quinta, 01 de outubro de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Servidores continuam sem atendimento pelo IAMSPE na Santa Casa

Diante do impasse entre hospital e convênio, os servidores ourinhenses decidiram se mobilizar e procurar pelos deputados Ênio Tatto e Mauro Bragato

 

Letícia Azevedo

Os servidores públicos estaduais continuam enfrentando o problema do não atendimento através do convênio IAMSPE na Santa Casa de Misericórdia de Ourinhos. Desde o término do contrato, que se deu no dia 8 de agosto, o funcionalismo ourinhense vem buscando atendimento de urgência e emergência em cidades da região.

Segundo o IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual) a Santa Casa não manifestou interesse em manter os atendimentos, alegando não estar satisfeita com os valores repassados pelos procedimentos à Instituição.

Diante do impasse entre hospital e convênio, os servidores ourinhenses decidiram se mobilizar e procurar pelos deputados Ênio Tatto e Mauro Bragato, a fim de apoio nas tratativas para um possível retorno do convênio.

 

Reunião contou com a participação do deputado estadual Mauro Bragato

 

Segundo o vice-presidente da Associação dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo – AOJESP, e membro da Comissão Municipal do IAMSPE, Denizal Vieira, alguns servidores participaram de uma reunião que contou com a participação do deputado Mauro Bragato reivindicando a resolução da situação.

“O que nós estamos reivindicando é nada mais do que nós temos por direito. A porcentagem repassada ao plano de saúde, que já vem descontado em folha, tanto para nós quanto para os agregados não falha. Temos o direito de ser atendidos na nossa cidade, e não ter que nos deslocar a cidades vizinhas”.

 

Denizal Vieira – “O que nós estamos reivindicando é nada mais do que nós temos por direito”

 

De acordo com o vice-presidente da AOJESP, foram discutidas medidas a serem publicadas no edital de chamamento de clínicas particulares que ofereçam atendimento aos usuários do convênio. “É importante que neste momento haja o credenciamento dessas clínicas diretamente com o IAMSPE, para que não fiquemos mais “a Deus dará” do que já estamos. Temos servidores que estão em tratamento pelo ICO, que apesar de alheio a Santa Casa, tem contrato vinculado ao hospital, que deixaram de ser atendidas por conta da cessação do contrato. Pessoas que tiveram que abandonar tratamentos de suma importância para sua qualidade de vida por conta desse impasse” – relatou.

Denizal lamentou inclusive, a demora nas tratativas e que, infelizmente ainda não há uma previsão de retorno dos atendimentos e nem uma resposta palpável para repassar aos servidores. “Infelizmente temos consciência que o processo de edital e chamamento de clínicas e médicos é muito lento. Ficamos a mercê do Estado que parece ter esquecido a importância do funcionalismo” – lamentou.

POSSÍVEL SUBVENÇÃO

Foi discutido também a possibilidade de apresentar à Superintendência do IAMSPE uma proposta para subsidiar através de subvenção o pagamento da prestação de serviços da Santa Casa. Essa medida seria apenas provisória, pois o intuito é de que a Santa Casa de Misericórdia de Ourinhos retome os atendimentos de forma gradual.

Segundo informações da Assessoria do Deputado Ênio Tatoo, a Santa Casa já recebeu a proposta e enviou o ofício à Secretaria de Desenvolvimento Regional.

Segundo Denizal nenhuma resposta foi dada até o momento “A proposta encaminhada foi de que a subvenção no valor de 1 milhão de reais seria repassada ao hospital para que ele voltasse a atender os usuários até o fim deste ano. Isso daria um respiro aos servidores, até que uma solução definitiva fosse encontrada”.

SANTA CASA

O Jornal Negocião procurou novamente pela Assessoria de Comunicação da Santa Casa de Misericórdia de Ourinhos que preferiu não se manifestar sobre a possibilidade de acordo através da subvenção.

Segundo a Assessoria, a posição do Hospital ainda é apenas divulgada através de nota, no dia 18 de agosto, cuja divulga que o IAMSPE teria causado um prejuízo a Instituição de cerca de 860 mil reais, por conta da defasagem em sua tabela de valores de procedimentos repassados à Santa Casa.

De acordo ainda com a nota emitida pela Santa Casa, o Hospital teria por diversas vezes tentado uma negociação antes da cessação do contrato, porém, sem nenhuma resposta por parte do convênio, o que motivou a finalização do mesmo.

IAMSPE

O IAMSPE também se manifestou através de nota, relatando que não possui nenhum débito com a Santa Casa de Ourinhos e que os pagamentos dos procedimentos foram realizados de acordo com a tabela de valores padronizada firmada em contrato.

O convênio frisou ainda que a tabela de valores é padronizada e atende uma rede credenciada de cerca de 970 unidades entre Hospitais, Clínicas e Laboratórios em todo o Estado.

POSSÍVEL EXTINÇÃO DO CONVÊNIO

De autoria do governador João Dória, o projeto de Lei 529/2020, propõe a extinção de diversas empresas, autarquias e fundações no próximo ano, inclusive do IAMSPE, que poderá ser entregue a iniciativa privada.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.