terça, 23 de julho de 2024

Cadastro Positivo auxiliou 41% dos consumidores a melhorarem nota de crédito nos últimos dois anos

Publicado em 22 jan 2022 - 10:42:15

           

ACE Ourinhos, Boa Vista SCPC apontam que, de acordo com a Boa Vista, as soluções baseadas no banco de dados ajudaram a reduzir, em média, 10,4% nas taxas cobradas no crédito pessoal não consignado para novos tomadores de crédito

 

Assessoria de Comunicação

 

O novo produto que está sendo ofertado pela Associação Comercial e Empresarial de Ourinhos, o Cadastro Positivo, já está provando seu valor após dois anos de utilização por pessoas físicas e jurídicas.

De acordo com pesquisa realizada pela empresa de inteligência analítica Boa Vista, 80% dos consumidores já tiveram problemas ao tentar solicitar crédito, e que nesses últimos dois anos com o Cadastro Positivo (banco de dados com informações de pagamento), auxiliou 41% dos entrevistados a melhorarem sua nota de crédito (score) e reduziu, em média, 10,4% as taxas cobradas no crédito pessoal não consignado para novos tomadores de crédito. Outros 33% dos entrevistados contaram que o Cadastro Positivo ajudou a nota de crédito a ficar na mesma faixa de classificação e 26% alegam que tiveram queda no score.

“A pesquisa mostra que o cadastro positivo está auxiliando as pessoas a voltarem a ter crédito, voltando assim a consumir mais. A economia é uma roda e precisa de todos os lados em equilíbrio para girar, então se a pessoa está tendo um bom histórico de crédito ela precisa voltar a consumir. É exatamente isso que o cadastro positivo está proporcionando para as pessoas e empresas”, destacou o presidente da ACE Ourinhos, Robson Martuchi.

 

Segundo a pesquisa, as principais causas apontadas pelos entrevistados como um dos problemas ao tentar solicitar crédito no mercado são: ter restrições no nome, mencionada por 51% dos respondentes, e possuir score de crédito baixo (31%). Em seguida, não ter como comprovar renda (12%), não ter carteira assinada (4%) e não ter conta em banco (2%). Esses fatores podem dificultar a tomada de crédito por parte do consumidor, já que as empresas levam em conta informações sobre comportamento de pagamentos dos clientes, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas, para realizar a análise e se decidir pela concessão.

A pesquisa também verificou o entendimento sobre o Cadastro Positivo. Em 2021, a Boa Vista constatou que aproximadamente dois terços dos consumidores afirmam saber do que se trata o Cadastro Positivo. O conhecimento espontâneo da iniciativa cresceu nos últimos três anos, com 78% dos consumidores que afirmaram ter ciência deste banco de dados, frente aos 61% registrados em 2018. Mas, entre as pessoas que dizem não conhecer o Cadastro Positivo, a maioria também não sabe como e onde consultar suas informações.

Cerca de 40% dos consumidores entendem que o Cadastro Positivo deve fazer com que sejam reconhecidos pelas contas pagas e não somente por dívidas. O estudo também aponta que seis em cada dez, ou 60% dos consumidores que conhecem o próprio score, atribuem grande importância da nota na vida financeira.

“Entendemos que o fornecimento de informações mais precisas para concessão de crédito pode proporcionar impactos positivos para a economia do país, através, por exemplo, de uma possível diminuição da taxa de juros médio e da inclusão de consumidores no mercado de crédito”, explica Flávio Calife, economista da Boa Vista.

 

CONSUMIDOR POSITIVO –  Saber se as informações de pagamento já fazem parte do Cadastro Positivo, ter acesso ao score de crédito e aos débitos registrados no CPF é um direito do consumidor. Na Boa Vista é possível consultá-las de forma simples, rápida e segura, gratuitamente, no site www.consumidorpositivo.com.br.

Recentemente a empresa adquiriu a Acordo Certo – www.acordocerto.com.br. Plataforma digital na qual é possível buscar renegociações de débitos, de graça, junto a empresas credoras.

 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.