sexta, 24 de maio de 2024

Venda de imóvel usado reage em SP

Da redação

As vendas de imóveis usados reagiram, depois de dois meses de queda, e cresceram 15,25% em maio no Estado de São Paulo. O saldo acumulado das vendas, de janeiro a maio, é positivo em 2,93%, segundo pesquisa feita com 1.170 imobiliárias de 37 cidades pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CRECISP).

As imobiliárias pesquisadas venderam 60,49% dos imóveis por meio de financiamento da Caixa Econômica Federal (CEF) e dos bancos privados, 36,34% com pagamento à vista, 1,95% com financiamento direto dos proprietários e 1,22% com cartas de crédito de consórcios.

“O comportamento das vendas de imóveis usados até Maio seguiu o padrão usual do mercado, com meses de baixa seguidos de alta, mas o crescimento continuou baseado nos financiamentos que, a partir desse mês, devem ter sofrido o impacto das restrições criadas pela Caixa”, afirma José Augusto Viana Neto, presidente do CRECISP. No início de maio, os financiamentos com recursos da poupança tiveram uma redução do limite do valor total financiado de 80% para 50% do valor do imóvel no SHF e de 70% para 40% no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI).

Comportamento diferenciado – O comportamento do mercado de imóveis usados em Maio não foi uniforme nas quatro regiões que compõem a pesquisa do CRECISP. Houve crescimento nas vendas em relação a abril no Litoral (+ 18,61%) e no Interior (+ 42,13%) e queda na Capital (- 4,43%) e nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco (- 10,93%).

As 1.170 imobiliárias que o CRECISP pesquisou nas 37 cidades do Estado venderam em Maio 51,46% do total em apartamentos e 48,54% em casas. Os proprietários concederam descontos sobre os preços originais de venda de 5,94% nos bairros de periferia; de 7,89% nos bairros de regiões centrais; e de 9,96% nos bairros de áreas nobres.

As casas e apartamentos com valor final de até R$ 300 mil foram os imóveis que as imobiliárias mais venderam no período, com 61,71% do total de contratos fechados. Na divisão das vendas por faixas de valor, predominaram os imóveis de até R$ 3.000,00 o metro quadrado, que somaram 48,84% do total.

Locação de casas supera a de apartamentos no Estado de SP – A locação de casas e apartamentos teve a terceira queda seguida no ano, de 5,3%. De Janeiro a Maio, porém, o saldo acumulado das locações é positivo em 37,99%. O presidente do CRECISP aponta o arrocho na renda das famílias com o aumento da inflação e o enxugamento dos orçamentos domésticos por temor ao agravamento da crise como causa principal da retração na procura por casas de aluguel. “Três meses seguidos de queda indicam um provável desajuste entre os valores pedidos pelos proprietários e a capacidade de pagamento de quem busca imóvel para alugar”, pondera Viana Neto. “Os ajustes que o País está enfrentando se reproduzem em todos os setores, e o mercado imobiliário não é nem será exceção”, resume.

As imobiliárias que o CRECISP consultou alugaram 56,41% em casas e  43,59% em apartamentos, nas 37 cidades pesquisadas e receberam o número de chaves de volta equivalente a 88,62% do total de novas locações de Maio.

A maioria das novas locações teve o fiador como garantidor do pagamento em caso de inadimplência (58,18%), seguido pelo depósito de três meses do aluguel (19,33%), pelo seguro de fiança (12,78%), e pela caução de imóveis (6,88%). Houve ainda contratos formalizados sem garantia (1,81% do total) e com cessão fiduciária (1,02%).

O mercado de locação residencial registrou resultados negativos em três das quatro regiões em que é feita a pesquisa do CRECISP. A queda em Maio foi de 7,77% na Capital; de 3,79% no Interior; e de 5,48% nas cidades da região do A, B, C, D mais Guarulhos e Osasco. No Litoral, o número de novas locações foi 13,25% superior ao de Abril. Como vem acontecendo seguidamente, o imóvel com aluguel de até R$ 1.000,00 também foi o preferido dos inquilinos – as casas e apartamentos dessa faixa de valor representaram 55,76% do total de novas locações contratadas nas 1.170 imobiliárias pesquisadas.

Descontos de até 11,32% – Segundo a pesquisa CRECISP, os proprietários concederam descontos sobre os aluguéis inicialmente pedidos de 11,32% em bairros de regiões centrais; de 8,65% em bairros de periferia; e de 10,86% em bairros de áreas nobres.

O número de inquilinos com o pagamento do aluguel atrasado em Maio foi de 3,5% do total de contratos em vigor nas 1.170 imobiliárias pesquisadas pelo CRECISP, percentual 16,9% menor que os 4,22% de inadimplentes de abril.

Com relação ao Índice Crecisp de preços dos imóveis usados vendidos e alugados, em Maio o percentual caiu 2,83% na comparação com Abril. Foi a segunda queda seguida do índice estadual de preços de imóveis usados residenciais do Creci de São Paulo. Em Abril, a queda foi de 0,51%. Em cinco meses, de Janeiro a Maio, o índice está positivo em 1,05%, mas muito abaixo da inflação de 5,34% acumulada pelo IPCA.

A pesquisa CRECISP foi realizada em 37 cidades do Estado de São Paulo. São elas: Americana, Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Diadema, Guarulhos, Franca, Itu, Jundiaí, Marília, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Taubaté, Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião, Bertioga, São Vicente, Peruíbe, Praia Grande, Ubatuba, Guarujá, Mongaguá e Itanhaém.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.