sbado, 11 de julho de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Fisioterapia UNIFIO e UENP promovem evento sobre a Covid-19

Além de levar informações específicas sobre a doença, o debate mostrou também a importância do profissional da Fisioterapia no tratamento

 

Rose Pimentel Mader

 

Os cursos de Fisioterapia UNIFIO e da UENP, com organização do professor doutor Julio Agante Fernandes, coordenador do curso na UNIFIO, realizaram no dia 19 de junho, uma Live abordando o tema “A Fisioterapia na linha de frente no tratamento dos pacientes com Covid-19”. Para o debate, além do professor Julio, foram convidados a fisioterapeuta Drª Andreia Vieira Ortega, especialista em reabilitação cardiorrespiratória, terapia intensiva e ventilação mecânica, e que atua no ICO da Santa Casa de Misericórdia de Ourinhos e UTI do Hospital da Unimed, e o Dr. Wellington Contiero, também especialista em reabilitação cardiorrespiratória, terapia intensiva e ventilação mecânica, e que é Professor da UENP.

“O foco do debate foi levar aos discentes das duas instituições, bem como, para a população em geral, informações específicas sobre as formas de contágio da doença, as medidas profiláticas necessárias, e esclarecer a todos a importância do profissional da Fisioterapia no tratamento dos pacientes acometidos pela Covid-19”, afirmou o coordenador do curso Júlio Fernandes.

Neste contexto, a Live que encontra-se gravada e disponibilizada no canal da UNIFIOPLAY, e que teve até o momento aproximadamente 1000 visualizações, apresentou, no início, as formas adequadas de utilização dos EPIs, principalmente os procedimentos para a utilização da máscara como medida preventiva, a importância do isolamento social neste momento, a necessidade de distanciamento entre as pessoas e a importância de se evitar as aglomerações, como formas necessárias de evitar o contágio.

 

Professor doutor Júlio Agante Fernandes, coordenador do Curso de Fisioterapia UNIFIO

 

Em seguida, foram esclarecidos todos os eventos fisiopatológicos que se seguem após o contágio, no desenvolvimento da doença, para o entendimento do quadro clínico apresentado, principalmente nos pacientes cujos sinais e sintomas da doença se tornam latentes, levando aos estágios críticos da síndrome com necessidade do suporte da ventilação mecânica.

Após o entendimento do quadro clínico gerado pela fisiopatologia da doença, os debatedores pontuaram as formas de atuação da Fisioterapia no atendimento destes pacientes, bem como, a extrema importância desta atuação para o sucesso do tratamento.

Neste contexto, ficou claro o papel e a necessidade da atuação da Fisioterapia desde o início da internação, quando os sintomas ainda não são tão latentes ou limitantes, momento em que o fisioterapeuta atua com o objetivo de manter a musculatura respiratória efetiva, as vias aéreas desobstruídas e os alvéolos recrutados para que a evolução do quadro não leve este paciente a necessitar de uma intubação orotraqueal  e o suporte da ventilação mecânica.

O professor Júlio Fernandes ressaltou que “como a evolução da sintomatologia acomete um percentual dos pacientes contagiados, os debatedores apresentaram os protocolos fisioterápicos e medicamentosos que estão sendo utilizados, enfatizando os procedimentos fisioterápicos para o atendimento dos pacientes assistidos pela ventilação mecânica, assim como, os parâmetros de ventilação utilizados para a evolução positiva do quadro. O que ficou patente, é que a Fisioterapia tem contribuição efetiva e primordial no tratamento dos pacientes com Covid-19, a ponto da pandemia acelerar a tramitação de uma Medida Provisória no Senado Federal, tornando obrigatória a presença de profissionais da Fisioterapia em Unidades de Terapias Intensivas durante as 24 horas do plantão”.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.