quarta, 17 de abril de 2024

Jovem médica é morta em assalto após jantar familiar em Maringá/PR

A moça foi abordada por dois criminosos, tentou fugir, mas foi baleada fatalmente

 

Da redação

 

Thayani Garcia Silva, de 28 anos, natural de Ji-Paraná (RO), que sonhava em salvar vidas como médica, foi tragicamente assassinada em um assalto no Cj. Requião, em Maringá (PR).

 

 

O crime aconteceu no sábado (16/9) quando Thayani, após levar sua avó para casa depois de um jantar familiar, foi abordada por dois armados em uma moto. Assustada, ela acelerou o carro e tentou fugir, mas foi baleada fatalmente.

Segundo informações divulgadas pelo repórter Ricardo Kern, ela perdeu o controle do seu veículo e invadiu o quintal de um imóvel. Quando os socorristas chegaram, tentaram reanimar a jovem, mas apesar de todos os esforços ela não resistiu.

O primo dela também foi baleado, ele estaria dentro da casa quando ouviu barulho e saiu para fora na intenção de ver o que estava acontecendo. Em estado gravíssimo o rapaz foi encaminhado até um hospital.

No domingo (17), dois suspeitos, ambos com 22 anos, foram presos, sendo que um deles admitiu ter atirado contra Thayani.

João Vitor Viana De Roco foi detido em Mandaguaçu, confessou ser o atirador e disse ainda que precisava de dinheiro para comprar bebidas por isso cometeu o crime. A prisão só foi possível após um homem ser detido no Conjunto Requião com uma arma de fogo a qual teria sido utilizada no assassinato, ele revelou quem era o autor e disse que teria emprestado a arma.

A partir de então durante diligências entre a Polícia Civil e Militar, eles conseguiram chegar até o acusado. O homem foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Maringá. Um segundo suspeito que estaria dando apoio ao assassino segue foragido, ele já teria sido identificado.

O tio de Thayani, Alexandre Garcia, lembra-se da moça como alguém que compartilhava momentos de alegria e tristeza com a família, incluindo a conquista de seu diploma em Medicina.

Ainda segundo relatos de familiares, a médica cursou e se formou em medicina fora do Brasil. Para atuar no país, precisou ser aprovada no Revalida, exame nacional de revalidação de diplomas médicos expedidos por instituições de ensino do exterior.

Thayani havia obtido a autorização para trabalhar no Brasil há cerca de 10 dias. Ela estava em Maringá há pouco mais de um mês, segundo a família e deixa uma filha de 7 anos.

O corpo da jovem foi velado em Maringá e será sepultado em sua cidade natal, Ji-Paraná, em Rondônia, onde nasceu e cresceu.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.