quinta, 18 de abril de 2024

A força do empreendedorismo feminino no setor gastronômico

 

No papel de protagonistas muitas mulheres têm feito história na cena gastronômica nacional

 

Da redação
A gastronomia é um dos setores em que as mulheres mais empreendem e se destacam com louvor, presenteando os consumidores diariamente com o seus talentos e bom gosto.

No entanto, dados de mercado comprovam que ainda hoje as mulheres sofrem com a desigualdade no mercado de trabalho em relação aos homens. A presença feminina no mercado de trabalho ainda é 20% inferior à do público masculino. Por outro lado, alguns números são bem positivos neste cenário.

Dados da Grant Thornton International mostram que, no Brasil, 34% dos cargos de liderança em empresas de médio porte são exercidos por mulheres — ficando acima da média mundial, de 29%.

E quando o assunto é empreender, as informações ficam mais vibrantes. Um estudo realizado pelo Sebrae, revela que as mulheres lideram 10,1 milhões de empreendimentos no Brasil. Dentro dessa estatística, encontramos a Beatriz Nunes, nutricionista e sócia-fundadora de loja virtual especializada em comida saudável e 100% focada no delivery.

 

 

O INÍCIO – Em 2017, diante de uma situação de desemprego aliado à vontade de diminuir alguns centímetros no contorno corporal, Beatriz e o marido tomaram a decisão de empreender dentro do ramo que ambos conheciam muito bem: a gastronomia, e optaram por atuar com vendas online, de marmitas congeladas voltadas para a alimentação low carb.

“Sempre trabalhei no formato CLT e empreender foi algo inusitado na minha carreira. Como sou nutricionista e meu marido é chef de cozinha, somamos nossas habilidades e mergulhamos neste universo de negócios investindo, inicialmente, em um freezer e cozinhando em nossa casa”, relembra a empresária. “No começo, fazíamos o cardápio semanal, postávamos os pratos nas redes sociais e as vendas eram entregues por nós na residência ou no trabalho do nosso cliente. Mas, vender pelo whatsapp era algo insano”, completa.
 

EXPANSÃO – Com o crescimento das vendas em 2018, Beatriz Nunes percebeu que a expansão seria algo natural e primordial para a marca alcançar novos clientes. Foi neste momento que um aporte e reforço corporativo foi somado à sociedade: a chegada de Ana Maria Gomes, irmã da Beatriz Nunes, que hoje é diretora administrativa e de marketing da empresa.

“Em 2020, com a pandemia, as vendas aumentaram ainda mais e tivemos que investir em mais equipamentos, construir câmara de congelados, entre outros aspectos. Em 2022, com o retorno à rotina, percebemos uma queda nas vendas de comida low carb. Com isso, elaboramos um novo cardápio para atender a todos os públicos, incluindo arroz, feijão, feijoada, mandioquinha, batata – alimentos que não estavam antes no cardápio”, relata a nutricionista e empresária.

Neste período, a empresa contratou uma consultora de negócios que mostrou que para crescer da forma como desejavam, era necessário abrir três pontos de delivery. “Amadurecemos a ideia e passamos a atender nossos clientes por meio de unidades de loja para delivery. Abrimos uma unidade na Mooca e outra em Higienópolis. Nesta última loja, possuímos um espaço maior para estoque, o que nos possibilita vender todos os kits de marmitas congeladas e também aumentamos a diversidade do cardápio no local”, declara a nutricionista do restaurante delivery.

Com uma base de sete mil clientes cadastrados, o restaurante tem como público fiel mulheres na faixa de 30 a 60 anos e mais da metade são clientes recorrentes. “Atuar com vendas no sistema de lojas para delivery é muito mais benéfico e vantajoso, tanto para quem vende, pois é possível ganhar capilaridade e ter uma melhor logística de seus produtos, como também para quem compra, pois consegue receber seus pedidos de forma muito mais rápida”, conclui Beatriz, que teve um aumento de 18,5% nas vendas atuando neste formato de negócio.

LOJAS PARA DELIVERY – A infraestrutura dos centros de distribuição tradicionais – espaço físico onde as mercadorias que saem de uma empresa (independente do tipo de produto) ficam armazenadas até serem transportadas para os pontos de venda ou para o consumidor final – muitas vezes, pode fazer com que o processo de entrega ao consumidor demore muito mais. É por isso que as lojas para delivery têm se tornado uma tendência, principalmente no setor de gastronomia. Na prática é um modelo de loja associado à compra online, que tem como importantes características a praticidade e a rapidez na entrega das mercadorias. No período pandêmico, esse tipo de logística se tornou mais frequente, configurando-se como uma importante modalidade para muitos restaurantes.

“As pessoas querem tudo muito rápido. No caso da empresa, neste formato de entrega, o pedido do nosso cliente chega em 20 minutos. Comida saudável, saborosa e com apresentação impecável pelo delivery é outro diferencial para nossos clientes. Por isso, indicamos este formato de vendas e entrega para quem está iniciando ou para quem já é estabelecido no setor da gastronomia”, finaliza a empresária Beatriz Nunes.

A força desse hub logístico também está na localização estratégica dessas lojas, pois devem ter uma alta demanda de delivery identificada em um raio de aproximadamente 5km para que os produtos sejam entregues rapidamente.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.