sexta, 19 de julho de 2024

Coletores da SAE protestam na Câmara e PL do prefeito é retirado da pauta

Publicado em 07 dez 2021 - 16:29:46

           

Servidores responsáveis pela coleta de lixo protestaram contra projeto de lei do Prefeito Lucas Pocay que pretende passar para a prefeitura a responsabilidade da coleta de lixo da cidade

 

Marcília Estefani e Hernani Corrêa

 

Motivados pelo Projeto de Lei nº 22/2021, de autoria do prefeito municipal da cidade, que pretende revogar a outorga da SAE – Superintendência de Água e Esgoto de Ourinhos, que pretende passar o serviço para a prefeitura, coletores de lixo da SAE lotaram o plenário da Câmara, em sessão realizada na noite da segunda-feira, 6/12.

 

ENTENDA O PROJETO – De acordo com o Projeto, “A Superintendência de Àgua e Esgoto – SAE, deverá transferir todo o seu patrimônio, incorporando-os ao patrimônio do Município, dos bens móveis existentes necessários e essenciais à execução dos serviços anteriormente concedido, bem como a Usina de Reciclagem de Lixo e o Aterro Sanitário, observadas as formalidades legais”.

Com isto a prefeitura passaria a ser a única responsável por toda a coleta de lixo da cidade.

Embora no projeto conste que: Art. 3º. A Superintendência de Água e Esgoto – SAE colocará à disposição da Prefeitura, na forma estatutária, os servidores que forem essenciais para o cumprimento da atividade revogada. § 1º. Os Servidores colocados à disposição serão enquadrados na Prefeitura em cargo, função ou emprego equivalentes ao que exerciam anteriormente. Art. 4º. Os servidores estáveis ocupantes dos cargos declarados não essenciais pela Lei Complementar n° 1.046, de 16 de julho de 2019, permanecerão no estado em que se encontram”, os servidores da coleta de lixo temem a perda de seus direitos.

 

PROTESTOS ANTES DA SESSÃO E FORA DO PLENÁRIO – Um pouco antes do início da sessão, os coletores de lixo estiveram em frente ao prédio da prefeitura, soltaram rojões e xingaram Lucas Pocay, desafiando o prefeito a comparecer na frente e dar explicações.

Depois o grupo se dirigiu para a Câmara Municipal e, novamente, soltaram rojões em protesto, antes de adentrar ao plenário.

 

COLETORES PEDEM APOIO DA POPULAÇÃO – No início da sessão, em entrevista exclusiva à reportagem do Negocião, Rafael “Malukinho Coletor”, como é conhecido, líder do movimento de protesto, disse que “o prefeito está dizendo que a coleta dá prejuízo, mas sabemos que tem dinheiro para se manter, nós achamos que ele não gosta de nós, pois cortaram nossas horas extras, nosso almoço, estamos sem reajuste de salários, não paramos na pandemia”.

E implorou apoio à população: “Venham com a gente, pois, depois disso, virá a terceirização da SAE e a conta de água ficará muito mais cara”.

“Amamos a SAE”, dizia um dos cartazes de protesto dos coletores na Câmara

 

 

PROJETO É RETIRADO DA PAUTA – Durante o primeiro intervalo regimental, alguns representantes dos coletores foram convidados pelo Presidente da Câmara, Santiago de Lucas Ângelo, para uma reunião a portas fechadas.

Nela, segundo os servidores, foi comunicada a retirada do projeto da pauta, por ser considerado “vago”, sem muitas explicações sobre o que vai ser feito com os coletores”.

De acordo com o representante da casa de leis, eles querem uma explicação melhor por parte do executivo. Ficou garantindo aos servidores, por parte dos edis, que uma reunião com o prefeito será realizada, para que possam entender a complexidade do projeto e depois os mesmos se reunirão com os servidores.

“Não à privatização” e “Respeito com os funcionários”, diziam outros cartazes

 

“NÃO PARTICIPAREMOS” – Ainda segundo os coletores, eles não participarão da reunião com o prefeito, pois “se o gestor municipal quisesse ouvir os coletores teria marcado uma reunião antes de apresentar o projeto. Depois o Santiago vai marcar uma reunião com todos os coletores para esclarecer o que vai acontecer, mas pode nos aguardar na próxima Sessão a gente vai estar aqui de novo”, declarou em entrevista um dos manifestantes.

 

VEREADOR APOIA A CLASSE – O vereador Guilherme Gonçalves que também já foi coletor de lixo, afirmou na saída da reunião que “não tem nada neste projeto que beneficie o coletor (…) o coletor não será coletor na prefeitura, porque na prefeitura não existe esse cargo de coletor. Provavelmente a intenção por trás desse projeto é a terceirização, e esses profissionais que estão aqui fizeram concurso para coleta de lixo, e não estão intencionados em ser auxiliar de serviços gerais da prefeitura, porque é isso que vai acontecer, não foi esse o concurso prestado por eles, eles amam a profissão deles e o prefeito deveria ter ouvido eles antes de mandar o projeto pra casa (…) é uma falta de respeito mandar um projeto desse prá casa sem escutar a classe que vai ser prejudicada (…) passar a coleta de lixo para a prefeitura significa a privatização da SAE e isso significa o aumento na sua conta, eles não estão brigando só pela coleta e sim por toda a população de Ourinhos, por isso a população tem que se unir a eles nesse momento, porque depois quem vai pagar a conta mais cara é a população”, explicou o vereador.

No intervalo da sessão, alguns representantes dos manifestantes se reuniram a portas fechadas com o presidente da Câmara

 

OUTRO LADO – Em live pelas redes sociais, o prefeito Lucas Pocay não explicou o projeto, afirmou que a autarquia não tem mais condições de realizar estes serviços, que a varrição já voltou a ser de responsabilidade da prefeitura, e que recentemente a SAE enviou ofício sobre a inviabilidade de continuar fazendo o trabalho.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.