terça, 18 de junho de 2024

Apesar dos furtos aumentarem, homicídios e estupros caíram, diz PM

Alexandre Q. Mansinho

Há algumas semanas o Novo Negocião encaminhou ao 31º Batalhão da Polícia Militar, na cidade de Ourinhos, um conjunto de perguntas. De modo geral os questionamentos giravam em torno do aumento de furtos registrados na cidade, levando-se em conta o período do 2º semestre de 2015 e o 1º semestre de 2016, conforme havia sido publicado no site da Secretaria de Segurança Pública.

O Batalhão, sob o comando da Ten. Cor. Cenise Araújo, respondeu às perguntas formuladas com atenção embora tenham relativizado alguns dados e, de certa forma, contrariando declarações de algumas vítimas e comerciantes do centro de Ourinhos que questionam a eficiência dos programas de policiamento ostensivo utilizados.

Sobre o aumento de furtos, a Polícia Militar respondeu: houve acréscimo de 23% nos furtos tomando por base o 1º semestre de 2015, entretanto no mesmo período houve a queda de 60% nos homicídios e 15% dos estupros (crimes contra a vida e a integridade física). Há uma preocupação e atenção constante com relação ao delito de furto, bem como os demais delitos patrimoniais, lembrando que o delito de furto é brandamente apenado, sendo os autores, quando presos em flagrante rapidamente colocados em liberdade, incluindo também nesse tipo de modalidade criminosa adolescentes que em muitas vezes, mesmo em estado de flagrância são liberados para os responsáveis.

Sobre a fórmula e a eficácia do policiamento ostensivo e preventivo, a corporação responde: Esclareço que: no Município de Ourinhos bem como na área deste Batalhão são empregados os programas de policiamento hoje em desenvolvimento na Polícia Militar do Estado de São Paulo tais como: Policiamento de Rádio Patrulhamento Padrão e atendimento 190, Rondas com apoio de Motocicletas e Força Tática; Que os programas de policiamento mencionados no item anterior são aplicados conforme estudos de análise criminal, realizados mensalmente nesta OPM, nos moldes do Programa de Policiamento Inteligente da Polícia Militar, determinando assim as ações e programas a serem empregados, destacando pontos de estacionamentos, patrulhamento com horários pré-programados e informações do serviço de inteligência da Polícia Militar quando necessário.

 

Por fim, em resposta ao questionamento do suposto abuso de autoridade sofrido por Wesley, testemunha do Caso Bryan, a PM responde: No tocante ao fato acontecido no evento Rock Rio Pardo, a Polícia Militar, através do 31º Batalhão de Polícia Militar do Interior, instaurou um Inquérito Policial Militar para a devida apuração e esclarecimento do ocorrido.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.