sábado, 13 de abril de 2024

Luana Pocay assume presidência da Associação das Primeiras Damas do Estado de São Paulo

A primeira-dama ourinhense tem se destacado pelo trabalho junto ao Fundo Social de Solidariedade da cidade e busca com a nova associação políticas públicas voltadas para o bem estar de pessoas em situação de vulnerabilidade social

 

Marcília Estefani

 

A primeira-dama de Ourinhos e presidente do Fundo Social de Solidariedade da cidade, Luana Pocay, assumiu na sexta-feira, 24 de março de 2023, a presidência da Associação das Primeiras Damas do Estado de São Paulo, que conta com apoio de Lu Alckimim, de Ana Estela Haddad e da primeira dama do estado, Cristiane Freitas.

 

Luana Pocay tem 36 anos, é bacharel em direito e assumiu a liderança do Fundo Social de Solidariedade em 2021

 

O evento aconteceu no Auditório Paulo Kobayashi da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, e contou com a presença de primeiras damas de várias cidades, além de prefeitos, vice-prefeitos, secretários e outras personalidades importantes e atuantes na área social de todo o Estado de São Paulo.

O prefeito Lucas Pocay acompanhou Luana, que contou ainda com a presença de seu pai, o juiz federal Manuel Santana Câmara Alves.

 

A APDESP busca desenvolver políticas públicas voltadas ao bem estar das pessoas em situação de vulnerabilidade social

 

O evento foi organizado pela primeira dama ourinhense e teve como objetivo a criação da Associação das Primeiras Damas do Estado de São Paulo, através da união das primeiras damas, proporcionando a troca de experiências e apresentação de políticas públicas voltadas para o bem estar de pessoas em situação de vulnerabilidade social, além de propor soluções nas áreas sociais, ambientais, culturais, econômicas, educacionais, de saúde e segurança alimentar.

 

Primeiras damas reuniram-se na sexta-feira, 24 de março, na ALESP

 

Esse trabalho veio para coroar todo o trabalho de voluntariado do Fundo Social, um movimento de mobilização de todas as primeiras damas do estado para conseguirmos de fato desenvolver políticas públicas mais abrangentes, efetivas”, disse Luana em entrevista ao Negocião.

Segundo a primeira dama, os Fundos Sociais não têm uma verba própria, o que obriga as entidades a trabalharem com o que as pessoas se disponibilizam a doar. Já com a criação da APDESP, é possível buscar recursos em Brasília, em São Paulo.

 

 

COMO SURGIU A ASSOCIAÇÃO – Luana relata que a associação nasceu da necessidade de instrução, que as primeiras damas carecem ao assumirem tal posição. “Muitas de nós não éramos políticas, não estávamos envolvidas diretamente na política, a gente acompanha nossos maridos e eu senti a falta de uma cartilha, algo que possa direcionar, nos orientar em relação a quais ações dão certo, como iniciar, quem mobilizar, e a associação será uma ferramenta muito importante de organização pra nós, na mobilização, capacitação de voluntariado”.

 

PRIMEIRA BANDEIRA – Uma das primeiras ações a serem levantadas pela APDESP é voltada à saúde da mulher, e visa a efetividade de uma lei que já existe, mas não funciona, que versa sobre a proteção e direito da mulher em ter a reconstrução da mama através do SUS.

“Essa lei já existe mas não é efetiva, e nós vamos buscar esta efetividade, nós precisamos fazer funcionar porque a gente sabe que a mulher é o seio da sociedade, da família, e uma mulher desestruturada emocionalmente, porque ela passa pelo processo do câncer mas ainda continua carregando as consequências disso que é seu corpo mutilado, e não se reconhecer nesse corpo é muito triste, ela tem sua autoestima abalada, não tem um equilíbrio, uma saúde mental para poder cuidar seja do seu trabalho ou da sua casa, da formação de seres humanos, que é a criação dos filhos e isso lá na frente impacta na sociedade como um todo, acredito muito que é um direito que tem que ser preservado e cuidado”, explica Luana.

A primeira dama ressalta que o projeto tem o aval e total apoio de Lu Alckimim, de Ana Estela Haddad, que já abraçaram esta ideia.

“A Associação é para os vulneráveis, mas estou com um olhar mais sensível para a mulher, porque nós somos a maioria e precisamos ter o nosso lugar, a nossa voz”, complementa.

 

Lu Alckmin, segunda-dama do Brasil e esposa do Geraldo Alckmin, Luana, Lucas e Ana Estela Haddad, pesquisadora e Secretaria de Saúde Digital, esposa do Fernando Haddad, Ministro da Fazenda

 

CONHEÇA MELHOR A PRIMEIRA DAMA OURINHENSE – Luana Pocay é nascida em São Paulo, bacharel em direito, tem 36 anos, assumiu a liderança do Fundo Social de Solidariedade em 2021 quando o marido, Lucas Pocay, foi reeleito prefeito da cidade.

 

Eu amo muito ser primeira dama

 

Em entrevista exclusiva ao Jornal Negocião, Luana afirma que apesar de toda satisfação diante das atividades que vêm desenvolvendo junto à população ourinhense, em especial os mais vulneráveis, o papel de mãe é o que mais a realiza, é sua maior vocação e paixão.

Luana é mãe de dois filhos biológicos, Noah e Zion, e mãe do coração de Domy, filho do marido, Lucas Pocay, e juntos formam uma família, aos seus olhos, abençoada pelo amor que os cerca, apesar de toda correria do dia a dia, da demanda exigida pela política, procurando sempre oferecer à família e principalmente aos filhos o seu melhor, o seu 100%.

 

Luana e Lucas com os filhos Noah, Zion e Domy

 

MISSÃO COMO PRIMEIRA DAMA – A presidente do Fundo Social de Solidariedade relata que começou sua missão de uma forma básica, até pela falta de experiência, mas procurou acompanhar o marido para aprender e acabou se apaixonando pela boa política que ele faz, passando a procurar formas de contribuir de maneira mais ampla, mais completa.

“Eu amo muito ser primeira dama, tenho muito orgulho do ser humano, do político que o Lucas é me apaixonei mesmo por tudo isso, no sentido de poder fazer ações sociais, ajudar, contribuir”.

 

 

PRIMEIRAS AÇÕES – Luana lembra que chegou em Ourinhos na época da pandemia, um momento muito triste no mundo inteiro, quando deu início a sua primeira ação no Fundo Social fazendo a campanha da vacinação solidária, onde as pessoas que iam se vacinar doavam um quilo de alimento.

“Foi uma ação gigantesca que mobilizou todos os setores da cidade, a população como um todo, com as doações conseguimos atender todas as famílias e temos muita consciência e certeza que nenhuma família durante a pandemia passou fome, eles tiveram assistência alimentar e me orgulho muito de ter mobilizado a população que foi muito generosa”.

 

EMPREENDEDORISMO E CAPACITAÇÃO – Após a pandemia, chegou a hora de sair do assistencialismo – forma imediata de atender, e transformar a vida das pessoas. Aí a primeira dama começou a pensar no empreendedorismo como forma de devolver a dignidade ao povo já bastante sofrido, firmando parcerias com Sebrae, Senac, Sest Senat, a fim de capacitar, levar independência ao ser humano para que ele possa se desenvolver, sentir-se parte da sociedade.

“Isso transforma e faz com que as pessoas respeitem as regras, que entenda um novo conceito, se sinta um cidadão melhor, e tudo fica melhor, acredito muito no empreendedorismo e na capacitação do ser humano”.

Passou a trabalhar junto com as secretarias, enxergando oportunidades em cada uma, desenvolvendo campanhas com a saúde, com a educação, com a inclusão, com a própria assistência.

 

Primeira dama acredita no empreendedorismo e capacitação que devolve a dignidade das pessoas

 

“Em todo o movimento eu vejo uma oportunidade de ação, temos mais de 20 ações muito importantes para mim durante esse tempo que estou a frente do Fundo Social de Ourinhos, que hoje tem uma representatividade maior e até um respeito da população. Quando a gente envolve o nosso nome a população abraça as campanhas de uma forma muito carinhosa, na certeza que é um trabalho sério que vai chegar onde precisa chegar, como um canal de ajuda”.

 

SECRETARIA MUNICIPAL DA MULHER E DA FAMÍLIA – De acordo com Luana, a Secretaria da Mulher veio para institucionalizar, trazer fundos e junto ao Fundo Social agregar muito às políticas públicas para as mulheres. Ela cita ainda a parceria com a Delegada Seccional, Dra Cristiane Braga, que com toda sua experiência como Delegada da Mulher, função que desempenhou por muitos anos, se mantém muito engajada, parceira do Fundo Social e da nova secretaria.

“É o que eu busco, cada vez mais poder atender a população, não somente de uma forma paternalista que estamos acostumados – dando o pão de cada dia, o que é necessário e fundamental, porque a fome não espera, mas dando também dignidade para estas famílias, para estas mulheres, para que elas se sintam parte da sociedade mesmo”.

 

YAKISSOBA NA FAPI – A próxima ação de peso do Fundo Social de Solidariedade fica por conta do tradicional Yakissoba, que se fará presente em mais uma edição da FAPI – a 55ª.

Segundo Luana, o espaço físico é muito procurado e será ampliado este ano, devendo trazer novidades com novas parcerias, mais variedade de pratos, de forma a atender toda a demanda, mantendo a tradição e abrindo novas oportunidades e serviços.

“Não precisa ser só o consumo do yaki pra ajudar, as outras coisas também contribuem para que no final tenha o mesmo resultado, que é a ajuda”.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.