quarta, 17 de julho de 2024

Saúde pública em Ourinhos: boas notícias e antigos problemas

Publicado em 30 jun 2017 - 05:51:01

           

Alexandre Mansinho

Cássia Palhas, secretária de saúde de Ourinhos, tem tido bons resultados à frente da pasta que talvez seja a que mais tem problemas na cidade. Passados 180 dias do início do governo Pocay, a secretária tem alguns motivos para comemorar: reestruturação de alguns serviços, reorganização de atendimentos e alguns novos convênios resultaram positivamente para aqueles que buscam atendimento nos serviços públicos municipais de saúde. No entanto, paralelamente às comemorações, alguns antigos problemas ainda dificultam a vida dos munícipes: setores como psiquiatria e psicologia, além de exames de alta complexidade e o agendamento de cirurgias eletivas permanecem com atendimento muito abaixo do esperado.

Programa Mais Médicos – No último dia 23 a prefeitura noticiou a chegada de mais 6 profissionais médicos integrantes do Programa Mais Médicos oriundos de Cuba – em Ourinhos, diferentemente de alguns outros lugares, os médicos cubanos têm sido bem recebidos e bem avaliados pela população. Lucas Pocay disse, por meio da assessoria de comunicação, que a chegada dessas novas profissionais será muito importante para a efetivação dos projetos na área da saúde: “sabemos da formação delas no tratamento mais humanizado, próximo ao paciente. E isso só vem agregar às ações que estamos promovendo na saúde púbica para que a população seja ainda mais bem atendida e possa ter resolutividade, para diminuir a dor, a aflição e até o estresse causado pelo desconforto de estar doente”.

Exames laboratoriais – Novos convênios para a realização de exames laboratoriais resultaram em uma maior agilidade na obtenção dos resultados – hoje a demora para a efetivação dos exames é de, no máximo, 48 horas úteis. Tal medida aumentou a resolutibilidade nos tratamentos de saúde e diminuíram as queixas dos pacientes.

Exames de alta complexidade – Ressonância magnética e tomografia computadorizada: aqueles que precisam desses exames estão com sérios problemas: o setor responsável, no prédio da Secretaria de Saúde, alega que esses procedimentos são feitos com verbas estaduais e, por esse motivo, tem tido atrasos. Atualmente aqueles que precisam de exames de alta complexidade têm duas opções: pagar pelo exame, cujos valores variam entre 600 e 1200 reais, ou esperar cerca de 7 meses para a obtenção da vaga para realização pelo SUS.

Cirurgias eletivas – Verbas via emendas parlamentares do deputado Capitão Augusto, verbas conseguidas por outros meios, convênios e ações judiciais – esses são os meios que, até o momento, os pacientes têm ao seu dispor para conseguir subsidiar cirurgias eletivas. No entanto, todas essas soluções são paliativas e a fila de pacientes só faz crescer.

Alexandre Florêncio Dias, o Alexandre Enfermeiro, faz parte daqueles que lutam para que sejam tomadas medidas efetivas para a resolução do problema e a diminuição do sofrimento dos mais de 1000 ourinhenses que aguardam cirurgias eletivas: “pedimos esclarecimentos sobre o número de pessoas que estão aguardando. É um tema muito difícil, não basta só boa vontade, a situação é complexa, envolve vidas”.

Ainda segundo Alexandre, “é preciso uma decisão impactante, de remanejamento de verbas para a saúde e esse seria um ato nobre pela nossa população. Entendo, que o Prefeito quer ajudar todos os setores, mas falo por mim: abro mão dos pedidos de tapa-buraco e asfalto para ajudar essas pessoas que aguardam as cirurgias”.

O que é uma cirurgia eletiva? – Por definição, uma cirurgia eletiva é uma intervenção que pode ter um tempo de espera de até 1 ano por se tratar de um procedimento para melhorar a qualidade de vida de um paciente ou para corrigir um problema que não se configura urgente – exemplo disso seria uma cirurgia de redução de estômago. No entanto, caso essa cirurgia ultrapasse o 1 ano de espera, problemas de saúde podem se agravar e a cirurgia que era eletiva passa a ser emergencial – o que aumenta o custo para o sistema e gera sequelas para o paciente.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.