sábado, 15 de junho de 2024

O eterno fantasma do colesterol

Da redação

Muito se fala sobre o colesterol, mas será que todos sabem o que ele significa?

O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso organismo, o colesterol desempenha funções essenciais, como produção de hormônio e vitamina D. No entanto, o excesso de colesterol no sangue é prejudicial e aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Em nosso sangue, existem dois tipos de colesterol.

O LDL é conhecido como colesterol “ruim”, ele pode se depositar nas artérias e provocar o seu entupimento. Já o HDL é conhecido como colesterol “bom”, retira o excesso de colesterol para fora das artérias, impedindo o seu depósito e diminuindo a formação da placa de gordura. Tanto as taxas de colesterol muito altas quanto as muito baixas são perigosas à saúde.

Podemos dizer que existem vários tipos de colesterol circulando no sangue. O total da soma de todos eles chama-se “Colesterol Total”. Como visto, colesterol é uma espécie de “gordura do sangue” e, como gorduras não se misturam com líquidos, o colesterol é insolúvel no sangue. Por isso, o colesterol precisa da “carona” de certas proteínas para cumprir as suas funções.

Os alimentos ingeridos são de extrema importância para o controle dos níveis da LDL e HDL. As gorduras são classificadas em três categorias: poliinsaturadas, monoinsaturadas e saturadas. As poliinsaturadas, encontradas principalmente em óleos vegetais líquidos, como os de girassol, milho e soja, baixam os níveis de LDL, mas não na mesma proporção em que as gorduras saturadas aumentam esse índice. Por isso, um indivíduo não pode contrabalançar os problemas causados pelas gorduras saturadas, simplesmente aumentando o consumo de poliinsaturadas.

Outro fato que merece ser destacado é que as dietas ricas em gorduras pollinsaturadas tendem a baixar um pouco os níveis de HDL, podendo, ainda, diminuir a imunidade do organismo. Já as gorduras monoinsaturadas, presentes na azeitona, no amendoim e seus respectivos óleos, e no abacate, ao substituírem as saturadas, fazem baixar o LDL, sem diminuir o HDL, e parecem não afetar a imunidade.

Para ter melhor saúde cardíaca, deve-se ingerir menos gorduras, especialmente as saturadas, presentes nas carnes vermelhas, na gema de ovo, em miúdos de fígado, miolo, coração, rins, etc., na pele de galinha, na banha, no bacon, na manteiga e nas frituras em geral, e comer mais fibras solúveis, encontradas na aveia, nos flocos de milho, ameixas, em várias frutas e verduras, que contribuem para reduzir o colesterol no sangue.

Vale lembrar que a carne branca é preferível à escura e que o peru assado, é melhor do que o frango assado. Além disso, de todas as carnes, os peixes magros têm menores índices de gorduras saturadas e os mais altos de poliinsaturadas. Quanto aos laticínios, os integrais devem ser trocados pelos sem gorduras ou com poucas gorduras, se o objetivo é diminuir o consumo de gorduras saturadas.

O exame de colesterol total – também chamado de painel ou perfil lipídico – mostra os níveis de colesterol e triglicérides na corrente sanguínea. Este exame de sangue ajuda a determinar o risco de obstrução das artérias por formação de placas de gordura (aterosclerose). Altos níveis de colesterol geralmente não causam sintomas, por isso é importante fazer a dosagem regularmente.

A única forma conhecida de diagnosticar a hipercolesterolemia é através do exame de colesterol total e frações. A detecção precoce da hipercolesterolemia pode prevenir diversas doenças como infarto e AVC.

O exame de colesterol total é recomendo para todos os adultos saudáveis ao menos uma vez a cada cinco anos. O teste pode ser feito em intervalos menores por pessoas com maior risco para doenças cardiovasculares ou já fazem acompanhamento com dieta e medicamentos para controlar os níveis de colesterol.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.