terça, 21 de maio de 2024

Veja a opinião dos leitores e editores do Jornal

CASO DOS SETE MILHÕES I – O ex-vereador José Claudinei Messias foi absolvido da acusação de desvio de R$ 7 milhões quando presidente da Câmara Municipal em 2006 e 2008. Em sua defesa, ‘Messias’ alegou equívoco do perito da Polícia Técnica de Marília, que apontou resgate de aplicação financeira como desvio de dinheiro. A juíza da 2ª Vara Criminal, Dra. Renata dos Santos Ferreira Carvalho aceitou o argumento.

CASO DOS SETE MILHÕES II – No mesmo processo, a Justiça condenou Osvaldo Barbosa a cinco anos e quatro meses de reclusão em regime inicialmente semi-aberto, além de multa. ‘Barbosa’ ainda pode recorrer em liberdade.

CASO DOS SETE MILHÕES III – Ainda na mesma sentença, a Juíza condenou o contador da Câmara Municipal, José Claudio Ribeiro a quase 11 anos de reclusão, que foram substituídos por prestação de serviços comunitários e multa de 20 salários mínimos. Ele também pode recorrer em liberdade.

DE VOLTA – O professor Evaldo Pereira foi nomeado como novo secretário municipal de esportes em Ourinhos. Ele substitui Newmar José Sackis, que deverá ocupar outra função na secretaria. Evaldo já ocupou o cargo de 2009 a 2012, quando saiu para disputar para vereador.

CARNAVAL NA MARRA – Apesar dos vereadores terem votado contra a realização do carnaval este ano, alegando que a situação da cidade exigia prioridade nos gastos, a prefeita Belkis teimou e mandou realizar os bailes de carnaval no antigo Clube do Ferroviário. A falta de público provou que o dinheiro poderia ser aplicado em outra coisa mais importante, e a prefeita perdeu a chance de mostrar que trata com seriedade o dinheiro público. 

BURACÓPOLIS – As chuvas durante o carnaval pioraram ainda mais o que já estava ruim. As ruas de praticamente todos os bairros da cidade estão esburacados, dificultando o tráfego e provocando danos nos automóveis. Não existe previsão de melhorar essa situação que inferniza a vida dos motoristas.

CADÊ AS OBRAS? – A população ourinhense ainda não viu obras sendo realizadas com recursos repassados pelo Governo do Estado para amenizar os prejuízos causados pelo temporal de setembro do ano passado. Cinco meses depois, será que o dinheiro já veio?

CADÊ A LUZ? – Está na hora do Ministério Público intervir e exigir que a Prefeitura cumpra seu papel com a iluminação pública na cidade. Quarteirões inteiros vivem às escuras, causando insegurança e preocupação aos moradores. Apesar de receber o valor correspondente à taxa de iluminação pública há quase dois anos, a prefeita Belkis não providenciou nem um telefone 0800 à disposição da população, com horário estendido e plantões de serviços nos finais de semana. O atendimento é feito através do telefone da Prefeitura, em horário comercial. O atendimento pode demorar dias ou não acontecer, como ocorre muitas vezes.

ESTAMOS DENGOSOS – Informações extraoficiais dizem que os casos de dengue em Ourinhos podem chegar a 400. A Secretaria de Saúde só contabiliza depois que recebe a confirmação dos exames, mas os casos suspeitos aumentam a cada dia. A dengue também se espalha pelas cidades vizinhas, aumentando o risco de contaminação. Todo cuidado é pouco.

PREFEITA CASSADA – Essa aconteceu em Jales, cidade do interior do Estado. Em plena terça-feira de carnaval, a Câmara da cidade, depois de reunião que durou 24 horas, resolveu cassar a prefeita Eunice Mistilides Silva, por suspeita de irregularidades na contratação de empresa de coleta de lixo. 

NÃO AO IPTU – Deveria ter partido da prefeita Belkis a iniciativa de isentar do pagamento de IPTU aos moradores que tiveram as casas destruídas pelo temporal de setembro. Nem parece que a atual prefeita esteve à frente da secretaria de Assistência Social durante tantos anos.

DESAGRADANDO – Se no início de sua gestão a secretária de educação Maria Tereza Paschoal parecia conquistar pela simpatia. O tempo está mostrando que isso não basta. Professores estão frustrados com o desempenho da pasta, criticando o fato da secretária não ter feito as mudanças prometidas. “Ela esqueceu que já foi professora” é o que se ouve nas escolas. 

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.