sábado, 22 de junho de 2024

Duas meninas já morreram por febre maculosa em Ourinhos

Hernani Corrêa

Apesar da enorme estrutura preparada para atender os casos de dengue na cidade, onde o secretário municipal de Saúde, André Mello, afirma não ter havido nenhuma morte e se orgulha disso, a cidade vive outro alerta: um possível surto de febre maculosa.

Esta semana, a menor Julia Gabriela Macedo Batista, de 12 anos, do Jardim São Carlos, que faleceu na Santa Casa de Ourinhos no mês passado sob suspeita de Dengue, segundo a família, teve o diagnóstico comprovado pelo Instituto Adolfo Lutz. De acordo com os resultados, a menina morreu de febre maculosa.

Neusa Macedo Batista, mãe de Júlia, não se conforma até agora com o possível erro médico na conduta do tratamento, pois segundo ela, “um simples antibiótico resolveria e salvaria a minha filha”.

Primeiro Caso: Valentina Gomes de Almeida, 2 anos e meio, que morava no Jardim Anchieta, faleceu há alguns meses da mesma doença. Segundo a mãe, Patrícia Godoy, a menina também foi atendida na UPA em Ourinhos por uma pediatra especialista em dermatologia e foi tratada com suspeita de Dengue. Após complicações, foi encaminhada para o Hospital Regional de Assis a pedido da avó e morreu dias depois.

“Ourinhos já teve surto de febre maculosa há 15 anos atrás, segundo contaram meus vizinhos e muitos morreram. E não tem nenhuma sinalização de alerta nos locais onde a gente pode pegar, nem uma campanha de conscientização. Alguma coisa precisa ser feita”, afirma a mãe de Valentina, que atualmente reside em Assis.

Alerta anterior – Em 30 de Janeiro deste ano, em reportagem do NovoNegocião, o Dr. Ricardo Villas Boas, veterinário, já alertava as autoridades ourinhenses para o crescente número de animais que estava atendendo em sua clínica com a doença. Inclusive, citou Pirajú, onde a prefeitura havia feito uma grande campanha de conscientização junto à população da cidade em anos anteriores.

Na reportagem, o veterinário informou que Ourinhos é uma cidade cercada por três rios e ainda possui diversos lagos onde habitam um grande número de capivaras. O animal é um dos hospedeiros do “carrapato estrela”, que transmite a febre maculosa e é trazido para dentro das residências através das aves.

Secretaria de Saúde – Em entrevista à reportagem na semana passada (18/05), André Mello, secretário municipal de Saúde informou que já em reunião realizada no mês passado do COSENS (Conselho dos Secretários Municipais de Saúde), solicitou uma postura junto ao Estado pois é uma questão que vai além dos limites do município e também por ser uma questão ambiental, já que o hospedeiro é a capivara. Afirmou ter cobrado da SUCEN (Superintendência de Combate a Endemias), para que faça um trabalho mais efetivo e que possa identificar os locais onde possivelmente possam existir os carrapatos infectados. Acreditamos que até a semana que vem teremos uma reunião específica na região com a SUCEN e a GVE – Grupo Condutor da Vigilância Epidemiológica do Estado, para que se faça uma campanha a nível regional, principalmente no Vale do Paranapanema e seus afluentes, já que foram identificados vários casos da febre maculosa e mortes em Ourinhos, Assis, Florínea, Santa Cruz do Rio Pardo e Ipaussu.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.