domingo, 24 de maio de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Lideranças políticas se unem para disputar as eleições municipais

Sob a iniciativa do deputado federal Capitão Augusto (PR-SP), lideranças de nove partidos políticos se reuniram e assinaram manifesto pelo desenvolvimento e combate à corrupção em Ourinhos

 

Da redação

 

Após reuniões realizadas nos dias 9 e 15, presidentes de 9 (nove) Partidos Políticos, lideranças políticas do município e o Deputado Federal Capitão Augusto uniram-se em uma grande aliança para que Ourinhos retome o caminho do desenvolvimento administrativo, econômico, da saúde para todos, do emprego e da renda, da educação e cultura, da sustentabilidade nos serviços de água e esgoto e em especial da transparência  e do combate à corrupção.

As reuniões contaram com a presença do Deputado Federal Capitão Augusto e dos vereadores Cícero Investigador, Flávio Ambrozim, Edvaldo Lúcio Abel (Vadinho), bem como dos seguintes presidentes dos respectivos partidos:

Mário Mercante de Souza (Republicanos)

André Mello (PTB – Partido Trabalhista Brasileiro)

Gregório Coiradas Neto (PSL – Partido Social Liberal)

Gérson Gonçalves da Silva- Gel (Podemos)

Diógenes Corrêa Leite (PL – Partido Liberal)

José Roberto da Silva (PRTB – Partido Renovador Trabalhista Brasileiro)

Vadinho (PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira)

Robson Sanches (Patriota)

Valmir Antunes Alves (Solidariedade)

O Deputado Federal Capitão Augusto, os presidentes dos partidos e as lideranças políticas presentes firmaram o compromisso indissolúvel de união para a formação de uma grande Coligação para a disputa das eleições de outubro próximo para Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores e Vereadoras.

A proposta do grupo, que leva o nome de “Manifesto pelo Desenvolvimento e Combate à Corrupção em Ourinhos”, objetiva a retomada do crescimento de Ourinhos e o enfrentamento da grave crise administrativa que afeta o município em inúmeras áreas, em especial para solução dos graves problemas que seguem:

SAÚDE: Ourinhos enfrenta uma crise sem precedentes em sua história, com o desmonte de toda a estrutura SUS construída ao longo dos anos, o que submete a população mais carente a um sistema de saúde de péssima qualidade, com longas filas de espera por atendimento de qualidade, consultas, exames cirurgias ortopédicas, cirurgias eletivas – que chegou à impressionante marca de 5.000 (CINCO MIL) pacientes na fila de espera – e a grave falta de medicamentos. Ainda, foram cortados os leitos de urgência e emergência da Santa Casa, o que faz com que pacientes aguardem dias na UPA por uma vaga, sendo que muitos faleceram nessa espera, e em plena crise do novo coronavírus a Prefeitura simplesmente “não conseguiu” credenciar junto ao SUS mais 10 leitos de UTI que estão prontos para uso da população que não tem plano de saúde particular;

FALTA D’ÁGUA: o sucateamento irresponsável ou até intencional da Superintendência de Água e Esgoto (SAE), já que é clara a intenção de privatizá-la, acarretou a maior crise de abastecimento de água da história de nossa cidade, ainda em curso e sem expectativa de solução, o que faz com que principalmente a população menos favorecida sofra com a falta desse serviço público tão essencial. Ainda, para preparar a futura privatização aumentou 40% a taxa de esgoto a 30% a tarifa de água.

EMPREGO: a falta de políticas públicas de incentivo à geração de empregos nos últimos anos fez crescer vertiginosamente o número de desempregados em Ourinhos, o que está se agravando dia-a-dia em decorrência do injustificado Decreto Municipal de Calamidade Pública e a falta de diálogo da Administração Municipal com os comerciantes e empresários ourinhenses. Segundo dados da Associação Comercial e do Sindicato dos Comerciários, desde o início das equivocadas medidas adotadas pela Administração Municipal, nos últimos dois meses foram cortados cerca de 5.000 (CINCO MIL) postos de trabalho em Ourinhos, o que agravou ainda mais o quadro da acentuada taxa de desemprego que a cidade já suportava;

CARGOS EM COMISSÃO: são 605 (SEISCENTOS E CINCO) cargos em comissão e funções de confiança da Prefeitura, SAE, IPMO e Centro Esportivo, que custarão até dezembro de 2.020 mais de 70 (SETENTA) MILHÕES DE REAIS aos cofres públicos. Ainda, nomeou diversos Secretários residentes fora de Ourinhos, que não conhecem a realidade do Município e até mesmo com problemas com a Justiça.

LIMPEZA PÚBLICA: falta de limpeza pública com mato e sujeira nos bairros mais afastados das áreas nobres privilegiadas pela atual Administração. Acabou com a varrição das ruas e dispensou os garis. Não se pode privilegiar certas áreas da cidade em detrimento de outras, em especial quando se trata da população mais carente. Não há justificativa para tal descaso ante os quase 12 MILHÕES gastos nos últimos com a empresa “Caçambas Brasil” para o corte de grama do centro e áreas nobres da cidade;

ILUMINAÇÃO PÚBLICA: a atual Administração Municipal, sob o pretexto de trocar a iluminação pública da cidade, aumentou a Taxa de Iluminação (CIP) em 150% e arrecadou desde então cerca de 21 MILHÕES de reais sem o devido investimento na área. Ao contrário, além de não prestar contas para justificar onde foram parar os valores arrecadados, fez aprovar na Câmara Municipal um empréstimo de quase 20 milhões sob o pretexto de aprimorar a iluminação pública.

EDUCAÇÃO: desmonte das políticas públicas educacionais e não atendimento das diretrizes nacionais de Educação, o que fez a qualidade do ensino despencar com o inevitável recuo do IDEB. Mudança na forma de escolha de diretores de escolas, deixando de ser por votação dos professores e passando a ser por decisão unilateral e exclusiva do prefeito, quebrando o clima de harmonia e de vivência democrática dentro do ambiente educacional.

CULTURA: motivo de grande orgulho, nacional e internacional, a cultura foi desmontada na atual Administração Municipal e palco de um grande escândalo de corrupção que envolveu uma cooperativa criada pelo Prefeito, Secretário e Assessores. Praticamente acabaram com o padrão de excelência das escolas de Bailado, de Música e do Curso Municipal de Teatro, eliminaram o projeto Vila de Cultura que atendia quase 400 adolescentes em polos localizados nos 4 extremos da cidade, e reduziram ou aboliram outros projetos e eventos que sempre engrandeceram a cultura ourinhense, como os 5 festivais artísticos anuais (Cinema, Teatro, Música, Literatura e Dança) e a Cantata da Natal, Casa do Papai Noel, entre outros;

ASFALTO: sob o pretexto de melhorar a malha asfáltica, a Administração Municipal em executando obras com material e serviços de péssima qualidade, a preços vultuosos, cujos valores apontam sobrepreço, o que é objeto de investigação pelo Ministério Público Estadual. Bairros periféricos também sofrem com o descaso e a preferência dada aos bairros mais nobres.

IMPOSTOS: a atual Administração Municipal, para manter a máquina política de 605 (SEISCENTOS E CINCO) cargos em comissão e funções de confiança, aumentou o IPTU (EM MÉDIA 100%) e o ISS em mais de 150%,  Taxa de Lixo e Taxa de Fiscalização e Publicidade (300%) o que muito prejudicou a população e os comerciantes e empresários, sendo um dos resultados o arroxo da renda dos trabalhadores com o consequente desemprego;

SERVIDORES PÚBLICOS: a atual Administração Municipal, ao priorizar e utilizar milhões para manter a máquina política com os aproximados 600 cargos em comissão, desprezou os servidores públicos concursados, cujos reajustes ficaram abaixo da inflação nos últimos anos.

OBRAS PÚBLICAS: a atual Administração Municipal, mesmo sendo a que mais arrecadou em toda a história de Ourinhos, completará 4 anos sem nenhuma obra pública relevante para a cidade. Não construiu nenhuma escola, creche, unidade de saúde (apenas inaugurou a unidade do jardim Matilde, cujos recursos e obras foram conseguidos na administração anterior), CRAS, viadutos, passarelas, ou seja, nada. Fez evaporar os milhões arrecadados.

ENFRENTAMENTO À PANDEMIA COVID-19: falta de experiência e capacidade de gestão da atual Administração Municipal durante a pandemia de coronavírus tem punido severamente a população ourinhense. Valores absurdos gastos com compras de materiais sem licitação, locação desnecessária de um hotel, não disponibilidade de merenda para os alunos de famílias carentes (cerca de 1.600 alunos ficaram sem ter o que comer) a exemplo de outras cidades, falta de diálogo e entendimento com o setor empresarial, falta de distribuição regular de cestas básicas para quem está passando fome. Parece que a Prefeitura é um navio sem rumo, virou terra de ninguém sob os cuidados de incompetentes, o que revela a falta de experiência e capacidade do Prefeito, que nunca teve uma profissão, prejudica em demasia nossa população.

HABITAÇÃO: simplesmente a atual Administração Municipal não desenvolveu nenhuma política ou novos projetos habitacionais em Ourinhos.

FUNDO SOCIAL INOPERANTE: vale ressaltar a inoperância do Fundo Social de Solidariedade, cujo histórico de auxílio aos mais necessitados foi uma constante nas últimas décadas em Ourinhos. Sequer a confecção de máscaras, algo simples, para distribuição para a população carente tiveram a preocupação de fazer. Fica a pergunta: onde foram aplicados os recursos obtidos com as campanhas do Fundo Social de Solidariedade de Ourinhos desde 2017?

A luta contra essas graves falhas, entre outras, constituem o compromisso maior do grupo e do Deputado Federal Capitão Augusto, cujas propostas para uma Administração transparente e honesta são as seguintes:

– A Saúde deverá ser priorizada, com a construção de mais uma unidade de Pronto Atendimento e contratação de mais leitos SUS na Santa Casa, com a aplicação racional dos recursos para acabar com as filas de exames, cirurgias e a falta de medicamentos;

– A redução drástica dos cerca dos 605 cargos em comissão e funções de confiança atualmente existentes na Prefeitura, SAE, IPMO e Centro Esportivo;

– Investir na SAE e impedir sua privatização para que se acabe com a falta de água em Ourinhos, uma vez que, segundo relatório do Ministério Público Estadual, a falta de água decorre de má gestão e manutenção da rede. Ainda, retomar projetos próprios, já aprovados e descartados pela atual Administração, para o tratamento de esgoto;

– Acabar com a terceirização superfaturada da limpeza que somente atende bairros nobres e promover a divisão de tarefas em equipes de forma a manter toda a cidade limpa e com o mato cortado;

– Priorizar o desenvolvimento de políticas públicas de geração de emprego, criando medidas de incentivos fiscais legalmente, bem como mantendo um fórum permanente de diálogo com comerciantes, empresários, SEBRAE, Sindicatos de Empregados e Associações Comercial e de Indústrias;

– Que as nomeações de Secretários Municipais, Coordenadores e Diretores sejam por critérios técnicos e que prestigie pessoas que residam em Ourinhos;

– Valorizar e manter a contínua capacitação dos servidores públicos;

– Retomar as diretrizes nacionais de educação para voltarmos a ter qualidade em nosso ensino, sem apadrinhamentos e clientelismo;

– Reconstruir a Cultura em Ourinhos, revitalizando espaços, programas e projetos, apoiando o artista local e a formação artística;

– Manter estreita relação e sintonia com o Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal, bem como com o Observatório Social para aprimorar, moralizar e dar transparência às ações e gastos da Administração Municipal;

– Reduzir drasticamente os gastos com publicidade (atualmente cerca de 2 milhões ao ano), de forma a prestigiar a publicidade nas redes sociais e mídias eletrônicas a cargo dos próprios funcionários da Prefeitura;

– Reorganizar o trânsito de Ourinhos mediante a abertura de novos viadutos, acessos e passagens de nível para transpor a linha férrea, bem como aprimorar a disponibilidade de vagas de estacionamento para prestigiar os consumidores de nosso comércio, em especial na região central e na Rua do Expedicionário cujas alterações da atual Administração prejudicaram muito o comércio e empresas da região;

– Valorizar a Guarda Mirim de Ourinhos e em conjunto com a AMO/SIM, desenvolver novos projetos para qualificação dos menores e retomada do número de quase mil aprendizes/estagiários, que poderão ter renda para auxiliar suas famílias e acesso ao futuro mercado de trabalho.

Por derradeiro, firmaram o compromisso de ferrenho combate à corrupção instalada na Prefeitura, o que já é objeto de investigação em dezenas de Inquéritos Civis instaurados pelo Ministério Público Estadual, bem como diversas Ações Civis Públicas por Improbidade Administrativa que estão em trâmite na Justiça, algumas delas que já resultaram em condenações e indisponibilidade de bens de agentes públicos.

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.