terça, 21 de maio de 2024

Medo de envelhecer pode evoluir para quadros de depressão

Pierre Cruz

 

Identificar as marcas da idade em si mesmo figura entre as principais preocupações da humanidade. Os pés de galinha no reflexo do espelho e a perda do volume facial aparente em fotografias indicam que o processo natural de envelhecimento está acontecendo, porém, carregam simbologias que assombram a mente da população. Embora o medo de envelhecer, conhecido como gerontofobia, não seja registrado na CID-10 (Classificação Internacional de Doenças), o quadro pode evoluir para crises de ansiedade, neurose e depressão.

De acordo com o coordenador do curso de Psicologia da Faculdade Anhanguera, professor Thiago dos Reis Hoffman, a gerontofobia é caracterizada pela aversão aos sinais do tempo no próprio corpo, como rugas de expressão e a diminuição da mobilidade, assim como por pessoas idosas. “Um conjunto de fatores irá definir se o indivíduo convive ou não com essa fobia e os impactos estão relacionados à aparência física, à possível debilidade da saúde e às dificuldades sociais”, afirma o acadêmico.

O medo excessivo e desproporcional da terceira idade pode começar até mesmo em adolescentes e jovens adultos. A preocupação está relacionada com a reflexão sobre a proximidade da morte e com a dificuldade em lidar com as mudanças do corpo. “O envelhecimento não pode ser atrelado exclusivamente ao adoecimento ou ao fim da vida. Essa é apenas mais uma fase da vida, que não é pior nem melhor do que as outras e carrega seus privilégios e benefícios”, considera o psicólogo.

Outros fatores que podem influenciar esse quadro são cobranças sociais que acontecem a adultos sem filhos ou pessoas que ainda não atingiram o sucesso profissional. Como explica o docente da Anhanguera, a corrida para alcançar o status imposto culturalmente pela sociedade pode desencadear traumas e doenças emocionais. O acompanhamento psicoterapêutico é recomendado em casos extremos relacionados a essa preocupação.

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL – Envelhecer é um processo inevitável e algumas práticas são necessárias para que o caminho dos 60 anos ou mais seja saudável. Segundo o professor Hoffmann, a prática de exercícios físicos irá diminuir os riscos de depressão, além de fortalecer os músculos e aumentar a flexibilidade dos movimentos. A prevenção e exames de rotina são importantes para evitar ou tratar de problemas típicos da terceira idade.

A convivência entre gerações diferentes pode promover o envelhecimento saudável e combater a gerontofobia, uma vez que há a compreensão das peculiaridades em ser idoso. “O ser humano precisa de vínculos sociais nos diferentes períodos da vida e a tendência é a de que pessoas mais velhas estreitem o seu campo de interesses, por cansaço ou falta de assuntos novos. É imprescindível manter o contato com amigos ou fazer novas amizades, participar de grupos, para aquecer as dinâmicas sociais”, finaliza.

 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.