fbpx

sexta, 14 de maio de 2021

MAX. º MIM. º
TEMPO:

Festival de Marchinhas resgata gênero musical que deu vida aos primeiros carnavais

Os dias de enfrentamento da pandemia estão difíceis, mas o show é uma oportunidade de se alegrar e relembrar os bons tempos dos carnavais de antigamente

 

Da redação

 

O canal do Jornal Biz no Youtube apresenta nos próximos dias 15, 16 e 17, às 20 horas, o “Festival de Marchinhas”. Com iniciativa da Associação dos Amigos da Biblioteca Pública (Aabip), o projeto acontece graças ao edital de produção musical da Lei Aldir Blanc (Lei Federal 14.017/20), com apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo.

 

Com curadoria do violonista Glauber Seixas, o show terá as participações de Aquiles Moraes (trompete), Antonio Neves (trombone), Cibele Fleury (voz), Gabriel Loddo (cavaquinho), Marcus Thadeu (bateria) e Rui Alvim (clarinete), é indicado para o público de todas as idades, das crianças aos mais idosos.

 

Violonista Glauber Seixas

Muito antes de os sambas-enredo e os trios elétricos baianos se tornarem as estrelas do carnaval, eram as marchinhas que alegravam os foliões. Com uma origem que remete ao final do século XIX, o gênero foi criado a partir da cadência da marcha portuguesa. O ritmo foi incrementado com os instrumentos de sopro inspirados nas bandas de jazz americanas, como saxofone e trompete.

 

Aquiles Moraes (trompete)

A primeira música reconhecida como marcha de carnaval foi “Abre Alas”, composta pela pianista e regente Chiquinha Gonzaga, em 1889, para o cordão carnavalesco Rosa de Ouro. O auge desse gênero musical aconteceu anos depois, entre as décadas de 1920 e 1960, mas isso não quer dizer que as músicas foram esquecidas com o tempo. Os sucessos de um ano eram repetidos nos carnavais seguintes e até hoje embalam várias festas pelo país.

 

Antonio Neves (trombone)

As marchinhas já foram conhecidas como as caricaturas da sociedade brasileira: as letras são maliciosas e divertidas, têm um humor escrachado e retratam os costumes e a história do país no século passado.

 

Cibele Fleury (voz)

 

Os dias de enfrentamento da pandemia estão difíceis, mas o show é uma oportunidade de se alegrar e relembrar os bons tempos dos carnavais de anrigamente.

 

Gabriel Loddo – Cavaquinho

 

Marcus Tadeu – Bateria

 

Rui Alvim (clarinete)

 

Festival de Marchinhas
https://www.youtube.com/channel/UC4B_6B6nJcoyWpHvbaNWFnA
15, 16 e 17 de abril, às 20h

 

© 1990 - 2019 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.