sexta, 24 de maio de 2024

Projeto de Salas de Leitura é ‘abandonado’ nas escolas públicas de Ourinhos

Alexandre Mansinho

Em 2015 e 2016 Ourinhos figurou na mídia nacional pelo trabalho realizado no projeto Sala de Leitura, que tinha o objetivo multidisciplinar de formar leitores e desenvolver a capacidade leitora e escritora nos estudantes. O trabalho premiado foi considerado por especialistas como referência no trabalho de incentivo à leitura nas escolas públicas de uma forma inovadora. Porém nesta nova gestão o projeto foi interrompido.

Profa. Selma Pupim, mentora do projeto conta que tudo começou a partir do ‘Projeto Mais Livros. “Em 2014, logo depois da inauguração da EMEF Prof. Alves Martins, foi criado o ‘Projeto Mais Livros: Abrace essa Ideia Você Também’, porque não havia nenhum livro na unidade. O resultado foi que conseguimos a doação de 2,5 mil livros por meio de vários convênios e parcerias com autores, escritores, editoras e a Fundação Itaú Cultural”.

Com o crescimento e o desenvolvimento do projeto, houve também convênio com o SisEB (Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas) órgão ligado à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo que envia, a cada seis meses, um kit com 250 exemplares. A sala de leitura tinha monitores, mediadores e desenvolvia trabalhos multidisciplinares no contra-turno. “Nos 3 anos de duração do projeto, não houve aquisição de um exemplar por conta da Prefeitura, esse trabalho não foi prioridade no governo anterior e não está sendo prioridade nesse governo também”, completa Profa. Selma. O projeto ganhou o prêmio de melhor prática em biblioteca escolar do Seminário Internacional de Bibliotecas Escolares de São Paulo e, recentemente, pelo Rotary Clube de Taubaté o projeto foi contemplado com o título de Profissional do Ano – Bibliotecas Públicas.

Segundo a UNESCO (órgão das Nações Unidas sobre Educação) o projeto Sala de Leitura é primordial para a formação de cidadãos e para o desenvolvimento das demais competências cognitivas no indivíduo. Ter uma biblioteca que apenas empresta livros não basta, em um mundo todo interligado, cheio de recursos visuais, o trabalho de incentivo à leitura também deve ser inovador.

Opiniões de educadores – “O trabalho interdisciplinar de formação de leitores é importantíssimo para o desenvolvimento das capacidades dos educandos, a Selma junto com a equipe da escola realizava um trabalho de dar orgulho”, afirma a Profa. Luciana Carvalho. Profa. Ingrid Bergt, professora de Ciências, afirma que o trabalho da sala de leitura era um apoio primordial para todas as áreas do conhecimento: “hoje, com o projeto interrompido, é até triste entrar na sala, tanto nós, professores, quanto os alunos estamos frustrados”.

Outro lado – A Secretaria de Comunicação da Prefeitura respondeu a denúncia alegando que o projeto não foi encerrado, ele se encontra suspenso: “haverá uma reestruturação dos projetos na pasta da Educação, todos que tiverem projetos para apresentar deverão seguir os critérios que serão divulgados em breve pelo secretário Wilson de Moraes. Convém ressaltar também que as bibliotecas não estão fechadas, o trabalho de empréstimo de livros continua”.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.