domingo, 17 de janeiro de 2021

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Corte de recursos feito pelo Estado deixa a Santa Casa em situação dramática e prejudica população

Maior hospital da região poderá diminuir o atendimento por falta de dinheiro. Pacientes de UTI poderão não ter vaga

 

Da redação

 

Uma decisão do Governo do Estado de São Paulo publicada em Diário Oficial desta semana causou enorme indignação. Foi determinado o corte financeiro de 12% no recurso dos programas Pró Santa Casa e Sustentáveis, o que afeta diretamente o atendimento da população através do SUS.

O Governo do Estado deixará de repassar R$1.125.367,20 para a Santa Casa de Ourinhos neste ano. Esse valor impacta negativamente o equilíbrio operacional e a gestão do hospital, que já vem há anos trabalhando “no vermelho” devido à defasagem dos valores pagos na tabela SUS e também a prestação de serviços acima do que é contratado, já que a Santa Casa atende uma média de 120 internações a mais todos os meses, além do que é pago pelo SUS.

Para se ter ideia do tamanho do prejuízo, o valor do corte corresponde a seis meses de compra de medicamentos para todo o atendimento da Santa Casa. “Ficamos perplexos com essa atitude do Governo do Estado. Estamos em um momento complicadíssimo no atendimento à saúde, no meio de uma pandemia, o hospital está lotado há meses, UTIs trabalhando 100% na maioria dos dias e agora esse corte de recursos. Realmente, se essa medida continuar, vamos ter que diminuir os atendimentos tanto de internações nas alas, como na UTI. A conta não fecha”, ressaltou o administrador Fernando Abreu.

A Santa Casa de Ourinhos é o maior hospital da região. Atende Ourinhos e mais 12 municípios e, dependendo da especialidade, esse número sobe para mais de 60 cidades, o que corresponde a 1 milhão de habitantes.

 

Fernando Abreu é administrador da Santa Casa de Ourinhos

 

Por ser um hospital de alta e média complexidade, a Santa Casa de Ourinhos integra o Pró Santa Casa e o Sustentáveis, que são dois programas de auxílio criados, justamente, para compensar o desequilíbrio financeiro pela baixa remuneração dos procedimentos SUS.

Infelizmente, essa atitude do Governo do Estado vem sendo sistematicamente aplicada desde 2015. Ano a ano, recursos estão sendo cortados da Santa Casa de Ourinhos, já ultrapassando mais de R$ 6 milhões.

“Repudiamos totalmente esse corte. A Santa Casa trabalha todos os dias com um único intuito que é salvar vidas. De forma alguma queremos que aconteça algum tipo de prejuízo para a população e, por isso, precisamos da união de toda a sociedade para que essa medida não seja efetivada. É extremamente preocupante pensar que, por exemplo, teremos que fazer 20 internações a menos nas UTIs por falta desse recurso”, finalizou Abreu.

 

Corte atinge 180 hospitais de todo o Estado

180 Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo entraram na lista desse corte de recursos realizado pelo governo.

São 80 milhões a menos, que deixarão de ser repassados por meio dos programas Pró-Santa Casa e Sustentável.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.