sexta, 01 de março de 2024

Sobe para 5 o número de vítimas de atirador que matou família em Campinas; vídeo mostra disparos

Da redação

Subiu para cinco o número de vítimas fatais do atirador Antonio Ricardo Gallo, de 28 anos, que atentou contra a própria família em Campinas (SP), nesta segunda-feira (30).

Após a constatação da morte do pai, de uma irmã e de um vizinho do suspeito, os bombeiros localizaram, no início da tarde, um quarto corpo, que estava carbonizado dentro da casa no distrito de Sousas, mas ainda não foi identificado –a polícia trabalha com a hipótese de ser outra irmã do atirador.

A quinta vítima é o atual companheiro de uma ex-namorada de Gallo, que também foi baleada e está internada no HC da Unicamp. Após matar parte da família, o suspeito seguiu para outro bairro e atirou contra o casal. O homem foi socorrido em estado gravíssimo, com disparos na região da cabeça, mas acabou morrendo. A morte foi confirmada pelo Hospital Celso Pierro, da PUC, às 13h10.

A ex-namorada de Gallo, de 25 anos, foi atingida no abdome e na cabeça e encaminhada para o Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp. O quadro de saúde dela é estável e está sendo avaliado pela equipe de cirurgia da unidade. Um vídeo mostra o momento dos disparos contra o casal (veja as imagens acima).

Após efetuar os disparos, o atirador chegou a ser perseguido pela Polícia Militar e, então, se matou com um tiro na cabeça. Segundo a corporação, o suicídio aconteceu em um dos acessos da Rodovia Anhanguera.

Crime e incêndio – A série de mortes ocorreu antes das 6h30 desta segunda. Segundo a EPTV, afiliada da TV Globo, apurou no local do crime, o atirador chegou próximo da casa da família e matou a irmã Ana Cristina Gallo, de 29 anos, que seguia para o trabalho. Em seguida, atirou contra o pai, Antonio Valentim Gallo, de 60 anos, que estava na frente da casa.

O vizinho, identificado como Elenilson Freitas do Nascimento, foi morto quando se aproximou para ver o que tinha acontecido. Outra irmã de Antonio, que tem síndrome de down, estava no local com uma criança e aambas foram poupadas.

O corpo encontrado carbonizado estava nos fundos da casa, em um quarto menor onde o pai dormia. Segundo os bombeiros, a vítima levou um tiro na cabeça, mas apenas exames da perícia poderão atestar o sexo.

Segundo reportagem da EPTV, familiares disseram que o corpo pode ser de outra irmã do atirador. Ela, que estava na casa no momento dos disparos, está desaparecida.

Maria Cecília Meireles, tia de Antonio Ricardo Gallo, afirmou que a irmã do atirador que tem síndrome de down e foi poupada passa bem. Ela foi levada para a casa de parentes junto à criança que estava com ela, que seria o filho de Alexandra Gallo, uma das vítimas. A criança tem 11 anos.

A tia afirmou que não tinha muito contato com o autor, mas diz acreditar que o motivo dos crimes tenha sido uma briga pela casa da família. “O que ele fez foi uma barbaridade. Estou chocada até agora”, disse Maria Cecília.

Investigação – Dentro do carro do atirador os policiais localizaram dois revólveres calibre 38, com numeração suprimida, 12 cartuchos deflagrados e 26 munições intactas. O suspeito também portava um cinto próprio para o acondicionamento das armas.

Gallo já tinha passagens pela delegacia e, segundo a EPTV, uma ordem judicial o impedia de se aproximar da família. A Polícia Civil investiga o que motivou os crimes. O caso foi registrado no 12º Distrito Policial como homicídio, feminicídio e suícidio.

A Polícia Civil iniciou, durante a tarde desta segunda, os depoimentos de familiares e conhecidos das vítimas. Segundo os relatos já coletados, a motivação do crime indica para uma briga familiar por conta da casa onde o pai do atirador morava com as filhas. A corporação vai pedir o exame toxicológico do autor dos disparos.

Mortes – As mortes ocorreram próximo à Rua João Maria Batista, em Sousas. A polícia foi acionada após uma moradora do bairro ouvir os disparos. A casa onde as vítimas estavam foi incendiada pelo atirador e, segundo a PM, não há outros feridos. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo foi combatido rapidamente. Três viaturas foram deslocadas para a ocorrência, e o local do crime foi cercado para o trabalho da perícia.

Suicídio – O corpo do atirador também passou por perícia. Ele morreu dentro do próprio carro, segundo a Polícia Militar. A morte foi constatada pelo resgate do Corpo de Bombeiros, acionado pela PM, logo após ele ter efetuado o disparo.

Fonte: g1.globo.com

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.