segunda, 15 de abril de 2024

Polícia concluiu investigação sobre os trágica morte de Thiago Rocha

A mãe e o padrasto do bebê foram indiciados por homicídio culposo do menino de 2 anos

 

Da redação

Thiago desapareceu em 10 de junho após uma visita ao Parque Daisaku Ikeda, que estava desativado desde 2016. Sua mãe e padrasto foram indiciados por homicídio culposo, indicando que não havia intenção de causar a morte da criança.

De acordo com o delegado de homicídios, João Reis, o local do desaparecimento era extremamente perigoso e escuro para uma criança, e ambos os adultos estavam cientes disso. A mãe declarou negligenciar ao levar o filho a um local que conhecia, sabendo dos riscos, enquanto o padrasto agiu de forma imprudente ao também levar a namorada e seu filho para esse ambiente perigoso durante a noite.

O trágico incidente ocorreu quando o casal saiu do parque de estacionamento e, cerca de dois quilômetros depois, perceberam que Thiago não estava no veículo. Eles retornaram ao parque, mas não conseguiram localizar a criança. O corpo de Thiago foi encontrado seis dias depois, a 9 quilômetros do parque, no Ribeirão Três Bocas.

De acordo com as investigações, a área onde eles estavam, próximo ao rio, apresentou um desnível de aproximadamente 11 metros, o que levou a polícia a acreditar que a criança caiu. No entanto, o laudo não indicou marcas de violência ou fraturas no seu corpo, embora tenha sido inconclusivo quanto à causa do afogamento.

 

O corpo de Thiago foi encontrado seis dias depois, a 9 quilômetros do parque, no Ribeirão Três Bocas

 

O inquérito foi concluído e encaminhado à vara criminal para dar continuidade ao processo. No caso de denúncia pelo Ministério Público, ambos os adultos podem enfrentar uma pena de três anos de detenção, com a possibilidade de aumento de um terço devido à vítima de uma criança.

O delegado sugere que, no caso da mãe, ela possa receber o perdão judicial, se o juiz entender que o sofrimento causado pela perda de seu filho já constitui uma pena em si mesma.

(Com informações da Polícia Civil do Paraná)

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.