quarta, 22 de maio de 2024

SAMU contribuiu para dinamizar e melhorar os atendimentos de urgência e emergência

Rose Pimentel Mader

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), completou dois anos de atividades em Ourinhos com importantes marcas na área de atendimento à população que contribuíram para organizar o fluxo de urgência e emergência e diminuir a mortalidade e as seqüelas.

Os benefícios proporcionados pelo SAMU no âmbito regional, se deve especialmente à característica do serviço oferecido que dispõe de recursos médicos e tecnológicos avançados e equipe altamente especializada.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Novo Negocião, o médico Ronaldo Antônio Canizella, coordenador médico do SAMU, destacou os principais diferenciais de atendimento, falou sobre a rotina de trabalho da equipe de profissionais e de que forma a população pode usufruir deste serviço e contribuir para a missão diária de assegurar uma assistência adequada e eficiente e garantir a vida.

SAMU atende os 12 municípios – O SAMU começou a funcionar em 29 de julho de 2013. Trata-se de um programa do governo federal em parceria no Estado de São Paulo com os municípios, e na nossa região é administrado pela União dos Municípios da Média Sorocabana (UMMES), que engloba 12 municípios – Ourinhos, Santa Cruz do Rio Pardo, Canitar, Chavantes, Ipaussu, Óleo, Timburi, Espírito Santo do Turvo, São Pedro do Turvo, Ribeirão do Sul e Salto Grande e é presidida pelo prefeito de Espírito Santo do Turvo, João Adirson Pacheco.

O SAMU conta com duas bases, uma em Santa Cruz e outra em Ourinhos.  Na Base de Ourinhos funciona a Central de Regulação que recebe e faz a triagem de todas as chamadas do 192 da região.

No âmbito da administração, o SAMU tem a coordenação geral da enfermeira Karla Renata Albieri e coordenação médica do médico Ronaldo Antônio Canizela.

Recursos avançados para o atendimento – A Base do SAMU em Ourinhos está instalada em frente à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e conta com três unidades de atendimento (veículos) sendo uma avançada USA (Unidade de Suporte Avançado) e duas USB (Unidade de Transporte Básico).

Segundo Ronaldo Canizela, as três unidades disponibilizam, no salão de atendimento, de duas pranchas, maca, cilindros de oxigênio, colar cervical, talas e ataduras, mochila de enfermagem com medicamentos e mochila de parto. O que difere a USA das duas USB são a tripulação e alguns equipamentos.

A Unidade de Suporte Avançado funciona como uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) móvel e conta com monitor cardíaco (nas unidades básicas tem desfibrilador eletrônico) e a mochila do médico para as vias aéreas, ou seja, com todo material para a ventilação do paciente e também ventilador mecânico.

Outro diferencial, explicou Canizela, é a equipe. Na Unidade de Suporte Básico (USB) atuam o condutor socorrista e um técnico de enfermagem, conforme determina a Portaria nº 2048 de 2004 e na Unidade de Suporte Avançado (USA) a equipe é integrada por um enfermeiro e um médico intervencionista. Os profissionais se revezam no atendimento em turno de 12 horas para garantir o funcionamento do SAMU 24 horas.

Ao todo o SAMU conta com três médicos, um intervencionista na Base de Santa Cruz do Rio Pardo e um intervencionista e um regulador na Base de Ourinhos. O médico regulador é o responsável para agilizar o atendimento. Imediatamente após o recebimento da chamada pelo 192 é o médico regulador quem vai decidir qual das duas unidades (USA ou USB) fará o atendimento. Cabe a ele também orientar a pessoa que fez a chamada para assistir o paciente até a chegada da viatura.

A importância da Central de Regulação  – Segundo Canizela é a Central de Regulação na Base de Ourinhos que faz a triagem para o atendimento em toda a região. Canizela chama a atenção para a importância da triagem que pode ter várias opções, por isso demanda um tempo maior para o atendimento. “O atendente ao receber a chamada precisa de algumas informações primordiais como endereço, localização e, também, sobre as condições do paciente para decidir qual das duas unidades deverá ser enviada ao local”.

O SAMU não é um transporte simples, explica Canizela, sua função é realizar os atendimentos de urgência, em casos em que há necessidade de uma assistência pré-hospitalar, também faz os atendimentos primários de urgência e os atendimentos secundários entre as unidades de saúde, como por exemplo, a UPA e a Santa Casa. Todos esses atendimentos são possíveis através da Central de Regulação da Base de Ourinhos. Daí, a importância da população colaborar para a eficiência do Serviço.

Quando chamar o SAMU ? – Importante ressaltar, afirma Ronaldo Canizela, que o SAMU não divide o trabalho social com as ambulâncias, ou seja, não pode atender casos em que há necessidade apenas de um transporte simples de um paciente para uma unidade de saúde, por exemplo, uma pessoa com dificuldade de locomoção.

As viaturas do SAMU devem atender apenas os casos de urgência e emergência de natureza clínica, traumática, obstétrica, psiquiátrica e pediátrica.

A Unidade Resgate do Corpo de Bombeiros, por exemplo, é chamada normalmente em situações de salvamento, como acidentes, em caso traumas.

Segundo Canizela, há uma comunicação entre o SAMU e o Corpo de Bombeiros em muitas situações, justamente para definir qual das unidades é necessária para realizar o atendimento.

Diante da complexidade e da importância da atuação do SAMU e também do Corpo de Bombeiros é fundamental que nenhum desses serviços seja alvo de trotes para evitar que uma viatura e uma equipe de profissionais que estão prontos e preparados para salvar uma vida não se desloquem de sua base inutilmente.

Estatística do SAMU Regional  – Em dois anos de atividades o SAMU recebeu 36.514 chamados; teve 20.932 acionamentos, dos quais 10.251 resultaram em acionamentos de ambulância social e 5.331 foram os atendimentos sem intervenção.

Desse total de atendimentos, em torno de 13 mil foram realizados na cidade de Ourinhos; 6.165 para a UPA e 5.480 para a Santa Casa. 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.