quarta, 17 de abril de 2024

Mais vítimas de golpes pelas redes sociais registram ocorrências na CPJ de Ourinhos

Vítimas se tornam alvos fáceis ao buscar vantagens em transações bancárias

 

Da redação

 

Uma moradora do Parque Minas Geris, em Ourinhos, compareceu ao plantão policial dizendo que solicitou um empréstimo pela internet da empresa Wil Financeira, e que durante as tratativas, percebeu se tratar de um golpe. Porém, já havia feito um pix aos estelionatários no valor de R$ 298,05.

A vítima contou que após a sua solicitação, os funcionários mantiveram contato via whats, ficando acertado o valor do empréstimo de R$ 60.000, que seria pago através de parcelas de R$ 889,60. Porém, para que recebesse o valor que estava sendo contratado, teria que pagar o valor de R$ 298,05 referente a uma taxa do seguro.

O pagamento foi feito imediatamente através de chave pix. Após a transferência os supostos funcionários pediram mais dinheiro, momento em que ela desconfiou que seria um golpe. A vítima disse ainda que os golpistas utilizaram 2 linhas de whats com DDD 11 e que tentaram a convencer a continuar com a transação, mas a mulher printou as telas de conversa e resolveu registrar o boletim.

 

Em outro caso, homem de 61 anos tem prejuízo bem maior

Na terça-feira, 9 de maio, a Central de Polícia Judiciária de Ourinhos registrou mais um golpe envolvendo empréstimo consignado.

O alvo, um morador da Vila Matilde, de 61 anos, teve um prejuízo de R$ 4.996,00 ao receber uma ligação de um suposto representante do Banco Bradesco, que teria entrado em contato para informar sobre uma devolução de valores que o governo estaria fazendo referente a diferença em taxa de juros cobrada em empréstimos consignados realizados em anos anteriores.

Continuando a conversa pelo WhatsApp, a vítima passou ao indivíduo seus dados pessoais – foto, RG e CPF, e o mesmo lhe informou que seria depositado em sua conta bancária, do Banco Santander, valores referentes a devolução, porém ele deveria devolver uma parte ao banco através do pagamento de um boleto que lhe foi encaminhado também pelo whats.

A vítima realizou o pagamento de R$ 4.996,00 que tinha como beneficiário Agi Financeira. Porém, o homem se deu conta do golpe, pois não recebeu a ligação de confirmação que o representante do Banco Bradesco lhe faria, e perceber que o boleto que pagou tinha a logo do Banco Bradesco, mas estava ligado a uma conta do Banco Inter S/A.

O munícipe foi até a CPJ na noite da quinta-feira, 11 de maio, e registrou a ocorrência, conforme orientação do Banco Inter, para que a conta seja bloqueada, e se tente a devolução do dinheiro.

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.