quinta, 29 de fevereiro de 2024

Relator da CPI da Saúde não assina relatório conclusivo da investigação

Parecer final não foi assinado pelo vereador Cícero Investigador, que apresentou relatório próprio e deverá encaminhar ao Tribunal de Contas e Ministério Público

 

Marcília Estefani

 

O Relatório Final referente à CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito da UPA, instaurada para investigar possíveis responsabilidades da gestão municipal ao mudar a OS que geria a Unidade de Pronto Atendimento em pleno caos causado na saúde por conta dos altos índices da Covid-19, foi apresentado na 11ª Sessão ordinária na Câmara Municipal de Ourinhos, na última segunda-feira, 18 de abril de 2022.

Relatório da Comissão aponta que mudança de gestão da UPA não influenciou em mortes por Covid.

A CPI foi instaurada no dia 29 de março de 2021, para investigar possíveis irregularidades na transição de empresas de gerenciamento da UPA – Unidade de Pronto Atendimento da cidade, em momento de pandemia do Covid-19, quando a unidade atendia quase que exclusivamente casos da doença.

O requerimento 548/2021, com o pedido de criação da CPI, foi apresentado com cinco assinaturas, dos vereadores Guilherme Gonçalves, Cícero Investigador, Gil Carvalho, Roberta Stopa e Nilce Araújo, Protetora de Animais.

Os vereadores escolhidos por meio de sorteio para integrarem a Comissão foram: Éder Mota, Presidente, Cícero Investigador, Relator, e os membros Valter do Nascimento (Latinha), Luiz Bengozi (Borjão), Alexandre Florêncio (Alexandre Enfermeiro).

Desta forma foi anunciado o “encerramento dos trabalhos de investigação e o arquivamento da presente Comissão Parlamentar de Inquérito”.

Segundo o relatório da comissão, o grande número de óbitos registrados no período investigado não aconteceu em decorrência da transição de gestão, quando a OS Pró Vida deu lugar à INCS, nova gestora que assumiu também no dia 29 de março de 2021, mas pela agressividade com que a segunda onda da Covid-19 atacou todo o país.

 

RELATOR NÃO ASSINOU – Cícero Investigador, relator da comissão, não assinou o relatório por discordar dos termos em que foi realizado, que defendem e tiram qualquer responsabilidade da administração pública em relação aos óbitos registrados.

O edil apresentou um relatório próprio, que segundo ele, foi rejeitado pela Comissão e que deverá ainda ser enviado ao Tribunal de contas do Estado e Ministério Público.

Os vereadores Guilherme Gonçalves, Roberto Tasca, apoiaram o parlamentar, que também foi parabenizado pela vereadora Roberta Stopa.

Todos eles apontaram problemas ocorridos na época, como aparelho de raio X quebrado, veículos da saúde quebrados, falta de remédios, e outros mais.

O vereador Guilherme fez um comparativo do número de mortes por Covid em Ourinhos e a cidade de Araraquara, concluindo que morreram muito mais pessoas no nosso município, proporcionalmente ao número de habitantes das duas cidades.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.