sábado, 22 de junho de 2024

Churrasco “cívico” em frente a Câmara reúne pouco mais de 350 pessoas

José Luiz Martins

Desde o início das manifestações e sem apoio popular pela redução dos subsídios dos vereadores ourinhenses, alguns supostos integrantes do movimento denominado “Por uma Ourinhos Melhor” apelaram ao oferecer um churrasco gratuito em frente a Câmara Municipal para conseguir apoio da população.

Propalada como churrascada “cívica” em comemoração ao 15 de novembro (Proclamação da República) o convescote promovido por “voluntários da causa”, reuniu pouco mais de 350 pessoas que consumiram parte dos 400 litros de refrigerante, 150 kg de carne, 100 kg de linguiça e 2.500 pães oferecidos.

Em sua grande maioria alheios ao real propósito dos “voluntários”, os presentes não arredaram o pé defronte da churrasqueira apelidada de “Marinete” e demonstravam nenhum interesse e conhecimento do que se discutia dentro do prédio da Câmara durante a 40ª Sessão Ordinária do legislativo. Dentro da Casa de Leis cerca de 50 pessoas, entre eles alguns integrantes da Maçonaria, acompanharam a sessão que durou aproximadamente uma hora.

Os maçons estavam ali esperando que os vereadores finalmente apresentassem uma proposta para redução de seus subsídios e assessores parlamentares. Mas o esperado pelos membros da confraria não ocorreu, como havia sido prometido pelos vereadores a cerca de 30 dias atrás em reuniões realizadas com o grupo. 

Enquanto no lado de fora da Câmara a “Marinete” queimava carne e linguiça para dezenas de marionetes dos sites, rádios e jornais financiados pela prefeitura, e que manipulam informações para encobrir suas reais intenções no apoio a causa dos voluntários, do lado de dentro os vereadores aprovavam em primeira votação por 7 a 3 a redução da verba de R$ 1.800.000,00 pretendida pela prefeitura para gastos com imprensa e publicidade em 2016 (ano eleitoral), para R$ 1.040.000,00.

Quem não saboreou a “cívica” iguaria bovina desta vez, terá outra oportunidade. Os “churrasqueiros” que falam em nome de “toda população ourinhense”, continuam manipulando informações e alardeando o sucesso do evento, se apressaram em marcar para próxima segunda-feira dia 23, mais uma queima da conscientização política e espírito de cidadania tão ausente na Ourinhos dos “Corações de Ouro”.

 

Nota da Redação – Fica o questionamento, por qual motivo desde que começaram os protestos do minguado grupo que fala em moralização da política local, não se viu em nenhum momento manifestações contra a prefeitura. É lá que está o maior ralo por onde se escoa o dinheiro público como, por exemplo, com excesso de cargos comissionados (350) e o desvio de quase 4 milhões de reais do programa de vale transporte dos servidores municipais.

Não se trata de defender os vereadores que poderiam ter tido mais boa vontade em discutir a redução de seus subsídios e o aumento de 11 para 15 cadeiras em 2017, isso tudo deve sim ser pauta do legislativo e vem de encontro ao que deseja os eleitores tendo em vista a conjuntura nacional. Mas em nível local, a maneira como as reivindicações foram expostas e principalmente a entrada em cena de alguns personagens que se agregaram ao movimento, fez minguar a credibilidade e consequentemente o apoio popular espontâneo. E nem bancando churrasco o povo compareceu dando mostras de que manipular e enganar a opinião pública não é um bom caminho para quem quer exigir moralidade lançando mão de ações que envergonham pessoas politizadas e esclarecidas, e também o mais inocente dos analfabetos políticos.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.