostando nos fios de alta, baixa e média tensão, que podem causar descarga elétrica e prejudicar a distribuição de energia.

“Para cada árvore que eu vou retirar de grande porte, irei plantar cinco árvores adequadas para arborização urbana no mesmo espaço. Para debaixo da rede elétrica iremos plantar árvores de pequeno e médio porte, do outro lado da rua será de médio e grande porte, assim, teremos a realização de um trabalho ideal para Ourinhos”, explica o secretário.

Maurício Amorozini, secretário do meio ambiente e agricultura.

Já o Arborizando Ourinhos é um projeto que viabilizará o plantio de árvores em toda a extensão das vias públicas do município. Desta maneira, o Arborizando Ourinhos complementa esta quantidade de 250, totalizando mais de duas mil árvores sendo plantadas na região.

O secretário afirma que primeiro será feito o plantio das árvores de compensação e depois, por etapa, serão retiradas as árvores que serão suprimidas. O projeto prevê uma arborização na cidade como um todo.

PLANEJAMENTO E ACESSIBILIDADE – “Quando falamos em arborização urbana, não nos referimos somente as árvores próximas da rede elétrica, mas também temos que ter atenção para a lei de acessibilidade. Hoje, existem árvores de grande porte alocadas em calçadas com raízes expostas e adentrando em residências. Vamos retirar as árvores com o tronco por inteiro e recuperar a calçada, que um dia já foi mal planejada, e produziremos berços para o plantio das árvores, de acordo com o espaço fornecido pelas calçadas”, fala Amorozini.

Alguns detalhes do projeto Arborização Mais Segura.

“Se eu não tivesse informação do projeto, talvez eu seria um dos que assinaria este documento, mas o que eu posso dizer é que estamos à disposição para dialogar com a população. Abrimos a planta do projeto e explicamos a programação das ações de como as coisas estão sendo feitas. Aos poucos os munícipes estão se convencendo de que é um projeto seguro com planejamento e inteligência”, sintetiza o secretário.

DESTINO DA GALHADA – As árvores que serão suprimidas irão para um local específico de armazenamento da galhada, porque será destinada ao Ginásio Monstrinho, para fazer parte do sistema de aquecimento das piscinas.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.