segunda, 17 de junho de 2024

Clima prejudica produção de cacau, e chocolates ficam mais caros nesta Páscoa

Diminuição da produtividade no continente africano, devido a problemas climáticos e envelhecimento das lavouras, explicam alta do valor do fruto. Com baixa oferta, produtores do Espírito Santo comemoram preço mais alto da matéria-prima. Porém, consumidores terão que pagar mais caro pelos chocolates.

 

A menos de 30 dias da Páscoa – que este ano acontece no dia 31 de março – os corredores dos supermercados e lojas de doces já estão cheios de ovos de chocolates e produtos para produções artesanais. Mas, ao que tudo indica, vai ser preciso uma verdadeira corrida atrás dos melhores preços, já que os chocolates estão mais caros devido ao valor de venda do cacau (matéria-prima dessas delícias), que está batendo recordes em 2024.

No Espírito Santo, um dos maiores produtores do país, a saca do fruto está sendo vendida por R$ 1.840, mais do que o dobro do preço praticado no mesmo período de 2023, que era R$ 860. Isso vai afetar o produto final, que é o chocolate. Se por um lado os consumidores vão ter que desembolsar muito mais pelos doces, por outro lado, os produtores celebram a alta no valor.

“Houve queda da produtividade devido a problemas climáticos, reflexos do El Niño e envelhecimento das lavouras. E a África sendo o maior produtor de cacau do mundo, não tem como não impactar diretamente no preço do mercado”, pontuou. Ao contrário da África, no Brasil o clima foi até mais favorável, garantindo uma boa produção.

Alta do cacau eleva preço de chocolate nesta Páscoa. — Foto: TV Gazeta

Um estudo realizado pela Horus, empresa de inteligência de mercado, entre janeiro e fevereiro, indicou aumento de preço em três categorias de chocolates em todo o país. As barras de chocolate ficaram 11% mais caras; chocolates e bombons subiram 10,5%; enquanto que os ovos de Páscoa ficaram 1,8% mais caros.
O aumento verificado nos preços em 2024 é maior que o registrado no mesmo período de 2023, quando os ovos de Páscoa acumularam alta média de 0,4%, segundo a empresa.

Fernando ressalta que a alta do valor impacta a economia do Espírito Santo, principalmente, na cidade de Linhares, responsável por 80% da produção capixaba.

“Para mim, esse é o preço recorde do cacau, nunca tinha visto esse valor da commodity. […] Depois de décadas de valores medíocres, em que os agricultores mal conseguiam tratar das lavouras, agora está bom. É um incentivo para cada um cuidar da sua lavoura, fazer um trato melhor, gastar mais, adubar mais, investir na produção”, analisou.

Já o presidente da Associação de Cacauicultores de Linhares, André Luiz Scampini, aponta também que a queda na produção de cacau já acontece há alguns meses, mas que a diferença maior está sendo sentida agora. “Com o fim dos estoques das grandes indústrias de chocolates mundiais, o preço realmente disparou”.

Cacau mais caro, chocolate nas alturas

Com a diminuição da matéria-prima e o aumento do valor da saca, nas lojas o consumidor sente o reflexo no bolso. Além de produtor, Fernando Buffon também tem uma fábrica de chocolates artesanais e confirma que para o consumidor final o preço já está maior.

“Infelizmente, a gente já teve que repassar isso para os consumidores, senão a margem diminui muito. A gente tenta segurar, mas dessa vez não teve muito o que fazer”, disse.

Pesquisa de preço será necessária para garantir melhores compras de chocolate na Páscoa de 2024. Espírito Santo. — Foto: TV Gazeta

Na Grande Vitória, microempreendedores como Tatiana dos Santos Pereira apostam na pesquisa de preço para tentar não sair no prejuízo. Tatiana mora em Cariacica, comprou matéria-prima para a produção de ovos artesanais pela internet, e foi retirar em uma loja física em Vila Velha.

“O motivo são os preços mais em conta. Eu ando muito para pesquisar preço, corro atrás, compro pelo site”, falou a microempreendedora.

A administradora Adriana Oliveira é outro exemplo de quem tenta economizar. Há alguns anos, na Páscoa, faz os ovos em casa para agradar aos filhos.

“Fica mais barato e é um momento único com as crianças! Elas montam com brigadeiro, granulado, é o kit confeiteiro que a gente faz. Tudo para participarem também, e entrarem no clima da Páscoa”.

 

Espírito Santo é o 3° maior produtor de cacau o Brasil

Segundo dados do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), o Espírito Santo é o 3º maior produtor de cacau do Brasil e a cidade de Linhares produz 80% do cacau capixaba.

De acordo com levantamento feito em 2019, a cidade do Norte do estado produziu mais de 8 mil toneladas do fruto, o que representa, aproximadamente, 13 milhões e 500 mil pés, cultivados em uma área de 15 mil hectares. A maior parte está localizada na região do Baixo Rio Doce, conhecido como “Cacau de Cabruca”.

Reprodução: G1 ES e TV Gazeta

© 1990 - 2023 Jornal Negocião - Seu melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.