segunda, 17 de junho de 2024

REPORTAGEM ESPECIAL: O grande aumento de golpes na internet

Apesar das precauções todos estão sujeitos a este perigo

Por Fernando Lima

Cada vez mais comuns, os golpes pela internet se tornaram corriqueiros e fazem cada vez mais vítimas, independentemente da idade e do grau de instrução. Estes criminosos especializados e chamados de cybercriminosos, desenvolvem uma série de golpes, dos mais simples aos mais sofisticados e conseguem enganar e roubar pessoas de diversas partes do país sem ao menos se deslocarem, apenas através da internet.

A empresa OLX, plataforma de comércio eletrônico, realizou um estudo para calcular os prejuízos dos golpes on-line em 2023. Segundo a pesquisa, os brasileiros perderam aproximadamente R$ 1,1 bilhão em golpes cibernéticos em 2023. 

A vice-presidente de produtos da OLX, Beatriz Soares, diz que o foco da prevenção passa pelo maior compartilhamento possível de informações sobre os golpes e também a importância da educação digital, que ajuda as pessoas a terem um comportamento seguro on-line.

“A prevenção é ainda a melhor solução para um ambiente on-line mais seguro. Além das soluções de tecnologia, é fundamental educarmos digitalmente a população”, explica Beatriz. Ela relata que, em geral, os golpistas agem de modo a ganhar a confiança das vítimas, através de fotos, vídeos, áudios, que passam a impressão de veracidade para, assim, conseguirem dinheiro.

“Os golpistas agem principalmente por engenharia social, ganhando a confiança das vítimas para conseguir dados e valores e pedem que migrem para plataformas menos seguras. Ajudar a população a entender como funciona o ambiente online e como se prevenir dos golpes é o primeiro passo para reduzirmos os crimes no ambiente virtual”, completa Beatriz.

O site Olhar Digital, especialista em assuntos de tecnologia, listou os principais tipos de golpes aplicados pela internet e os mais comuns foram o falso pagamento (30,5%), a invasão de conta (25,6%) e a coleta de dados (17,8%). Os golpes de falso pagamento e invasão de conta apresentaram aumento de 19% e 51% respectivamente em comparação a 2022.

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina e a Polícia Civil do Rio Grande do Sul também divulgaram uma lista detalhada com os tipos de golpe mais comuns.

Furto de identidade:  alguém se passa por outra pessoa para obter vantagens ilícitas. A vítima poderá perder dinheiro e temporariamente crédito, ou até ter sua reputação abalada. Pode ser demorado e trabalhoso reverter todos os problemas causados pelo impostor. A melhor forma de impedir que sua identidade seja usada por terceiros é proteger o acesso aos seus dados e às suas contas de usuário.

Antecipação de recursos: um golpista induz a vítima a fornecer informações confidenciais ou a realizar um pagamento adiantado com a promessa de que esta receberá um benefício (como por exemplo o golpe do PIX nas redes sociais). Em algum tempo, a vítima percebe que o benefício não existe, que foi vítima de um golpe e que seus dados e/ou dinheiro ficaram com o golpista. Desconfie de situações em que é necessário efetuar um pagamento antecipado para receber um valor maior. Não se empolgue tão rápido com uma possibilidade de ganhar dinheiro, nem sequer responda a esse tipo de oportunidade. Se acreditar que pode ter algum valor a receber, tome a iniciativa de procurar informações oficiais.

Golpes de comércio eletrônico: exploram a relação de confiança do usuário nos negócios on-line. A vítima pode ser atraída por uma oferta imperdível e não receber a mercadoria “comprada” ou o pagamento por um produto “vendido”, além de passar dados seus ao golpista. Algumas dicas para prevenção para esse tipo de golpe:

  • desconfie se o valor do produto está muito abaixo do de outros fornecedores confiáveis;
  • pesquise na internet sobre o site antes de efetuar a compra para ver a opinião de outros clientes;
  • acesse sites especializados para verificar se há reclamações referentes à empresa;
  • fique atento a propagandas recebidas por spam ou redes sociais;
  • utilize sistemas confiáveis de pagamentos para impedir que seus dados pessoais e financeiros sejam enviados ao golpista;
  • em caso de venda, confirme que recebeu o pagamento diretamente na sua conta bancária ou pelo site do sistema de pagamentos (não confie apenas em e-mails ou comprovantes de depósito, pois podem ser falsos);
  • acesse todos os sites, tanto de pagamentos quando de vendas, diretamente do navegador, e não por links recebidos em mensagens;
  • mesmo que o vendedor lhe envie o código de rastreamento fornecido pelos Correios, saiba que isso não basta para comprovar o envio e liberar o pagamento.

Phishing: Este golpe também é muito comum, a pessoa recebe uma mensagem via Whatsapp, mensagem de texto ou e-mail e clica em um link que instala um vírus em seu dispositivo, o que possibilita que o bandido consiga acesso e clone seus aplicativos e comece a aplicar golpes por meio deles, como por exemplo a falsa venda de produtos que vão desde eletrodomésticos até golpes do PIX, aproveitando da confiança das pessoas conhecidas da rede da vítima. O golpista tenta obter dados pessoais e financeiros de um usuário utilizando técnicas de engenharia social. A consequência pode ser o vazamento de informações pessoais e financeiras, além de infectar o computador com códigos maliciosos. Fique atento a mensagens recebidas que tentem induzi-lo a fornecer informações, instalar ou executar programas ou clicar em links. Acesse a página da instituição que supostamente enviou a mensagem e procure por informações.

Pharming: golpe que envolve o redirecionamento da navegação do usuário para sites falsos. A consequência será o vazamento de dados pessoais e financeiros, com possível perda financeira. Desconfie se, ao digitar o endereço do site no navegador, você for redirecionado para outro site, o qual tenta realizar alguma ação suspeita, como abrir um arquivo ou instalar um programa. Para se proteger, escolha um provedor de internet confiável, verifique se há erros no nome do endereço do site que você quer acessar e sempre siga as dicas e orientações sobre segurança da informação. Se você está desconfiado de um site, inclusive de um banco, faça login com uma senha errada. Como um site falso não tem como conferir a sua senha, a próxima tela mostrará que é golpe.

Boato (ou hoax): a mensagem tem conteúdo falso e alarmante e geralmente é enviada por uma empresa importante como bancos, lojas ou órgão governamental, e até mesmo por um conhecido. Pode trazer problemas tanto para aqueles que a recebem e distribuem, como para aqueles que são citados em seu conteúdo, como conter códigos maliciosos, espalhar desinformação pela Internet, comprometer a credibilidade e a reputação de pessoas envolvidas. Com a leitura atenta de uma mensagem desse tipo é possível identificar informações sem sentido e tentativas de golpes, como correntes e pirâmides. Não deixe que sua boa vontade o impeça de verificar a procedência e de conferir a veracidade do conteúdo da mensagem.

Golpe do Pix Reverso: Muitas vezes depois de terem o celular clonado, os bandidos aproveitam e tentam realizar vendas através de publicações e stories, oferecendo produtos muito abaixo do mercado e às vezes dizendo que estão divulgando para um amigo. Outra forma é a divulgação de “tabelas” onde a vítima faz um PIX de um valor e “recebe” (e não recebe), um valor multiplicado em sua conta de volta. Essa prática é tão comum, que é divulgada também em grupos de Facebook e faz muitas vítimas que acreditam na promessa de dinheiro fácil. Para tornar o golpe um pouco mais “verídico”, os criminosos divulgam prints de saldos bancários de pessoas que teriam recebido o dinheiro multiplicado de volta, na tentativa de convencer as pessoas. Outra forma comum de aplicação deste golpe é uma pessoa entrar em contato enviando um comprovante e dizendo que fez um PIX por engano para sua conta e então pede que envie o dinheiro de volta (muitas vezes contando histórias tristes). Por isso, nunca faça um PIX de volta sem antes conferir sua conta para ver se há mesmo algum valor depositado sem seu conhecimento.

Golpe da falsa pessoa: Este tipo de golpe é bem comum, nele o bandido manda uma mensagem de um número diferente se passando por um membro da família, dizendo que está com número novo e precisa de uma quantia em dinheiro rapidamente, para pagar uma conta por exemplo, e que logo devolve; ou então diz que perdeu os cartões ou o acesso ao aplicativo do banco e pede para que envie o dinheiro pra conta de outra pessoa. Assim, sem nem mesmo conferir, a vítima acaba enviando dinheiro para os criminosos.

Golpe do falso sequestro: Uma pessoa entra em contato dizendo estar com algum membro da família sequestrado, fazendo ameaças e pedindo dinheiro em troca do resgate. É comum que em algumas dessas ligações, o criminoso seja rude e grite para intimidar a pessoa e não deixá-la falar. Também mandam que não procurem e não envolvam a polícia, sob ameaças. Nestas situações, é importante que a vítima confira, de fato, se o familiar foi realmente “sequestrado” o que, na grande maioria das vezes, não acontece. Apenas tentam deixar as pessoas desesperadas para tentar extorqui-las. Dessa forma, peça ao criminoso para falar com o familiar, peça que confirme dados sobre ele e procure a polícia.

Sempre é importante, ao ser vítima de um golpe deste tipo, comunicar a polícia imediatamente, para que as informações ajudem a polícia a chegar nestes criminosos, que muitas vezes agem em quadrilhas especializadas, com uso de tecnologia.

Relembre os casos de golpes que aconteceram em nossa cidade e região e ficaram conhecidos.

Falso veículo

Muito comum em sites como Facebook e OLX, este golpe faz muitas vítimas. Em caso recente, ocorrido no dia 29 de abril, um jovem de 21 anos registrou uma queixa depois de ser vítima, no dia anterior (28) de um golpe na rede social Facebook.

Segundo o relato, ele encontrou o anúncio de um veículo Fiat/Palio, ano 2006, no valor de R$ 13.000,00. Entrou em contato com o suposto vendedor via “messenger”, que lhe sugeriu que terminassem a negociação pelo Whatsapp, fornecendo um número com código de área da cidade de São Paulo.

O negócio foi fechado quando o bandido enviou um vídeo dizendo estar em um tabelionato e também enviou fotos do documento do veículo, em nome de Marcelo B. N. A vítima deveria comprar o carro com uma entrada de R$ 4.000,00 e mais 18 parcelas de R$ 500,00.

O jovem então, realizou transferência via pix do valor de entrada para dois Cpfs diferentes e após o pagamento o vendedor sumiu e não respondia os contatos. No único contato que conseguiu, o golpista ameaçou de morte o jovem, dizendo que ele não procurasse a polícia pois tinha seu endereço.

Falso intermediário

Em abril de 2023 um homem foi vítima deste golpe. A vítima viu no Facebook um anúncio sobre a venda de uma moto Honda/CG 125 ano 2013, preta, de Ourinhos, que estava sendo vendida por R$ 4.300,00. Interessado, ele mandou mensagem ao vendedor e um homem que se identificou por Daniel Santos entrou em contato via Whatsapp, perguntando se havia interesse no veículo.

Disse também que se a vítima quisesse ver a moto era para procurar um suposto primo seu, de 36 anos, que na verdade era o dono da moto. Disse ainda que não poderia ir pois estava trabalhando e que não era para falar sobre o valor com o primo, pois ambos já tinham combinado o valor e se houvesse alguma dúvida era para se identificar como sendo “o pedreiro do Daniel”.

O rapaz foi então se encontrar com o tal “primo” em uma cerâmica na Rodovia Melo Peixoto (SP-278), em Ourinhos, onde estava a moto e juntos se dirigiram a um mecânico para uma avaliação do veículo.

O profissional afirmou que estava tudo ‘ok’ com a moto e a vítima chegou a dar uma volta no quarteirão, combinando em seguida com o ‘primo’ que iria guardar seu carro e depois poderiam fazer a transferência da moto.

Enquanto o possível comprador ia para casa guardar seu carro, recebeu uma ligação de Daniel dizendo que era para ele fazer o PIX se fosse ficar com a moto, caso contrário ele não liberaria o veículo. A vítima então fez a transferência e depois foi ao despachante junto com o suposto primo.

No despachante, o comprador recebeu uma mensagem de Daniel dizendo que a vítima tinha caído em um golpe, que ele estava preso, que era da OLX.

Questionado sobre a situação, o tal primo disse que não conhecia Daniel pessoalmente, que eles haviam conversado pelo WhatsApp e que foi orientado a dizer que era “primo de Daniel”.

Diante dos fatos a vítima resolveu registrar um boletim de ocorrência, apresentando os prints das conversas e do comprovante de transferência que foi efetuado em nome de Valdemir Bernardo de Jesus, do Banco Neon pagamentos S/A.

Em um outro caso, também acontecido em abril de 2023, uma mulher de 56 anos, moradora da região, interessada em adquirir uma caminhonete, perdeu R$16.000,00. A vítima viu um anúncio também no Facebook sobre uma VW/Saveiro no valor de R$ 19.000,00 e entrou em contato com o suposto vendedor pelo telefone, identificado como Mizael, irmão de R.A., dono do veículo. As partes negociaram e fecharam o negócio.

Mizael então convenceu a mulher a vir para Ourinhos para ver o veículo. Já na cidade a vítima procurou por R.A., viu o veículo, porém o homem disse que só assinaria o recibo após o dinheiro cair em sua conta bancária.

A mulher realizou o pagamento via PIX de R$ 16.000,00 e o vendedor ficou aguardando o dinheiro cair em conta. Devido à demora, ele questionou a mulher sobre o valor que ela estava pagando pelo veículo. Ao ser informado sobre os R$ 16.000,00 ele desconfiou que fosse um golpe, momento em que se dirigiram à delegacia.

A vítima registrou o boletim de ocorrência, apresentando ainda os prints das conversas com o golpista, o comprovante de depósito, mas não conseguiu recuperar o dinheiro.

Falsa pessoa

Em um outro caso, uma moradora do Jardim Ouro Verde recebeu mensagem pelo WhatsApp de sua filha, que lhe pediu que fizesse um PIX no valor de R$ 3.000 para uma conta do PagSeguro em nome de Micaela Marques, porém a vítima desconfiou e não efetuou o depósito, procurando pela filha que negou o pedido. A mulher foi então até a CPJ e registrou a tentativa de golpe.

Invasão de Celular

A proprietária de uma petiscaria em Ourinhos, teve seu dispositivo móvel clonado e criminosos passaram a usar seu número para anunciar uma suposta promoção. Uma moradora da Vila Margarida procurou a Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Ourinhos e registrou um boletim de ocorrência, onde conta que recebeu uma ligação divulgando um suposto sorteio que seria realizado pela empresa Petiscaria Major, e que para concorrer a R$ 1.000,00 ela deveria digitar um código fornecido durante aquela ligação.

Por frequentar a lanchonete, a mulher digitou os números fornecidos e imediatamente perdeu acesso ao seu WhatsApp. Logo teve notícias de que estavam usando seu aplicativo para pedir dinheiro a seus contatos.

O mesmo aconteceu com um outro cliente da petiscaria, que recebeu o mesmo tipo de ligação telefônica, e acreditou estar participando da tal promoção, digitando os números sugeridos. Ele também perdeu o acesso a seu aplicativo de WhatsApp e seus contatos passaram a receber pedidos de dinheiro em seu nome.

Os proprietários da petiscaria estão divulgando em suas redes sociais um alerta para que outros clientes não sejam lesados.

Falso boleto

Um homem de 37 anos foi vítima do golpe do falso boleto em Ourinhos em 2021. Segundo o relato, a vítima teria um carro financiado e que faltavam 6 parcelas no valor de R$ 749,00 cada para terminar de pagar. Durante o período de Black Friday, o homem recebeu uma ligação do suposto banco que havia financiado seu carro e numa negociação que demorou 3 dias, ofereceram a quitação do bem por R$ 1500,00. Segundo o homem, que registrou a queixa na Polícia Civil, não havia como desconfiar, pois os criminosos tinham todos os seus dados e do veículo corretos, além de falarem de uma central que tinha barulhos característicos das centrais de atendimento que comumente se ouvem em ligações deste tipo. A vítima pagou o boleto e perdeu o dinheiro. 

Fontes: Tribunal de Justiça de Santa Catarina, OLX, Olhar Digital.

Imagem: Reprodução/Google.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.