quinta, 01 de outubro de 2020

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Número de animais abandonados cresce durante pandemia

Apesar dos fiscais estarem 100% focados nas ações contra o Covid-19, as denúncias de maus tratos e abandono continuam sendo recebidas e averiguadas

 

Letícia Azevedo

 

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que há cerca de 30 milhões de animais abandonados nas ruas do Brasil. Na atual situação de pandemia do novo coronavírus, o cenário tem colaborado para agravar ainda mais essa estatística. Fatores como desemprego, redução na renda e até medo de contrair o vírus dos bichos, devido à disseminação de informações falsas, vem contribuindo para acentuar essa realidade.

Infelizmente em Ourinhos os números não são diferentes. De acordo com dados da Secretaria do Meio Ambiente, o número de denúncias é crescente. Apesar de o abandono de animais ser crime previsto em lei, com pena que varia de três meses a um ano de detenção, o número de animais abandonados só aumenta.

 

 

ABRIGOS

Segundo a protetora Nilce Araújo Garcia, a falta de consciência das famílias que possuem animais domésticos está cada vez maior “Não podemos chamar nem só de falta de consciência. É falta de amor. Amor aos bichinhos, amor ao próximo. As pessoas facilmente abandonam seus pets por vários motivos. Uns enjoam do animal, outros simplesmente param de gostar e soltam na rua, outros não tem mais condições de alimentar e abandonam. Todos se esquecem que os animais são como seres humanos. Eles não merecem ser descartados como uma roupa que não serve mais, ou um sapato que estragou” – lamentou.

 

São mais de 600 animais que vivem hoje na ADAO

Nilce acredita que o número de animais cresce junto com o da população humana, assim como os problemas relativos a esse aumento, por isso é necessária uma política de impacto para atender essa demanda que é enorme e não vai diminuir. “Eu estive por um ano a frente do Serviço de Proteção Animal da cidade, criado apenas por essa gestão, e é necessário de maneira urgente conscientizar a população e trabalhar a cada dia no programa de castração. Tentar controlar a natalidade é fundamental para que qualquer outra ação tenha sucesso”.

 

Enquanto não existir uma política de impacto para atender essa demanda que é enorme, o problema não vai diminuir”

 

Administradora da “Turma do Cafofo” (abrigo de animais), Nilce relatou que abriga hoje 98 animais, que a ADAO (Associação Defensora de Animais de Ourinhos), abriga mais de 600 e, sem a colaboração de doações de ração, vacinas e castração, fica muito difícil manter os acolhidos. “Hoje as pessoas acham que nós protetoras temos a obrigação de ficar com os animais que as famílias simplesmente descartam por qualquer motivo. Nós vivemos em grande dificuldade, principalmente financeira. Os abrigos estão lotados. Sabemos que a pandemia dificultou todo o progresso dos projetos, mas é necessário, de maneira emergencial, que seja construído um hospital público veterinário que atenda animais de pessoas de baixa renda e aqueles vítimas de maus tratos e abandono. Também é extremamente necessário, que haja um novo local para abrigar esses animais, haja vista que não há mais espaço para os pets” – finalizou Nilce.

Nilce Araújo Garcia é protetora de animais em Ourinhos

 

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

Segundo o Secretário Municipal do Meio Ambiente, Maurício Amorosini, Ourinhos não contava com políticas públicas que envolviam a causa animal e que desde que a gestão assumiu, a Secretaria vem trabalhando com prioridades. “Tudo o que envolve o meio ambiental, não é resolvido de um dia pro outro, mas demos um grande salto. Hoje contamos com um veículo próprio pra realizar as fiscalizações, já realizamos mais de 800 castrações até o momento, e pensamos em aumentar esse número, destinar um local para que os animais abandonados tenham melhor qualidade de vida e principalmente dar um maior auxílio às protetoras. Infelizmente devido a pandemia tudo foi paralisado”.

 

Secretário Municipal do Meio Ambiente, Maurício Amorosini

 

Apesar dos fiscais estarem 100% focados nas ações contra o Covid-19, as denúncias de maus tratos e abandono continuam sendo recebidas pela secretaria e estão sendo averiguadas conforme a gravidade da situação que envolve os animais. “Nas denúncias mais graves nós continuamos autuando, estando sempre presentes e buscando entender a real situação de cada animal” – finalizou o secretário.

EXEMPLO

Ourinhos possui várias iniciativas privadas que demonstram o amor aos animais. Pelo comércio do centro da cidade e também nos bairros, é possível encontrar pessoas que se preocupam em deixar água limpa, fresca e comida em locais de fácil acesso aos pets, como na calçada de lojas e frente de residências. Um supermercado da cidade, implantou em seu estacionamento um condomínio que abriga alguns inquilinos muito especiais. No local, além das casinhas sempre equipadas com cobertor e limpas, existe sempre água e comida a disposição.

 

Local aberto no estacionamento do supermercado onde os animais que passarem por ali têm comida e abrigo

 

DENÚNCIAS

Existe um app para a realização das denúncias de maus tratos. De forma totalmente anônima, os munícipes podem utilizar o software que é gratuito e pode ser baixado por aparelhos com sistema android, disponível pelo Google Play e IOS, através de link (abaixo).

 

 

Link para baixar aplicativo (sistema Android): https://bit.ly/2OosoMv

Link para baixar aplicativo (sistema IOS e desktop): https://www.socialcreator.com/denunciaambiental/?integ_ch=1

 

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.