sábado, 15 de junho de 2024

Veja a opinião dos leitores e editores do Jornal

É NÓS NA FITA – Os buracos das ruas de Ourinhos foram tema de matéria da TV Tem na semana passada. A reportagem mostrou o bom humor dos moradores da cidade, que sinalizam as crateras com placas, espantalhos ou galhos de árvore. A reação bem humorada, no entanto, não esconde a revolta da população com a situação das ruas. 

VEIO OU NÃO VEIO? – O Governo do Estado disse que só vai liberar os 2,5 milhões prometidos para a recuperação dos estragos causados pela chuva de setembro quando a Prefeitura encaminhar a documentação necessária. O governo do Estado diz isso e assessores da Prefeita justificam que a documentação já foi entregue. Enquanto isso, os ourinhenses continuam sentindo na pele os estragos provocados pela tempestade, quatro meses depois. Dinheiro que é bom….

ACERTOS – O grupo de vereadores que elegeu Roberto Tasca para a presidência da Câmara será recebido pela Prefeita. Na pauta cada um vai levar suas reivindicações. Se não houver um bom entendimento, prometem travar a tramitação de projetos encaminhados pela administração. 

DENGUE E PRÉDIOS PÚBLICOS – A prefeita Belkis marcou entrevista coletiva para falar sobre a preocupação da administração com o aumento no número de casos de dengue. Durante a semana várias fotos de prédios públicos onde a água se acumula de forma perigosa foram postadas nas redes sociais. A imagem de uma piscina no Centro Social Urbano, o CSU, mostra água esverdeada e sem tratamento, ideal para proliferação das larvas do mosquito. Seria melhor se a prefeitura fizesse primeiro a lição de casa. 

TROCAS – Apesar das críticas de vereadores e munícipes feitas a secretários municipais, a prefeita não sinaliza para nenhuma substituição. Metade do mandato já foi cumprido, e apesar da desaprovação popular, parece que as coisas ficarão como estão.

LAGOS ASSOREADOS – A falta de conservação dos lagos que existem na cidade é visível, e motivo de revolta dos moradores. Com essas reservas cada vez mais assoreadas, em caso de chuvas fortes a inundação é inevitável. Fica evidente o desastre ambiental, com a extinção de vida animal e vegetal. Está na hora do Ministério Público intervir antes que seja tarde. 

CONTRA-ATAQUE – A assessoria de imprensa da prefeita intensificou a produção de textos enaltecendo o trabalho da administração em serviços de manutenção como troca de lâmpadas e limpeza de bueiros. É uma tentativa de responder às muitas críticas de moradores. Acontece que a propaganda oficial anda numa velocidade muito maior do que o serviço executado, e não convence.

VAI FALTAR – A crise vivida pelos moradores de grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro deveria servir de exemplo. Nessas cidades como também em Ourinhos existe uma grande perda de água tratada, que acontece na rede sem manutenção. Além disso, não existem campanhas eficientes para educar a população a economizar água, nem investimentos em obras. O que a SAE está fazendo para garantir que a água não falte para os ourinhenses?

NÃO FISCALIZAM – A recente denúncia de que a AERO não presta contas do dinheiro que recebe da Prefeitura para as atividades de fiscalização de obras evidenciou outro problema. A fiscalização é falha, e além da falta de prestação de contas a entidade pratica o conhecido “jeitinho” para evitar multas aos amigos e parceiros políticos, enquanto pune os desafetos. Perdeu o crédito.

BOA VONTADE – Moradores da região abaixo da Rua Julio Mori, próxima a passagem de nível da Shell, a mais afetada pelas chuvas de setembro, estão indignados com a inoperância da prefeitura quanto as obras destinadas a sanar o problema de escoamento de águas da chuva ali. Não bastasse o medo de que a tragédia possa se repetir, relatam ter ouvido da boca da própria prefeita Belkis, que nada pode ser feito quanto a possível remissão do pagamento do IPTU, uma forma de compensação aos prejuízos e danos que estão sofrendo.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.