quarta, 22 de maio de 2024

Candidatos responderam perguntas dos jornalistas

No segundo bloco, os candidatos responderam perguntas formuladas pelos jornalistas. O primeiro tema sorteado foi Trânsito e Infraestrutura e a pergunta feita pelo jornalista Edson José, da Rádio Globo, ao candidato Robson Sanches. O candidato foi indagado sobre o tratamento de lixo em Ourinhos que não é reciclável, cujo aterro sanitário inclusive está interditado, também o seu planejamento para a iluminação pública e o trânsito, visto que hoje existem vários pontos críticos na cidade, com micro congestionamentos e falta de estacionamento no centro e dificuldades de acesso a bairros como Pacheco Chaves, Itamaraty, Vila Brasil, Jardim Anchieta e bairros próximos.

Robson Sanches afirmou que na área de infraestrutura Ourinhos tem um problema sério que nunca foi resolvido. Citou que a revista Exame destacou as 100 melhores cidades do Brasil em infraestrutura. Em primeiro lugar está Vinhedo que investe 7 milhões em infraestrutura para asfalto e Ourinhos gasta 48 milhões e nem aparece. O lixão está interditado e as pessoas estão sendo contaminadas com doenças. Sua proposta é criar uma Usina Verde onde o lixo será reciclado e implantar o biodigestor que produz o gás metano que pode ter utilização doméstica e economiza o gás de cozinha podendo gerar uma economia de 40 milhões no setor de obras. Quanto a mobilidade urbana, afirmou que o transporte público tem que ser gratuito e citou como exemplo a cidade de Agudos onde o transporte é gratuito e tem ar condicionado nos ônibus.

Na réplica, o jornalista Edson José afirmou que Agudos tem frota própria e a Prefeitura subsidia 100% do transporte público e a cidade tem menos habitantes, enquanto Ourinhos tem mais de 110 mil habitantes. Indagou de onde viriam esses recursos para subsidiar o transporte e qual a sua proposta para melhorar o trânsito. Na tréplica, Robson Sanches disse que a atual administração tem um gasto no gabinete de 5 milhões; na secretaria de desenvolvimento econômico 1 milhão, secretaria de administração 18 milhões e que sem mexer nas secretarias da cultura, educação e da saúde sobram mais 68 milhões. Isto significa que há recursos para investir no transporte afirmou. Quanto aos problemas de trânsito no centro da cidade, observou que na rua Expedicionários, atualmente com três faixas, os carros esbarram uns nos outros e que é preciso reduzir estas faixas.

O tema seguinte foi Saúde e Assistência Social e a pergunta foi formulada pelo jornalista José Luiz Martins, do Jornal Novo Negocião, para o candidato Lucas Pocay. José Luiz afirmou que a Saúde é um dos setores mais problemáticos da administração pública e alguns dos principais problemas são: falta de médicos, ambulâncias, dificuldades para conseguir consultas, longas esperas para atendimento e exames, mas o que mais tem afligido a população é a falta de medicamentos, incluindo os de uso contínuo, o pronto atendimento na UPA que não minimizou a espera e, também, muitas reclamações com a falta de atendimento mais humanizado e eficiente e a questão da falta de vagas de internação na Santa Casa.

Lucas Pocay afirmou que é uma questão realmente muito preocupante a gestão da saúde por isso sua proposta é informatizar este setor, integrando todos os equipamentos públicos de saúde para que não haja mais desperdício e gere mais economia para investir nos postos de saúde, equipando-os melhor, oferecendo condições e estrutura para que os médicos e profissionais de saúde possam atender e acolher bem o paciente e que tenha um diagnóstico correto e resolutividade. Também afirmou que pretende implantar um pronto atendimento 24 horas no Posto de Saúde da Cohab, estender até às 23 horas o funcionamento do Posto de Saúde I (Postão) para poder atender as pessoas após seu horário de trabalho já que hoje apenas a UPA oferece este atendimento e, com isso, ampliar as alternativas para a população. Quanto a questão dos medicamentos disse que hoje existe uma lista de medicamentos totalmente defasada, além da falta deles. Os aposentados, por exemplo, precisam todos os meses comprar com recursos próprios seus medicamentos de uso contínuo, sendo que o poder público tem responsabilidade e poderia ajudá-los, inclusive suas famílias, a terem uma vida melhor com maior qualidade.

Quanto à Santa Casa, a intenção é ampliar a parceria e dar suporte para que possa atender a população já que é o hospital mais equipado de Ourinhos e da nossa região. Em relação à demanda de pessoas que estão aguardando consultas com especialistas, exames e cirurgias, o que agrava a situação das mesmas, a proposta é fazer um mutirão para agilizar esses atendimentos e zerar essa demanda. Outra questão que preocupa, afirmou o candidato, é o fato das pessoas terem que levantar de madrugada para aguardar uma consulta no Posto de Saúde e para resolver esse problema a proposta e reimplantar o disque saúde e outras ações modernas.

Na réplica, o jornalista José Luiz Martins afirmou que quando se fala em saúde e em todos os problemas elencados, invariavelmente isso passa também pelo aporte de recursos, e indagou como isso pode ser feito e também sobre as políticas públicas na área da assistência social, por exemplo, atenção ao idoso, menores em situação de vulnerabilidade, mendicância, moradores de rua, dependentes químicos e o combate à miséria e moradias para famílias de baixa renda. Na tréplica, Lucas Pocay afirmou que quanto à questão do idoso a proposta é criar um Centro do Idoso para acolher e atender as pessoas nesta fase da vida, depois de tanto ter contribuído com a sociedade. Na área de assistência social, a intenção é ampliar as parcerias com as entidades assistenciais para que possam atender bem os segmentos da comunidade que assistem. Na área da Saúde que tem um orçamento de 100 milhões, o que precisa é informatizar, afirmou o candidato, parar de gastar errado e acabar com os esquemas de desvios de recursos. O tema seguinte foi corrupção e cargos em comissão, abordado pelo jornalista Alexandre Mansinho, do Jornal Novo Negocião, e o candidato indagado foi Mário Ferreira.

Alexandre Mansinho afirmou que a cidade tem colecionado denúncias em contratos de licitações que, muitas vezes, resultam em processos no Ministério Público e instauração de CPIs na Câmara Municipal e que, além disso, convivemos com uma farra de cargos em comissão distribuídos, via de regra, a pessoas que colaboram com campanhas políticas e que em grande medida não reúnem condições e competência para executar funções públicas. Observou que tanto os contratos em licitações como escolhas mal feitas e numerosas de cargos comissionados, prejudicam enormemente o cotidiano dos trabalhos da Prefeitura e a qualidade dos serviços prestados à população e indagou quais serão as medidas efetivas de sua gestão para melhorar a transparência e a lisura nos contratos da Prefeitura e as diretrizes que serão usadas para a contratação de funcionários em cargos de comissão.

Mário Ferreira afirmou que de início vai implantar na Prefeitura um grande programa de combate ao desperdício, o que inclui uma revisão criteriosa dos cargos em comissão e a redução do número dos mesmos, e observou que é impossível justificar 345 cargos de confiança em Ourinhos enquanto Marília que é uma cidade muito maior tem 140 e se fizer comparação com qualquer outra cidade verá que Ourinhos é campeã disparada. Destacou que é preciso dar transparência no processo de licitação e tomada de preços. A proposta é criar a Controladoria Geral do Município com pessoas qualificadas para observar os editais. O Sebrae, informou o candidato, tem cursos para isso de forma que é possível direcionar o pessoal para comprar preferencialmente em Ourinhos e, especialmente, das micro e pequenas empresas, evitando desperdícios de recursos. A respeito da escolha de cargos de confiança, afirmou tratar-se de uma prerrogativa do prefeito e disse que assume o compromisso de escolher os melhores e mais qualificados, que tenham ideal e queiram trabalhar para melhorar a administração pública e o município. Disse que no seu governo vereador não vai escolher cargo de confiança e fez um desafio para seus concorrentes assumirem este compromisso também. Na réplica, Alexandre Mansinho citou a situação do PT em outras esferas de administração e indagou que, caso seja eleito, a população de Ourinhos vai poder ficar tranqüila quanto à lisura não só de sua pessoa mas de todas as pessoas que vão trabalhar na sua administração.

Mário Ferreira afirmou que quanto à lisura pessoal o que tem a oferecer é o seu passado transparente. Quanto a questão da corrupção a nível nacional disse que é bom lembrar que não é exclusividade do Partido dos Trabalhadores e que existem denúncias de corrupção em todos os partidos. Afirmou que muitos dos partidos que se arvoram como moralistas e paladinos da moralidade, participaram dos governos e mamaram nas tetas e nunca criticaram e que traíram na verdade, na última hora. Almoçaram no Palácio e à noite conspiraram e que, além de estarem envolvidos em irregularidades, pode agregar a esse pessoal mais uma qualidade: a da traição. Com a qual diz não conviver. A última pergunta do bloco foi feita pela jornalista Iara Lima e versou sobre empregos e qualificação profissional e foi feita ao candidato Toshio Misato. A jornalista indagou o que o candidato, se eleito, pretende fazer para gerar empregos e mudar a realidade atual de portas de empresas de comércio sendo fechadas e falta de oportunidades de trabalho.

Toshio disse que vivemos um momento difícil para o país e para a cidade de Ourinhos, diferente do período em que foi prefeito. Disse que em sua gestão trouxe para Ourinhos o Mac Donalds que só é implantado em município com efervescência econômica, em cidades com 200 mil habitantes, e representa um ícone de desenvolvimento econômico, sinalizando que Ourinhos tinha abundância de movimentação financeira. Informou ainda que trouxe a Heringer que gerou centenas de empregos e, segundo informações, a empresa pretender expandir seu parque industrial no próximo ano e investir 20 milhões de reais para gerar mais empregos. Disse que também trouxe uma grande empresa de distribuição de combustível, a Raizer, que concentra a maior quantidade de álcool dessa região do país e que, 80% do álcool consumido no sul do Brasil, passa por Ourinhos.

Para facilitar a vida dos jovens e ajudá-los a ingressar no mercado de trabalho citou a implantação do SENAI. Disse que pretende criar outros distritos industriais, a exemplo do distrito de micro e pequenas empresas que gerou dezenas e dezenas de empregos e que novos distritos deverão ser implantados em diversas regiões da cidade. Citou ainda que em sua gestão doou a área para o SENAC para atender as áreas do comércio e prestação de serviços, cuja obra, segundo a Federação do Comércio, será iniciada no começo do próximo ano o que dará muita oportunidade de emprego, além da qualificação profissional para os jovens e para o trabalhador. Na réplica, a jornalista Iara Lima citou o fato de que muitos jovens, formados pelas faculdades de Ourinhos, acabam indo embora por falta de oportunidade de empregos e o que o candidato pretende fazer, se eleito, para mudar esta realidade. Toshio afirmou que é preciso atrair mais empresas nas áreas do comércio, indústria e prestação de serviços e que pretende criar o programa do primeiro emprego e estimular tanto a Prefeitura como as empresas privadas a absorver grande parte dessa mão de obra que se forma e se qualifica. Disse também que fará uma grande parceria com o CIEE (Centro de Integração Escola e Empresa) para viabilizar as oportunidades de emprego aos jovens.

 

 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.